Corinthians complica o sonho de cartola santista de ‘matar os gambás’ no Pacaembu

O zagueiro Manoel abriu o caminho do triunfo

O sonho do mandachuva e raios do Peixe, José Carlos Peres, de ‘matar os gambás’ no segundo duelo das semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, ficou bem mais complicado. O Corinthians venceu por 2 a 1, no Itaquerão, minha casa minha vida (39.919 pagantes/R$ 2.467.185,50), e agora depende apenas de um empate no confronto do Pacaembu, dia 8, para carimbar a vaga às finais contra Palmeiras ou soberano São Paulo.

Clayson foi o grande destaque da partida. Já o volante Ralf, com bom trabalho, comemorou seu 400º jogo com a camisa do Corinthians. Nunca foi expulso.

A equipe da Baixada precisa ganhar por dois gols de diferença para seguir na briga pelo caneco. Se faturar por um, levará a decisão para a marca da cal. A vantagem santista: torcida a favor. A Fiel ficará na frente da TV.

O time corintiano está invicto em clássicos nesta temporada – em cinco jogos, três triunfos e dois empates. ‘Nosso time cresce em partidas contra rivais mais poderosos. Isso mostra um grupo que tem personalidade’, afirmou o ‘professor’ Fabio Carille. O Santos perdeu o primeiro confronto contra os outros grandes.

O embate no Itaquerão começou em ritmo de Fórmula 1. Alucinante! Logo aos 3 minutos, o Corinthians abriu o placar. Sornoza cobrou falta, o zagueiro Manoel tocou levemente de cabeça e colocou no canto direito de Vanderlei.

A alegria da Fiel durou pouco. Aos 8, após falha grotesca de Cássio em cruzamento de Jean Mota, Derlis González empatou, também de cocoruto.

Depois da igualdade, o jogo ficou morno, sem lances de muito perigo. Até os 31 minutos: o zagueiro Luiz Felipe falhou duas vezes na devolução e Clayson, o melhor da partida, concluiu a gol depois de um belo corte em Victor Ferraz.

O Santos terminou a fase inicial com 62% de posse de bola, contra 38% da equipe corintiana. Trocou 177 passes sem muita objetividade. O Corinthians, com apenas 45, foi muito mais vertical e mereceu a vantagem.

Na bacia das almas do primeiro tempo, um susto: o zagueiro santista Felipe Aguillar caiu desacordado após um choque de cabeça com Danilo Avellar. Ele foi atendido rapidamente pelos médicos e deixou o campo de ambulância. Passa bem. O jogador saiu aplaudido pela Fiel.

Depois do choque, a bola sobrou para Fagner concluir a gol. Mas o lance já estava paralisado. Aguillar foi substituído por Lucas Veríssimo.

O Peixe voltou do vestiário com Rodrygo no lugar de Cueva (nada fez). O professor Jorge Sampaoli também trocou Sanchez pelo baixinho Soteldo. Não adiantou. Mais bem armado no gramado, com uma sólida defesa e um eficiente meio de campo, o Corinthiana fisgou o Peixe com tranquilidade.

Carille mudou três: Sornoza por Richard, Love por Pedrinho e Clayson por Mateus Vital. Diminuiu o poder de fogo do ataque, reforçou o setor defensivo e saiu de campo com mais uma vitória em clássicos, a 15ª diante de Santos, Palmeiras e São Paulo. Empatou sete e perdeu somente três, aproveitamento de 72%.

Estatua de Sócrates na Arena Corinthians

Antes de a bola rolar, o Corinthians postou no Twitter uma mensagem celebrando a Democracia Corinthiana, movimento comandado pelo doutor Sócrates, Casagrande e Vladimir na década de 80 contra a ditadura no país – 31 de março marcou os 55 anos do golpe militar e foi festejado nos quartéis a pedido do presidente capitão Jair Bolsonaro.

O clube não preparou nenhum texto. Colocou apenas uma foto e o símbolo de um punho. A Fiel aplaudiu o gesto. O Corinthians também levou para o setor Norte do estádio uma estátua de Sócrates (1954-2011).

Pela manhã, na velha Fazendinha, as meninas corintianas bateram as santista por 3 a 1 na estreia do estadual.

No `new Maraca`, mesmo atuando com reservas e sem o técnico Abel Braga, que se recupera de uma arritmia, o Flamengo ganhou a Taça Rio, segundo turno do Carioquinha. O Vasco saiu na frente no tempo regulamenar, com um gol Tiago Reis. O Flamengo empatou com Arrascaeta aos 48 do segundo tempo. Nos penaltis, 3 a 1 para o Urubu.

Com o resultado, os duelos das semifinais do campeonato serão os mesmos que aconteceram na Taça Rio, com o Flamengo enfrentando o Fluminense no sábado, e o Vasco pegando o Bangu no domingo. O Rubro-Negro e o Vasco jogam com a vantagem do empate. Público pagante: 34.776 (38.787 presentes). Renda: R$ 1.361,328.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Choque-Rei: depois de empate sem gols, garotos do São Paulo encaram tabu na mansão palmeirense

Pablo, São Paulo, Edu Dracena, Palmeiras
Edu Dracena e Pablo disputam a bola

A garotada do soberano São Paulo não se intimidou diante dos medalhões do Palmeiras, encarou o Choque-Rei em igualdade de condições e saiu aplaudida pela torcida no Morumbi (43.202 espectadores/R$ 1.809.853). Mas teve que se conformar com o ‘oxo’ no primeiro duelo das semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. O jogo foi agradável, principalmente no primeiro tempo, com bolas na trave e pênalti cancelado pelo VAR.

São-paulinos e palmeirenses decidirão a vaga no próximo domingo. Quem ganhar vai à final contra Peixe ou Corinthians. Novo empate levará o tira-teima para a marca da cal.

O embate será na mansão Allianz Parque. E é aí que mora o perigo para o Tricolor. A equipe enfrentará um tabu no ninho dos periquitos em revista: em sete jogos no estádio, perdeu todos. O São Paulo será comandado por mestre Cuca, que assumirá o time nesta terça. Vagner Mancini voltará ao cargo de cartola. Já o Palestra jogará antes pela Libertadores: terça, contra o San Lorenzo, na Argentina.

Tricolor e Palmeiras apresentaram bom espetáculo no primeiro tempo. Só faltou o gol. Mostraram muita disposição, às vezes até exagerada nas divididas, mandaram duas bolas na trave e até viveram o suspense do VAR.

O São Paulo prometeu e cumpriu: adotou a velocidade e, explorando as descidas do ótimo garoto Antony pela direita, controlou boa parte dos 45 minutos iniciais.

A equipe palmeirense cresceu depois de colocar a bola no chão e cadenciar o ritmo de jogo, a fim de quebrar a rapidez são-paulina no ataque. Resultado: Dudu mandou petardo na trave e ainda teve um pênalti de Reinaldo em Dudu, marcado por sua senhoria, o assoprador de latinha Vinícius Furlan, anulado pelo VAR.

O São Paulo também acertou o travessão Weverton. Após cruzamento de Liziero, Pablo venceu a disputa pelo alto com Edu Dracena e cabeceou no pau. O atacante ainda arrematou com perigo logo depois.

O Choque-Rei continuou agradável no segundo tempo, mas sem a mesma intensidade. O Tricolor até que tentou repetir a boa apresentação da etapa inicial, só que falhou no toque final, na hora de a onça escovar os dentes.

Aos 7, a galera são-paulina chegou a comemorar um gol de Arboleta (havia entrado no intervalo no lugar de Anderson Martins, lesionado). O lance, porém, foi anulado. Houve falta de Bruno Alves em Marcos Rocha.

O Palmeiras equilibrou a partida três minutos depois. E o jogo ficou até chato em alguns momentos, com excesso de faltas dos dois lados. As chances praticamente desapareceram.

Felipão trocou os laterais (Victor Luis por Diogo Barbosa e Marcos Rocha por Mayke), enquanto Vagner Mancini substituiu Everton Felipe por Everton. Depois, mexeram no meio de campo: Ricardo Goulart (apagadíssimo) e Igor Gomes por Lucas Lima e Nenê, respectivamente.

Nada mudou. E o ‘oxo’ prosseguiu até o fim. Um castigo para o desempenho de são-paulinos e palmeirenses. O melhor resultado seria um empate com gols. Está tudo aberto para o confronto do próximo domingo. Quem vencer leva.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. O maior adversário de Pato no soberano São Paulo será o Pato celebridade.

Tabu oitentão. Bicampeão do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, o ‘professor’ Fabio Carille pode entrar para a história corintiana com uma façanha: há 80 anos, o time não conquista um tricampeonato. A última vez foi em 1937/38/39. Antes, havia faturado o tri em duas oportunidades: 1922/23/24 e 1928/29/30. Carille está a 360 minutos do terceiro caneco.

Zé Corneta. O grande problema do VAR é quem cuida do apito eletrônico.

Pobre amarelinha. Os números do ibope são mortais no último terço do campo: a amarelinha desbotada tem cada vez menos espaço no coração da torcida para ‘performar como resultado’. Os amistosos com Panamá e República Tcheca renderam 16,5 e 19 pontos de audiência, respectivamente. Já São Paulo x Ituano e Corinthians x Ferroviária cravaram 21,5 e 29 pontos, pelo modorrento Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. O jogo do Corinthians bateu recorde da temporada na grande Pauliceia refém da bandidagem. Superou até a novela das nove.

Sugismundo Freud. Se o problema não tem solução, pra que esquentar a cabeça.

Vassourada. A compra do Bragantino pelo Red Bull já produz estragos: a comissão técnica do time de Bragança será convidada a visitar o RH no começo da próxima semana. A informação foi dada pelo ‘professor’ Marcelo Veiga à rádio 102 FM de Bragança. O treinador espera que boa parte do elenco seja mantida, mas isso dificilmente acontecerá. Os atletas do Red Bull terão preferência.

Zapping. A mídia esportiva está barbarizando: a apresentadora Sonia Abrão superou os entendidos e informou primeiro a contratação de Pato pelo soberano São Paulo. Deu uma baile nos estagiários.

Figurinhas. A Copa América só começa em 14 de junho, mas o álbum de figurinhas já circula por aí, com Neymar de cachos loiros e Messi ainda de barba. As 12 seleções estão distribuídas em 56 páginas. Total de 400 estampas. A Panini definiu em R$ 2,50 cada pacotinho com cinco figurinhas. A exemplo do Mundial da Rússia, há uma homenagem a lendas do futebol sul-americano.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Argentina tenta naturalizar elenco do Barcelona para fazer Messi jogar bem pela seleção.

Gilete press. De Marcel Rizzo, no Uol: “O Corinthians, mais uma vez, foi o clube que mais pagou comissões a intermediários em negociações de atletas, segundo dados da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O relatório que engloba o período de abril de 2018 a março de 2019 mostra que os paulistas pagaram R$ 34,5 milhões a agentes. O segundo foi o Palmeiras, com R$ 32,88 milhões [o São Paulo ficou em terceiro, com R$ 25,3 milhões]. O total pago por 40 clubes, segundo dados recebidos pela entidade, foi de R$ 202 milhões.” Festa do caqui.

Tititi d’Aline. O brasileiro Éderson, goleiro da seleção e do Manchester City, está sem lenço e sem documento: nos momentos de folga, só anda de chinelo slipper Gucci de 630 libras (R$ 3,2 mil). Ele e a mulher, Lais, também curtem uma Lamborghini Aventador de 433 mil libras (R$ 1,8 milhão). O ‘Pois É’ acelera de 0 a 100 km/ em três segundos.

Você sabia que… Corinthians e Peixe já se enfrentaram 329 vezes, com 130 vitórias corintianas, 94 empates e 105 derrotas?

‘Bola de ouro’. Corinthians. Pelo segundo ano consecutivo, o Papai Noel corintiano dá as cartas no ranking de clubes que mais alimentaram os empresários na transferência e/ou renovação de contrato de jogadores. Entre abril de 2017 e março de 2018, pagou R$ 12,8 milhões. Na última temporada, mais R$ 34,5 milhões em comissões.

Bola de latão. Roque Jr, Jô, Jardel e Gilberto. O quarteto de ouro do futebol brasileiro figura entre os 50 piores investimentos da história da Premier League, lista elaborada pela revista inglesa FourFour Two. Roque Jr (48º lugar) defendeu o Leeds United. Jô (40º) vestiu a camisa do Manchester City. Jardel (30º) decepcionou no Bolton, enquanto Gilberto (25º) fracassou no Tottenham.

Bola de lixo. Mamãe Fifa. Tira, põe, deixa ficar: o aumento de 32 seleções para 48 já na Copa do Catar/22, defendido com unhas, dentes e bolso pelo careca Gianni Infantino, representaria um incremento de US$ 1 bilhão na renda do Mundial. Também colocaria mais federações com o rabo preso.

Bola sete. “Ser campeão do mundo não tem preço, é algo único. Tive a sorte de ganhar tudo como jogador, no clube e a nível individual. Mas não ter nada com a seleção é muito duro” (do hermano Messi, sobre a maior frustração na carreira – Pelé tem três).

Dúvida pertinente. O VAR roubou o apito do juiz?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Corinthians leva vaga nos pênaltis e pega Peixe nas semifinais; soberano Tricolor encara o Palmeiras

Pedrinho e Cassio festejam vaga do Corinthians

As semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, estão definidas. Dono da melhor campanha do campeonato, com 29 pontos, o Palmeiras decidirá uma vaga contra o soberano Tricolor, quarto na classificação geral, com 21 pontos – os últimos três foram conquistados com um triunfo sobre o Ituano por 1 a 0. O primeiro duelo será no Morumbi, e o segundo, na mansão Allianz Parque.

O outro embate envolverá Peixe, segundo com 27 pontos, e Corinthians, terceiro com 23. O pontapé inicial acontecerá no Itaquerão, minha casa minha vida. E o segundo tempo do mata-mata deverá ocorrer na casa alugada do Pacaembu. A FPF anunciará as datas nesta quinta. O mais provável é que o Choque-Rei comece no sábado, e o confronto entre os alvinegros no domingo.

A Fiel foi a torcida dos quatro grandes que mais sofreu nas quartas de final. Só respirou aliviada depois da vitória corintiana nos pênaltis por 4 a 3. Haja coração! No tempo normal, empatou em 1 a 1 com a Ferroviária no Itaquerão (34.232 pagantes/R$ 1.208.153), mesmo placar da partida em Araraquara.

O Corinthians saiu na frente, com um gol de Júnior Urso aos 33 do primeiro tempo, quando a Ferroviária teve 66% de posse de bola, contra 34% dos donos da casa. Só que chutou muito pouco, duas vezes, cinco a menos que os corintianos.

Na etapa final, o ‘professor’ Fabio Carille armou uma armadilha para tentar surpreender a Ferroviária no contragolpe. Mandou o time ‘oferecer’ a bola ao adversário e tomá-la num bote para liquidar o jogo. Fracassou.

A equipe de Araraquara não só manteve o domínio diante de um Corinthians muitas vezes covarde, como também chegou a igualdade, aos 14: Diogo Mateus bateu rasteiro, Manoel vacilou e Thiago Santos completou.

Carille colocou Sornoza e Pedrinho nas vagas de Jadson e Ralf. O time foi para cima da Ferroviária e Boselli, que havia substituído Vagner Love, perdeu boa chance na bacia das almas.

Na marca da cal. Gustagol, Clayson, Boselli e Pedrinho garantiram a festa da Fiel. Danilo Avelar perdeu (Tadeu pegou). O lateral também falhou diante do Racing. Na Ferroviária, Uilliam, Higor Meritão e o goleiro Tadeu converteram. Tony (fora) e Thiago Santos (Cássio defendeu) erraram. O gigante corintiano agarrou o 17º pênalti com a camisa alvinegra.

Pela quinta vez o Corinthians disputou uma classificação nos pênaltis em seu campo. Bateu Ferroviária e São Paulo (2018) e dançou contra Palmeiras (2015), Audax (2016) e Saci colorado (2017). O time está invicto há 12 jogos.

Luan e Liziero comemoram o gol do São Paulo
Luan e Liziero comemoram o gol do Tricolor

A torcida do São Paulo viveu uma quarta-feira extremamente feliz. À tarde, o clube confirmou a volta do atacante Pato; à noite, o time derrotou o Ituano por 1 a 0, no estádio Novelli Júnior (9.028 torcedores/R$ 353.630), em Itu, e se classificou às semifinais do Paulistinha. Vai encarar o Palmeiras no fim de semana.

Como na vitória por 2 a 1 no primeiro embate, no Morumbi, a molecada do CT de Cotia foi decisiva no triunfo. Antony jogou muito, principalmente no segundo tempo, e Liziero marcou o gol, seu terceiro como profissional. Luan e Igor Gomes, outras promessas do Tricolor, também apareceram bem.

O gol da vitória, aos 26 da etapa final, começou com Antony, que roubou a bola, partiu para cima do adversário e passou para Pablo. O atacante foi travado na hora do chute, a bola sobrou para Liziero, que tocou no canto direito.

A equipe são-paulina dominou o primeiro tempo. Forte na marcação, neutralizou o Ituano, mas se mostrou sem muita força ofensiva. Não criou nenhuma grande chance. O mesmo aconteceu com o Galo de Itu.

O time do interior voltou mais ousado no segundo tempo, mas cometeu muitos erros de passes e facilitou o trabalho do Tricolor. Que, aos 26, nocauteou o adversário com o gol de Liziero. O Ituano esboçou uma blitz, sem sucesso.

Já Pato, 29 anos, assinou até dezembro de 2022. Ele deverá receber 2 milhões de euros (R$ 8,8 milhões) por ano. A primeira passagem do atacante pelo São Paulo começou em fevereiro de 2014 e terminou em dezembro de 2015. Foram 38 gols e 15 assistências em 101 jogos.

xxxxxxxxxxxx

Pitaco do Chucky. Até quando os assopradores de latinha darão salvo-conduto para o pitbull Felipe Melo distribuir socos e pontapés nos adversários?

Matador sem bala. O brilhante desempenho de Borja nesta temporada, com fantásticos três gols em 12 jogos, lhe rendeu ótima posição no ninho dos periquitos em revista: terceira opção para comandar o ataque. O colombiano está no vácuo de Deyverson e Arthur. Se aparecer alguém disposto a pagar R$ 30 milhões e uns quebrados, o Palmeiras vai bater o martelo. A ordem é recuperar o investimento.

Zé Corneta. Estaduais, mais chatos que a dupla Simorre e Simata.

Prestação de contas. O futebol do Palestra consumiu a mixaria de R$ 590 milhões na última temporada, apenas R$ 181 milhões a mais em relação a 2017 (gastou R$ 408 milhões). O Palmeiras arrecadou R$ 688 milhões em 2018, um recorde. Mas o superávit caiu de R$ 57 milhões para R$ 30 milhões. Os números apresentados ao Conselho Deliberativo não foram degustados sem sal de fruta por muitos integrantes.

Sugismundo Freud. Enquanto não se perde, não se sabe o que tem.

Curto-circuito. Uma das principais concessionárias de energia elétrica do país, a Cemig é uma bênção aos amigos de fé do estádio Independência. Ela pagou R$ 990 mil pelo aluguel de três anos de um camarote, sem licitação. Se optasse por um no Mineirão, a Cemig desembolsaria R$ 390 mil. A empresa diz ter rompido o acordo no dia 14.

Dona Fifi. Clubes argentinos de unem para celebrar o ‘Dia Nacional da Memória pela Verdade e Justiça’. No Brasil, Bolsonaro quer festejar a ‘data histórica’ de 31 de março de 1964, e nenhum time ou jogador contesta. Ah, que saudade do doutor Sócrates…

Barrado no baile. Graças à excepcional campanha no Carioquinha, o eliminado Botafogo poderá disputar apenas cinco jogos em abril, todos pela Copa do Brasil. A maratona, porém, pode se restringir aos dois jogos contra o Juventude pela terceira fase.

Caiu na rede. Molecada tricolor, mais rápida que visita de médico em casa de pobre.

Gilete press. Do pequeno grande Tostão, na Folha: “Pelé é o maior da história, mas já existe um grande número de pessoas, que, por não terem visto Pelé jogar, acham que Messi e/ou Cristiano Ronaldo são superiores Daqui a algumas décadas, quando não existir ninguém que tenha visto Pelé atuar ao vivo, aumentará, certamente, o número dos que preferem Messi ou Cristiano Ronaldo. Depois, surgirão os herdeiros dos dois e assim sucessivamente. As pessoas passam. A vida continua.” Fato.

Tititi d’Aline. O bochicho percorre os corredores do aquário da Vila Belmiro: o ex-volante Clodoaldo, o Corró, pretende sair candidato à presidência do Peixe nas eleições de 2020. Ele estaria esperando apenas o apoio de Pelé para confirmar a candidatura.

Você sabia que… a Copa da Rússia rendeu à mamãe Fifa R$ 3,6 bilhões a mais do que no Mundial do Brasil?

Bola de ouro. Janeth. A brasileira foi indicada para o Hall da Fama da Federação Internacional de Basquete. Campeã mundial (1994) e dona de duas medalhas olímpicas (prata em Atlanta/96 e bronze em Sydney/00), ela também fez muito sucesso na WNBA (foi tetracampeã). A festa será em 30 de agosto, véspera da abertura do Mundial masculino da China.

Bola de latão. Carioquinha. Nem a cartolagem sabe explicar o esdrúxulo regulamento. Joga-se muito e nada se conquista. Campeões de turno garantem o extraordinário prêmio de uma vaga na… semifinal.

Bola de lixo. Antônio Olim. O delegado presidente do tribunal da FPF pisou na maionese ao detonar o Palmeiras por causa das reclamações contra o VAR. Ridículo ter afirmado que iria mandar um lenço para o clube chorar.

Bola sete. “Às vezes o técnico exagera muito na tática e atrapalha. Eu fui técnico e sei. Porque o jogador fica muito dependente de você, é uma muleta. A gente só fala em tática, tática, mas não está jogando nada” (de ‘Muriçoca’ Ramalho, sobre o trabalho do ‘professor’ Tite – no alvo).

Dúvida pertinente. Depois do pênalti inexistente no terceiro gol diante do Novorizontino, o Palmeiras ainda acha que o VAR joga contra?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Palmeiras e Peixe dão bico nas zebras do interior e vão às semifinais; time de Felipão tem melhor campanha

Gustavo Scarpa fez dois gols sobre o Novorizontino
Gustavo Scarpa marcou dois gols

Palmeiras e Peixe estão classificados para as semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. Os periquitos em revista arrasaram o Novorizontino, enquanto o Santos despachou o Red Bull. Confirmaram o favoritismo diante das zebras do interior. Independentemente dos resultados de Corinthians x Ferroviária e Ituano x São Paulo, o Palestra fechará as quartas de final com a melhor campanha do campeonato (29 pontos) e enfrentará o quarto. O Peixe, como segundo (27), vai pegar o terceiro.

Na casa alugada do Pacaembu (26.706 pagantes/R$ 717.272,50), o Palmeiras simplesmente amassou o Novorizontino: 5 a 0. A equipe necessitou de apenas nove minutos para afogar o adversário. Logo aos 5, Dudu cobrou escanteio, Felipe Melo escorou de cabeça e abriu o caminho da goleada.

Aos 9, mais um escanteio de Dudu: Deyverson desviou de cabeça no primeiro pau, Ricardo Goulart apareceu livre no segundo e testou para o fundo do gol.

Mais grogue que pernilongo depois de levar uma travesserada em noite de verão, o Novorizontino se transformou numa presa fácil. Não viu mais a cor da bola, principalmente no segundo tempo. E o massacre foi inevitável.

Aos 5, de pênalti, contestado pelo time do interior, Scarpa assinalou o terceiro. Dez minutos depois, mais um pênalti, confirmado pelo VAR, e Dudu deixa o inimigo de quatro.

Triunfo garantido com extrema felicidade, Felipão troca Felipe Melo por Thiago Santos. Depois, Deyverson por Arthur. E, finalmente, Ricardo Goulart por Lucas Lima. Aos 31, mais uma festa palmeirense nas arquibancadas: Dudu cobrou arremesso, Arthur desviou de cabeça, Bruno Henrique ajeitou e Scarpa chutou rasteiro.

Havia muito tempo que o Palestra não realizava uma partida tão marcante. Eficiente nas bolas paradas e sempre envolvendo o Novorizontino. Dudu, Scarpa e Diogo Barbosa foram os destaques. O time chega muito forte para a disputa das semifinais.

Felipão chega a quinta semi em seis disputas. Mais de 80% de produtividade. Só que nunca deu a volta olímpica. Esteve na final de 1999 e caiu nas semis de 1998, 2000 e 2011. Em 2012, foi eliminado nas quartas pelo Guarani.

Em Campinas, o Peixe mostrou que também sabe jogar com o regulamento debaixo do braço. Após vencer o primeiro duelo por 2 a 0, no Pacaembu, o Santos poderia perder por até um gol de diferença. Mas com um esquema mais sólido e sem a ousadia de outros jogos, o time garantiu o ‘oxo’ e se classificou no estádio Moisés Lucarelli (8.621 pagantes/R$ 395.430). O Red Bull foi o melhor time da primeira fase do campeonato.

A equipe de Jorge Sampaoli eliminou o melhor time da primeira fase do Paulistão e espera os jogos de quarta-feira para saber quem será o próximo rival.

Surpreendentemente, o Peixe começou o duelo com Rodrygo no banco. O ‘professor’ Jorge Sampaoli optou por Copete. Mesmo sem um dos principais atacantes, a equipe santista foi superior no primeiro tempo, com destaque para Jean Mota.

Logo no início, Eduardo Sasha desperdiçou boa chance após receber passe de Jean Motta. O atacante chutou à queima-roupa e Júlio César fez ótima defesa. O goleiro do Toro Loko fez outra bela intervenção numa cabeçada de Diego Pituca.

O melhor momento do Red Bull aconteceu aos 28. Deivid furou feio na cara de Vanderlei. Muito pouco para quem precisava reverter uma vantagem de dois gols. Optou por explorar os lançamentos diretos, sem sucesso. Facilitou o trabalho da zaga do Peixe.

No segundo tempo, Rodrygo substituiu Copete, nulo na etapa inicial. Esperava-se um Red Bull mais agressivo, o que não aconteceu. Raras vezes ameaçou o gol de Vanderlei.

Assim, ficou bem mais fácil o trabalho do Santos. Que, mesmo sem brilhar, segurou o empate e carimbou a classificação para as semifinais. O adversário será conhecido após os jogos Corinthians x Ferroviária e Ituano x São Paulo.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Molecada entra e garante virada da amarelinha desbotada contra tchecos; ‘profertite’ mais sossegado

Gabriel Jesus Brasil x República Tcheca
Gabriel Jesus entrou e marcou dois gols

O ‘professor’ Tite respira aliviado. A amarelinha desbotada derrotou a República Tcheca por 3 a 1, de virada, no estádio Eden Arena, em Praga, no último amistoso antes de convocar o time para a Copa América. A equipe brasileira voltou a mostrar um futebol de segunda categoria no primeiro tempo, quando os tchecos abriram o placar.

A equipe europeia, 44º no ranking da mamãe Fifa, entrou com o moral lá embaixo, vindo de uma goleada de 5 a 0 para a Inglaterra, na Eurocopa. O time brasileiro só melhorou após o ‘profertite’ recorrer aos moleques Everton Cebolinha, David Neres e Gabriel Jesus. Que enlouqueceram os tchecos e garantiram a virada.

Os únicos aplausos à amarelinha desbotada no primeiro tempo nasceram num fair play, na devolução de uma bola aos tchecos.

O canarinho conseguiu a proeza de voar pior do que no medíocre empate em 1 a 1 com a frágil equipe do Panamá.

A equipe não funcionou nem individual nem coletivamente. Muitas vezes, lembrou um bando correndo atrás de um balão perdido.

Lenta e sem um pingo de criatividade em todos os setores, a seleção de Tite foi dominada pela limitada República Tcheca, muito mais objetiva em campo.

Aos 36, um merecido prêmio a quem se comportou melhor, marcou sempre com eficiência e tirou proveito da apatia do adversário. Alex Sandro e Richarlison falharam na saída de bola. Masopust aproveitou e tocou para o meio. Marquinhos não cortou e Pavelka conferiu, com um belo arremate da entrada da área.

“Eu acho que o futebol brasileiro está contaminado, muito por conta dos treinadores. O jogador perdeu a ginga porque fica preso ao esquema tático. Vou dar um nome: o futebol brasileiro sofre contaminação tática”, fuzilou o ex-jogador e comentarista Casagrande na plim-plim.

No alvo. ‘Extremos desequilibrantes’, ‘performar com o resultado’, ‘sinapses no último terço’ e outras baboseiras do ‘titês’ certamente estão embaralhando ainda mais o já sofrível ludopédio nacional.

Na etapa final, o ‘professor’ Tite decidiu recorrer ao futebol moleque e pimba na caxirola: a equipe cresceu de produção e virou o placar.

Primeiro, colocou Everton Cebolinha no lugar de Lucas Paquetá. Depois, sacou Richarlison e pôs David Neres. Já o menino Jesus substituiu Philippe Coutinho. Também trocou Casemiro por Arthur.

O empate aconteceu aos 3. Thiago Silva lançou da defesa, Selassie ganhou de Richarlison, mas errou ao recuar e deu de presente para Firmino. O atacante do Liverpool agradeceu e estufou a rede.

Pouco depois, sua senhoria, o assoprador de apito romeno Ovidiu Hategan, poderia ter complicado a vida brasileira, porém ignorou uma cotovelada de Alex Sandro num tcheco e não mostrou o cartão vermelho.

A amarelinha desbotada partiu para definir a partida, usando muito bem a velocidade pelas pontas. No entanto, perdeu boas oportunidades e só conseguiu respirar aos 37. Em rápido contra-ataque, David Neres recebeu de Danilo e rolou para Jesus marcar o segundo.

Na bacia das almas, mais precisamente aos 44, David Neres entregou na área para Everton Cebolinha, que passou a Jesus: 3 a 1, vitória garantida. E mais refresco para o ‘profertite’ preparar a amarelinha desbotada para a Copa América.

O time estreará em 14 de junho, em São Paulo, contra a Bolívia. A chave tem ainda Venezuela e Peru. Argentina, Catar, Colômbia e Paraguai integrarão o Grupo B, enquanto Chile, Equador, Japão e Uruguai ficarão no C. A final será em 8 de julho, no ‘new’ Maraca. A convocação acontecerá em 17 de maio. Antes do pontapé estão programados dois amistosos: um contra o Catar e outro ainda indefinido.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Soberano São Paulo ressurge com a molecada e deixa a torcida mais animada

Marcello Zambrana/AGIF
Igor Gomes festeja um dos gols do triunfo sobre o Ituano: novo Kaka?

‘O São Paulo disputou o melhor jogo da temporada, com profundidade e criatividade.’ A análise é do hoje comentarista ‘Muriçoca’ Ramalho. E não há um pingo de paixão tricolor no comentário. Depois de uma batelada de apresentações ruins, finalmente a equipe agradou a torcida na vitória por 2 a 1 sobre o Ituano, pelo mata-mata das quartas de final do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago – 18.573 pagantes (R$ 511.098) no Morumbi.

A mudança radical ocorreu porque o ‘professor’ Vagner Mancini apostou na molecada: Liziero, Luan, Antony e Igor Gomes, que marcou os dois gols. O garoto de 20 anos foi o grande destaque do confronto. O treinador também improvisou o volante Hudson na lateral direita e acertou em cheio.

Os são-paulinos poderiam ter liquidado a fatura, mas a trave não deixou, em chutes de Hudson e Reinaldo. No final, Morato descontou. O ‘novo Tricolor’ jogará por um empate no segundo duelo, quarta, às 19h15, em Itu. Para ir às semifinais, o Ituano precisa de uma vitória por dois gols de vantagem. Se conseguir um a mais, a equipe do interior levará o tira-teima para os pênaltis.

O Tricolor surpreendeu o Ituano com bela exibição no primeiro tempo. Praticamente não deu chance ao adversário, disposto a perturbar a zaga são-paulina com contragolpes de Morato e Martinelli. Sem sucesso.

Improvisado na lateral direita, o volante Hudson tomou conta do setor e pouco permitiu ao garoto Martinelli, a grande revelação do campeonato. Já a dupla Bruno Alves e Anderson Martins cercou com eficiência Morato.

Luan, Liziero e Igor Gomes, com o apoio de Antony e/ou Everton Felipe, dominaram o meio de campo, empurraram o Ituano para a defesa e o Tricolor se impôs. O time também explorou muito bem as avançadas de Reinaldo pela esquerda.

Apesar da superioridade tricolor, a torcida só soltou o grito de gol aos 32 minutos. Após uma troca de passes (50 segundos de pé em pé), Reinaldo recebeu de Everton Felipe na esquerda e cruzou na medida para Igor Gomes concluir. Um golaço! Primeiro tento do moleque como profissional. Aos 42, Everton Felipe perdeu ótima oportunidade para ampliar o marcador.

A primeira etapa terminou com 58% de posse de bola para o São Paulo, contra 42% do Ituano. Finalizações: 8 a 2. Passes certos: 169 a 114. Passes errados: 17 a 6. Conclusões para fora: 5 a 1.

O Ituano voltou do vestiário mais ousado. Mas o Tricolor não mudou de comportamento. Continuou forte na marcação e envolvendo a zaga adversária, ora pela direita, ora pela esquerda.

Aos 15, o São Paulo aumentou o placar. E novamente com Igor Gomes, apontado no clube como ‘novo Kaká’. O Galo paulista errou uma saída de bola, Everton Felipe recebeu e bateu para o gol. Pegorari deu rebote, Igor Gomes pegou a sobra e estufou a rede.

O Tricolor poderia ter carimbado a classificação às semifinais em chutes de Hudson e Reinaldo, que pararam no travessão. Na bacia das almas, o Ituano foi para cima do coirmão a fim de diminuir o prejuízo. Teve um gol anulado, Volpi fez sensacional defesa com o pé direito num chute de Morato e, finalmente, descontou aos 37.

Depois de um escanteio, Volpi saiu mal e o baixinho Morato (1,70m) fez de cabeça, colocando outra vez o Ituano na briga.

Imagem relacionada

Em Araraquara (12.998 pagantes/R$ 811.460), mais uma vez Gustagol salvou o Corinthians. Depois de ficar afastado por causa de uma lesão, ele entrou no segundo tempo e marcou o gol de empate contra a Ferroviária aos 42 minutos.

Clayson, que vinha mal, desceu pela esquerda, deixou um adversário na saudade e cruzou para o artilheiro só conferir. Diego Mateus, com um chutaço aos 9 da etapa final, fez a alegria da galera do interior. Nas últimas cinco partidas no estádio da Fonte Nova, o Corinthians não venceu nenhuma.

O bicampeão paulista jogou mal. O meio-campista equatoriano Sornoza foi um dos piores em campo. O lateral Avelar também deixou a desejar, o mesmo acontecendo com Vagner Love e Pedrinho. O goleiro Cássio sentiu um problema muscular e foi substituído por Walter na volta da etapa final.

Com o 1 a 1, a briga pela vaga nas semifinais está aberta. Quarta, no Itaquerão, minha casa minha vida, quem vencer leva a vaga. Nova igualdade, por qualquer contagem, leva a disputa para os pênaltis.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Já encheu o saco do sapo cururu a briga do Palmeiras com a FPF. Por que o Palestra não escala um time sub-20? A galera certamente apoiaria.

Estilingada. A troca de amabilidades entre Palmeiras e FPF segue em ritmo de lua de mel. O Palestra voltou a elogiar o glorioso campeonato após o quiproquó envolvendo o VAR no empate com o Novorizontino pelas quartas de final. Usou as redes sociais, sem coraçãozinho, para festejar a novidade: “Federação Paulista defende o indefensável. É a mesma postura do Paulistinha do ano passado…” Ou seja, está manchado.

Zé Corneta. Red Bull, mais um falso brilhante?

Paulada. Dieguito Maradona subiu nas tamancas após o vexame da Argentina no amistoso com a Venezuela (3 a 1). Distribuiu bordoadas sem dó. Primeiro, classificou a seleção como ‘filme de terror’. Depois, afirmou ser parte de outra geração de jogadores. Citou Ruggeri, Batista, Giusti, Pumpido e Caniggia, uma equipe que ‘tatuou’ a camisa argentina. Também atirou no presidente da AFA, Claudio Tapia: ‘Não sei o que será dele, se será professor de matemática ou o que, mas sei que não tem ideia nenhuma. Lamento pelos argentinos que seguem acreditando nestes mentirosos.’ Por una Cabeza…

Sugismundo Freud. Levar a vida a sério não tem um pingo de graça.

Mundo fashion. O atacante David Neres aproveita o tempo livre na amarelinha desbotada para divulgar a marca de roupas ‘O Bagulho é Loko’. Aos 22 anos, a estrela do Ajax decidiu atacar como empresário de moda por ser muito ligado no setor. Gosta de escolher as roupas e acessórios. Quem cuida do negócio é seu irmão. Outra paixão de Neres é a namorada alemã Kira Winona, modelo e personal trainer.

Caiu na rede. Oi, meu nome é Bettina. Em apenas um ano, fui de quatro para oito títulos brasileiros.

Cestobol. Apesar de contar com King James, o Los Angeles Lakers ficará fora dos playoffs pela sexta vez consecutiva, recorde na história do time. Contratado a peso de ouro, LeBron voltará a curtir os mata-matas pela TV depois de 14 anos – desde a temporada 2004/05, ele sempre participou da grande festa da NBA.

Gilete press. De Jaeci Carvalho, do Estado de Minas: “O problema do futebol brasileiro vem de algumas décadas, quando começaram a inflacioná-lo e perderam as rédeas. Eu já disse mais de ‘mil vezes’: ou se investe pesado nas divisões de base, pondo gente gabaritada e competente para formar jogadores e entregá-los aos profissionais, ou o futebol brasileiro vai acabar morrendo e virando um sub-produto.” É vero.

Tititi d’Aline. Dono da rede Supermercados BH, Pedro Lourenço pretende assumir o trono da Raposa nas eleições de 2020. O empresário tem muito prestígio no clube e entre os torcedores. Há anos vem alimentando a saúde financeira do pão de queijo com a contratação de jogadores, como Arrascaeta (hoje no Fla) e Thiago Neves.

Você sabia que… Antônio Carlos Zago, ‘professor’ do Red Bull, é o único jogador campeão pelos quatro grandes clubes de São Paulo?

Bola de ouro. Peixe. Mesmo com salários e direitos de imagem atrasados, os jogadores praticamente garantiram a classificação às semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, com uma vitória convincente sobre a zebra do interior, o Red Bull.

Bola de latão. Amarelinha desbotada. Disputou sete partidas depois do fracasso na Copa da Rússia e não agradou em nenhuma. O divórcio litigioso entre torcida e comandados pelo ‘professor’ Tite aumenta o tom a cada 90 minutos. O empate com o Panamá foi uma derrota histórica.

Bola de lixo. Corinthians. Troféu do Mundial penhorado é uma vergonha para a torcida. Dívida de R$ 2,5 milhões é dinheiro de pinga para a grandeza do clube. A Fiel voltou a servir de chacota, estraçalhada por piadas e deboches. Pior: o mandachuva Andrés ‘Desmanchez’ ainda ironizou o fato informando que a taça exposta na velha Fazendinha é uma réplica. A original fica com a mamãe Fifa.

Bola sete. “O Palmeiras podia comprar a taça penhorada do Corinthians e acabar com a polêmica do Mundial” (do ex-jogador Djalminha – pano rápido).

Dúvida pertinente. VAR tomar caju?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Peixe volta aos bons tempos e fica muito perto da classificação; VAR complica Palmeiras

Diego Pituca tira a camisa para comemorar o segundo gol do Santos; ele levou amarelo
Pituca tira a camisa e comemora o segundo gol do Santos

Depois de três jogos sem vencer (duas derrotas e um empate, nenhum gol marcado), o Peixe de Jorge Sampaoli voltou aos bons tempos e superou o Red Bull por 2 a 0, na casa alugada do Pacaembu (18.475 pagantes/R$ 527.047,50), na abertura das quartas de final do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. Carlos Sánchez e Pituca marcaram os gols e deixaram o Santos numa situação privilegiada.

No segundo embate, terça, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, o Santos pode perder até por um gol de diferença que avança. O Red Bull precisa de uma vantagem de três gols para se classificar ou então vencer por dois para tentar a vaga na decisão por pênaltis.

Em alta rotação, com toques rápidos e pressão na marcação, o Santos dominou o Red Bull nos primeiros 20 minutos de jogo. Acuou o adversário, que cometeu erros incríveis na defesa.

Aos 5, Pituca balançou a rede, saiu para o abraço, mas o VAR entrou em ação e acabou com a festa santista. Pituca estava impedido. Aos 10, porém, a superioridade do Peixe foi confirmada no placar. Carlos Sánchez cobrou falta para a área, ninguém cortou e a bola entrou.

Aos poucos, o Red Bull deu asas à imaginação e Ytalo perdeu uma chance inacreditável. Sozinho na pequena área, errou o arremate. Depois, a equipe de Campinas teve mais duas oportunidades, mas parou no goleiro Vanderlei.

O Santos também desperdiçou um gol incrível com Diego Pituca. Sem marcação, chutou por cima do gol de Júlio Cesar.

No segundo tempo, o Peixe puxou o freio de mão, decidiu ‘entregar’ a bola ao inimigo e ficou à espera de um contragolpe mortal. O Red Bull, porém, tocou excessivamente de lado e quase não importunou Vanderlei.

E o time do interior acabou sucumbindo aos 33. Falhou na armação de uma estocada, Sánchez recuperou e cruzou. A bola sobrou para Copete na esquerda. O ponta, que havia substituído Sasha, passou a Pituca no meio da área. Ele chutou no canto esquerdo de Júlio César e mandou o Toro Loko para o espaço. O Santos colocou as duas mãos e uma chuteira nas semifinais.

Arthur, o autor do gol de empate do Palmeiras no segundo tempo
Arthur: estreia com gol

Em Novo Horizonte, o Palmeiras ficou no 1 a 1 com o Novorizontino, no estádio Jorge Ismael (4.925 torcedores). O VAR foi a grande (e péssima) atração do duelo ao ignorar uma falta no gol da equipe do interior, assinalado por Cléo Silva, aos 38 minutos de partida. O lance começou com Murilo Henrique dominando a bola com o braço.

No segundo tempo, o ‘árbitro de vídeo’ assinalou um pênalti de Antônio Carlos (mão na bola) e Fernando Prass defendeu a cobrança de Murilo Henrique.

O ‘sargento’ Felipão completou 100 jogos no Paulistinha, com 52 vitórias, 30 empates e 18 derrotas. Também saiu de campo com a certeza de que o colombiano Borja merece esquentar o bumbum no banco. As duas melhores chances do Palestra no primeiro tempo foram desperdiçadas pelo atacante.

Felipão ficou irritado e promoveu a estreia de Arthur. Pimba na caxirola: aos 21, após cruzamento de Marcos Rocha, o centroavante aproveitou um rebote da zaga e empatou a partida.

Antes, Fernando Prass havia evitado o segundo gol do Novorizontino ao defender pênalti batido por Murilo Henrique. Depois do empate, os periquitos em revista tomaram conta do jogo, mas falharam na falta de pontaria.

O segundo duelo do mata-mata será na próxima terça-feira, no Pacaembu. O vencedor se classificará à semifinal. Um novo empate levará a decisão da vaga para a marca da cal. Pela terceira vez seguida, Novorizontino e Palmeiras se encontram nas quartas de final. Em 2018, vitórias palmeirense por 3 a 0 e 5 a 0. Em 2017, ganhou por 3 a 1 e 3 a 0.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br