Corinthians vai embalado para a decisão com Tricolor: quatro jogos sem vencer e 370 minutos sem marcar

Jadson voltou a decepcionar

A Fiel ganhou um ótimo sopro de esperança para a decisão do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, contra o soberano São Paulo. O Corinthians voltou a dar uma aula de antifutebol e levou bala da Chapecoense (1 a 0) pela quarta fase da Copa do Brasil.

O time paulista fechou a quadra (quatro jogos sem vencer) e completou 370 minutos sem comemorar um gol, mesmo com o ‘professor’ Fabio Carille tendo à disposição três centroavantes – Gustagol, Boselli e Vagner Love. Com vários reservas, o Corinthians finalizou somente duas vezes a gol, contra 12 da Chape. A equipe igualou a marca do ano passado, quando estava a serviço de Jair Ventura.

No tira-teima da próxima semana, no Itaquerão, minha casa minha vida, o Corinthians tem de vencer por um tento de diferença para levar a disputa para os pênaltis. A Chape necessita de um empate.

O único gol da partida na Arena Condá (7.758 torcedores/R$ 245.810) foi marcado por Aylon, aos 33 minutos do primeiro tempo. Após cobrança de escanteio, Marllon tirou de cabeça, Gustavo Campanharo pegou o rebote e chutou de fora a área. A bola sobrou para Aylon, que só deu um toque na saída de Walter.

O goleiro corintiano, que substituiu o suspenso Cássio, foi um poucos que se salvaram em nova apresentação pífia do time comandado por Carille. A trave também colaborou para evitar uma derrota mais acachapante. Gustavo Campanharo fez uma linda jogada no início da etapa final, mas parou na trave.

No aquário da Vila Belmiro (8.659 pagantes/R$ 388.682,50), o Peixe derrotou o Vasco por 2 a 0 e ficou numa situação privilegiada para chegar às oitavas de final. O time pode até perder a partida de volta por um gol de diferença, na próxima semana, em São Januário. Os vascaínos precisam ganhar por dois tentos de vantagem, no mínimo, para levar a decisão aos pênaltis.

O Santos dominou o Vasco desde o início, pressionando o adversário, mas sentiu a falta de um artilheiro para concluir as jogadas. Um velho problema do time. A vitória veio apenas no segundo tempo, com gols de Rodrygo e Jean Mota – driblou um marcador e colocou no canto do goleiro Gabriel Felix.

Antes do segundo tiroteio com os santistas, o Vasco decidirá o Carioquinha contra o Flamengo. A equipe rubro-negra faturou o primeiro confronto por 2 a 0. Ou seja, os vascaínos estão no bico da cegonha sem asas tanto no estadual quanto na Copa do Brasil.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Uma caneta faz mais estragos que uma arma.

Guardiola dança. O Manchester City derrotou o Tottenham por 4 a 3, num jogo maluco, mas não levou a vaga para as semifinais da Champions, porque havia perdido por 1 a 0 no primeiro duelo das quartas de final. O time de Guardiola dançou no critério gol fora de casa. Aos 48 minutos do segundo tempo, Sterling marcou, a torcida foi à loucura, mas o VAR entrou em ação e anulou. Guardiola chiou barbaridades, só que o jogador do City estava impedido. Na próxima fase, o Tottenham vai encarar o Ajax (despachou a Juventus por 2 a 1), no encontro das zebras.

Guardiola dança 2. O duelo foi alucinante. Em apenas 21 minutos, o City já vencia por 3 a 2. Sterling abriu o placar, Son empatou e virou em três minutos para o Tottenham. Pouco depois, Bernardo Silva deixou tudo igual. E, na sequência, De Bruyne fez o terceiro do City. Aos 14 da etapa final, Agüero assinalou o quarto. Llorente fez o gol da classificação do Tottenham depois de a bola tocar em seu braço. O VAR validou. Desde a temporada 1961/62 o Tottenham não chegava tão longe numa Copa da Europa (antiga Champions).

Zé Corneta. O VAR é uma realidade, ou melhor, uma VÁRzea.

Liverpool amassa. A outra semifinal da Champions será entre Barcelona e Liverpool. O time espanhol passou fácil pelo Manchester United (3 a 0), com mais um show de Messi, enquanto o Liverpool deu um baile no Porto (4 a 1), mesmo jogando no estádio do Dragão. A equipe portuguesa começou melhor e chegou a animar a torcida. Porém, o Liverpool foi crescendo aos poucos e se impôs após Mané abrir o placar. Sua senhoria, o assoprador de latinha holandês Danny Makkelie, deu impedimento. Acionado, o VAR confirmou o tento. No segundo tempo, Salah matou o num contragolpe sensacional. O Porto diminuiu com o brasileiro Militão. Firmino, que saiu do banco, assinalou o terceiro. E Van Dijk fechou a conta para o Liverpool.

Sugismundo Freud. A verdade é uma só, mas tem várias faces.

Zapping. O ex-árbitro Salvio Spínola decidiu trocar a ESPN Brasil pela Globo. Ele substituirá Leonardo Gaciba, novo chefão dos assopradores de latinha do Circo Brasileiro de Futebol. Em meio ao inesgotável blá-blá-blá da ESPN Brasil, Spínola era o único que se sobressaía. Uma baixa terrível.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Malandro é o Botafogo, que está saindo de todas as competições para ganhar o Brasileirão.

Festa do interior. Destaque da primeira fase do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, o Red Bull faturou o Troféu do Interior e o prêmio de R$ 360 mil. Após empate em 0 a 0 no tempo normal, o Toro Loko derrubou a Ponte nos pênaltis por 3 a 1. O goleiro Júlio César pegou dois. Nada menos que 3.677 testemunhas (R$ 85.615) assistiram o jogo. O Red Bull disputará a Copa do Brasil de 2020.

Gilete press. Do pequeno grande Tostão, na Folha: “Após os dois amistosos, fiquei mais convicto –Tite deve pensar diferente– que Paquetá também não é um meio-campista para a seleção brasileira. Ele é um bom meia-atacante, para jogar mais perto do centroavante (…) Não ficarei surpreso se, na Copa América, Tite convocar e escalar Paulinho e Renato Augusto ou um dos dois, junto com Casemiro. É o meio-campo das eliminatórias, que o técnico tem saudade.” A conferir.

Tititi d’Aline. Jogador é fogo no quepe do general da banda. O ‘professor’ Villas-Boas que o diga! Na época que dirigia o Chelsea (2011/12), ele descobriu que os atletas davam ingressos aos porteiros para mudar o horário de entrada em caso de atraso. Assim, eles escapavam da multa. Sempre estava no tudo ok.

Você sabia que… o ABC de Natal lidera o ranking de clubes com mais títulos estaduais, colecionando 55 taças, oito à frente de Bahêa, Paysandu e Rio Branco/AC?

Bola de ouro. Grêmio. O imortal faturou pela 38ª vez o título do Gauchinho. O herói da conquista foi o goleiro Paulo Victor, com três defesas na decisão por pênaltis. Após empate em 0 a 0 no tempo normal, o Grêmio superou o Saci colorado por 3 a 2 na marca da cal.

Bola de latão. Corinthians. Um passo atrás: o ex-lateral Coelho voltou ao clube para comandar a equipe sub-20. Ele substitui Eduardo Barroca, que se mandou para treinar o time principal do Botafogo carioca. Coelho retorna ao cargo que ocupou até junho de 2018. Sem sucesso.

Bola de lixo. José Carlos Peres. O Conselho Deliberativo do Peixe reprovou as contas da gestão do mandachuva e raios do clube em 2018. O relatório indicou um déficit de R$ 77 milhões. O orçamento previa superávit de R$ 66 milhões. Peres tem duas semanas para recorrer e fugir de novos pedidos de impeachment.

Bola sete. “Um grande goleiro, currículo invejável, uma grande pessoa e, pode anotar aí, vai ser o treinador da seleção um dia. Trabalhador, estudioso, inteligente e muita experiência dentro do campo” (do ex-goleiro ‘são Marcos’, sobre o velho rival Rogério Ceni, ‘professor’ do Fortaleza – fato).

Dúvida pertinente. Quando o Corinthians de Carille deixará de ser um time covarde?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Coutinho marca golaço em novo show de Messi e manda torcida tomar caju; Ajax detona Juventus

Philippe Coutinho gol Barcelona Manchester United

Não tem choro nem vela. Quando o hermano Messi está inspirado, com a macaca no bico da chuteira, sai de baixo. Até os fanáticos por badminton param de jogar para assistir o espetáculo do gênio.

A Pulga deitou e rolou na vitória de 3 a 0 sobre o Manchester United, no Camp Nou, pela Champions. Marcou dois gols, distribuiu dribles e fez grandes jogadas. Um atuação de gala.

O brasileiro Philippe Coutinho assinalou o terceiro gol com um chutaço de fora da área no ângulo esquerdo do goleiro De Gea. No lugar da comemoração, Coutinho protestou. Colocou os dedos nos ouvidos e mandou a torcida tomar caju.

Messi e outros atletas correram para abraçá-lo e tentaram inflamar a festa. Não adiantou. Coutinho resolveu desabafar porque se transformou em principal alvo de críticas da torcida e da mídia catalã, que chegou a colocá-lo como moeda de troca na próxima janela de transferências, em julho.

Após o golaço e o desabafo, Coutinho foi substituído por Dembélé e saiu aplaudido.

Os Diabos Vermelhos equilibraram o jogo nos 10 minutos iniciais. Aí Messi tomou conta da partida. Após recuperar uma bola, o argentino deu uma caneta em Fred, avançou e chutou rasteiro. Um lindo gol.

Na sequência, marcou o segundo, com eficiente colaboração do goleiro De Gea. Frangaço. Na etapa final, Coutinho fechou o caixão do United.

Com o triunfo, o Barça se classificou às semifinais e quebrou um jejum: havia três anos que parava nas quartas de final. Na próxima fase, Messi & Cia. enfrentarão o vencedor de Liverpool x Porto – o duelo será nesta quarta. Os ingleses ganharam o primeiro embate por 2 a 0, na Inglaterra.

Juventus x Ajax

Em Turim, o Ajax do ex-são-paulino David Neres detonou mais um bicho-papão. Depois de eliminar o Real Madrid, o time holandês despachou a Juventus do gajo Cristiano Ronaldo. De virada, ganhou por 2 a 1 e voltará a disputar uma semifinal após 22 anos.

Longe das finais desde a temporada 1995/96, quando perdeu o título justamente para a Juventus, o Ajax faz uma campanha brilhante. O time entrou na segunda fase da pré-classificação à fase de grupos, passando por Sturm Graz (Áustria), Standard Liege (Bélgica) e Dínamo de Kiev (Ucrânia), antes de chegar à etapa principal.

No grupo E, foi o segundo colocado, atrás do Bayern de Munique e à frente de Benfica e AEK Atenas.

CR7, que abriu o placar, ficou na saudade depois de oito temporadas em sequência chegando às semifinais. Van de Beek e De Ligt (um em cada tempo) garantiram o carnaval do Ajax. No primeiro jogo, em Amsterdã, deu empate em 1 a 1.

Agora, o Ajax vai encarar o ganhador de Manchester City x Tottenham. Em Londres, o Tottenham faturou por 1 a 0 e joga nesta quarta por um empate. O ‘professor’ Erik ten Hag, do Ajax, já está sendo chamado de ‘novo Guardiola’. O time holandês jamais deixa de atacar. Toca a bola em velocidade e abomina chutões.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Majestoso mixuruca: soberano Tricolor completa 290 minutos sem marcar, e Corinthians, três jogos sem vencer

Cassio opera um milagre e evita o gol de Arboleda

O ‘primeiro tempo’ das finais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, terminou ‘oxo’. Soberano São Paulo e Corinthians mostraram muita luta, mas pouca imaginação para chegar ao gol no Morumbi – 58.713 torcedores (recorde do campeonato) e renda de R$ 6.350.830. O Tricolor teve a melhor chance com Arboleda, de cabeça, e ‘são Cássio’ evitou o gol. Mais uma vez, o Corinthians apostou na retranca para segurar o adversário.

A equipe são-paulina completou 288 minutos sem balançar a rede. O último tento aconteceu na vitória sobre o Ituano, pelas quartas de final. Gol de Liziero. Depois disso, dois empates sem gol e a vitória nos pênaltis sobre o Palmeiras, no Allianz Parque. Já o Corinthians acumulou três confrontos sem vencer. Antes, havia perdido de Ceará e Santos.

O grito de campeão sairá no próximo domingo, no Itaquerão, minha casa minha vida. Novo empate levará a decisão para a marca da cal. O vencedor dará a volta olímpica.

O Majestoso só correspondeu no primeiro tempo pela vontade dos jogadores em acertar. As emoções rarearam.

Sem Liziero (lesionado) no meio de campo, o Tricolor trocou a velocidade e as triangulações pela afobação, facilitando o trabalho da zaga adversária.

Já o Corinthians, com Ramiro e Jadson, tentou surpreender no contragolpes. Procurou atrair o inimigo e atacar com Clayson pela esquerda, único que conseguiu complicar a vida dos são-paulinos. Arboleda simplesmente colocou Gustagol no bolso. E a situação se complicou para os corintianos na metade da etapa, com a saída de Júnior Urso, machucado, e a entrada do burocrático Richard.

A melhor oportunidade foi do Tricolor, uma cabeçada de Arboleda na bacia das almas. Cássio operou um milagre. No total, foram sete finalizações do São Paulo e três do Corinthians, com duas chances reais de gol para os säo-paulinos. Posse de bola: 60% a 40% para o Tricolor.

O time da casa pediu pênalti em chute de Everton Ribeiro desviado por Ralf. O jogo ficou parado, os árbitros de vídeo analisaram, e nada foi marcado.

Hernanes entrou no lugar de Gonzalo Carneiro no segundo tempo. E o São Paulo cresceu muito de produção. Chegou a amassar o Corinthians, irritantemente defensivo, uma espécie de xerox do clássico contra o Peixe. Porém, criou poucas oportunidades e ainda encontrou pela frente o gigante Cássio.

Mestre Cuca também trocou Everton por Nenê e Igor Gomes por Helinho. O Tricolor continuou mandando no jogo, enquanto o Corinthians se limitou a garantir o ‘oxo’ e apostar em lançamentos, acredite se quiser, do zagueiro Manoel para Clayson ou Gustagol. O ‘professor’ Fabio Carille colocou Mateus Vital e Vagner, sacando Jadson e Ramiro, figuras inúteis.

Apesar de ter sido dominado a maior parte do Majestoso, o Corinthians poderia ter saído com o triunfo. Aos 48 minutos, Hudson segurou Henrique dentro da área, sua senhoria, o assoprador de latinha Luiz Flávio de Oliveira, pediu socorro ao VAR, que nada assinalou. Foram quase cinco minutos de paralisação, impaciência dos jogadores e gritos de “vergonha” da torcida.

XXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Quando a FPF vai mandar o lenço para o chorão Felipão?

Bate coração. O Galo balançou o coração-holerite do ‘professor’ Tiago Nunes. Ofereceu R$ 300 mil por mês para o treinador trocar o Furacão pelo time mineiro. Ou simplesmente o dobro do que embolsa na equipe paranaense. Que lhe deu um reajuste para continuar na casamata. O time mineiro também tentou, sem sucesso, tirar Jorge Sampaoli do Peixe.

Zé Corneta. O Circo Brasileiro de Futebol adora dar sugestões para os outros
gastarem dinheiro.

Rotatividade. Havia 27 anos que Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo não fechavam o 100º dia do ano sem dar um bico em um ‘professor’. O levantamento é de Thales Machado, do Globo. A dança das cadeiras havia começado em 1992. Zé Ricardo, do Botafogo, foi demitido no 101º dia. Ao longo da maldição, a maioria dos treinadores caiu até o 60º dia (fim de fevereiro).

Sugismundo Freud. Quanto mais doce o pecado mais amargo é o arrependimento.

E o salário, ó! Novo chefão do Circo Brasileiro de Futebol, Rogério Caboclo anunciou uma série de mudanças, mas manteve segredo sobre a multiplicação das moedas. Em 2001, quando colocou a cartola pela primeira vez na cabeça (diretor da FPF), ele tinha 28 primaveras e seu patrimônio era de R$ 570 mil; hoje, supera os R$ 10 milhões. O último salário de Caboclo na impoluta federação foi de R$ 35 mil como diretor financeiro. Agora, como rei da cocada deverá receber R$ 200 mil por mês. Antes de ser eleito, o mandachuva e raios comprou dois apartamentos (R$ 4,5 milhões), um BMW (R$ 320 mil), uma Mercedes (R$ 360 mil) e otras cositas más…

Caiu na rede. O Botafogo tem um bom time, só está passando por um século ruim.

Zapping. A plim plim reconhece: apostou muito cedo em Fernanda Gentil para comandar um programa diário. Pesquisas da emissora mostraram rejeição a apresentadora, que deixou o esporte no final de 2018. Mas ela continua prestigiadíssimo no esporte de um portal, mesmo sem estar ligada ao setor.

Hotelaria. O hermano Messi continua investindo parte da poupança na compra de hotéis. O craque acaba de adquirir um quatro estrelas em Mallorca, badalado balneário da Espanha. O SeaSun Fona tem quatro andares e 98 quartos. Deve passar por uma reforma e abrir as portas em maio. Messi é dono de mais dois hotéis, um em Ibiza e outro em Sitges.

Gilete press. De Paulo Cezar Caju, no Globo: “Por que a imprensa não faz um raio-x das bases dos clubes? Vai descobrir que os empresários comandam a festa. E desde a molecada de 9 anos, até menos. Os treinadores que não escalarem um garoto encomendado perdem o emprego. Mas a imprensa, como diz a garotada, segue o baile! Só sei que, zapeando, ouvi um comentarista experiente dizer “que guardadas as devidas proporções, o Clayson, do Corinthians, lembra o Cristiano Ronaldo em seu início de carreira”. Kkkkkkkk!!!!! Acham que continuei no canal ou fui assistir Pica-Pau?” Nocaute.

Tititi d’Aline. A teoria da conspiração pega onda no mundo do surfe. Gabriel Medina, o rei da prancha, só tomou caldo do sul-africano Jody Smith nas quartas de final de Gold Coach, na Austrália, porque se dedicou muito mais ao relacionamento com a cantora Anitta e ao ‘parça’ Neymar do que aos treinos para o Mundial.

Você sabia que… o prêmio pela classificação às oitavas de final da Copa do Brasil será de R$ 2,5 milhões?

Bola de ouro. Tiger Woods. Aos 43 anos, mostrou que ainda é um dos melhores golfistas do planeta. Faturou o quinto título Master na carreira no Aberto dos Estados Unidos, em Augusta, um dos quatro majors do circuito mundial. Soma agora 15 canecos. Woods está a três títulos do recordista Jack Nicklaus, também americano.

Bola de latão. Paris Saint-Germain. Tomou uma surra histórica do Lille (5 a 1) e teve de adiar a festa do bicampeonato francês. Foi a maior goleada sofrida pelo PSG neste século. O Lille é o vice-líder com 64 pontos. O PSG está em primeiro, com 82. A terceira chance de conquistar o caneco será no clássico contra o Monaco, no Parque dos Príncipes, em jogo que poderá marcar a volta de Neymar.

Bola de lixo. Vândalos. Uma briga entre animais que se dizem são-paulinos e corintianos deixou 14 feridos, seis deles em estado grave, em Ferraz de Vasconcelos. Segundo a PM, três foram baleados. E outros 11 levaram pauladas e socos.

Bola sete. “É uma pena que Neymar tenha criado uma rejeição tão grande no nosso país. Mas não é uma surpresa, nós somos um país onde tratamos muito mal nossos ídolos” (do fofo Ronaldo, defendendo o ‘maior craque do país’ – é vero).

Dúvida pertinente. Os palmeirenses assistiram as finais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, pela TV ou curtiram um passeio pelo shopping?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Congresso do COB vira palanque para general defender governo Bolsonaro

Resultado de imagem para fotos general augusto heleno

Demétrio Vecchioli, no Uol

Preparada para ser um marco para o esporte brasileiro, a primeira edição do Congresso Olímpico Brasileiro (COB) se tornou um palanque para dois generais defenderem enfaticamente, por mais de meia hora, o Governo Jair Bolsonaro (PSL).

O tema do esporte saiu de pauta para que o general Augusto Heleno (na foto ao lado do presidente), ministro do Gabinete de Segurança Institucional, atacasse a imprensa, o mercado financeiro e a esquerda. Antes, o general Marco Aurélio Vieira atacou seus antecessores, que “pouca coisa conseguiram” para o esporte de alto-rendimento.

“Vamos continuar a brigar com a imprensa”, disse Heleno, um dos principais interlocutores de Bolsonaro. “Vocês (jornalistas) tem que parar de tentar desunir o que chamam de ala militar. Para a gente brigar, tem que ser um negócio muito grande, um pegar a mulher do outro. Vocês ficaram 20 anos brigando com o toma lá dá cá. Agora que estamos tentando mudar, vocês metem o pau em tudo”, reclamou.

Augusto Heleno foi convidado a falar porque, durante seis anos, ele foi diretor do COB, responsável, entre outras áreas, pelo Instituto Olímpico Brasileiro, órgão acadêmico do comitê. Ele deixou o cargo no final de 2017, depois da prisão de Carlos Arthur Nuzman, a quem era subordinado.

Falando para um auditório lotado com pelo menos 700 pessoas em hotel da zona sul de São Paulo, Augusto Heleno citou sua passagem pelo IOB e lembrou que o presidente Jair Bolsonaro é, como ele, formado em educação física. Foi o gancho para começar a falar de temas de interesse do governo.

“Fico imaginando como era uma reunião de ministros querendo pegar propina. Se um cara quiser me dar uma propina, eu não teria tempo nem de depositar. Acho que foi isso que aconteceu com o Geddel (Vieira Lima)”, disse, arrancando gargalhadas da plateia. 

O CEO do COB, Rogério Sampaio, foi secretário de alto-rendimento no governo Michel Temer e estava na primeira fileira.

Ainda que tivesse prometido uma fala rápida, Heleno falou por 20 minutos, dos quais 10 foram dedicados exclusivamente a temas sem relação com esporte. “Esse negócio de Petrobras, tem alguém ganhando com isso. Vai subir a ação da Petrobras e quem comprou agora vai ganhar dinheiro. Tá na cara que o negócio é esse”, afirmou.

Na semana em que Bolsonaro criou a 13a parcela do Bolsa Família, Heleno chamou o Nordeste de um “curral eleitoral desgraçado” e afirmou que a prioridade do governo é “melhorar” o Norte e o Nordeste. “Com mais ênfase para o Nordeste, porque o Norte de vira”.

Ao encerrar seu discurso, o general disse que a Amazônia não é patrimônio da humanidade, mas do Brasil. “O rei de não sei onde não tem que dar opinião”.

XXXXXXXXXXXX

Imagem relacionada

Grito corintiano. A Fiel dá um banho nos são-paulinos no ranking de público do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. A média por jogo é de 34.589 pagantes, enquanto o Tricolor ocupa a terceira posição, com 17.571. O Palmeiras aparece em segundo, com 28.089. Em faturamento, o café no bule do São Paulo também é bem mais amargo, com R$ 4.796.459, contra R$ 12.308.604 do Corinthians e R$ 12.332.949 do Palestra. A ocupação média no Itaquerão, minha casa minha vida nos jogos do estadual é de 72%, também a melhor do campeonato. O embate com mais público foi justamente contra o São Paulo, na vitória por 2 a 1, válido pela sétima rodada: 42.303 pessoas. No Morumbi, diante do Palmeiras, pelas semifinais, 43.202 pagaram ingresso, recorde do torneio.

Pitaco do Chucky. Ninguém aguenta mais o chororô do ‘sargento’ Felipão.

Tricolor campeão. Os matemáticos de plantão colocaram a calculadora para funcionar e chegaram à conclusão de que o soberano São Paulo entra como favorito ao caneco do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. De acordo com o Chance de Gol, o Tricolor reúne 59,5% de possibilidades de soltar o grito de campeão, o que não acontece desde 2005. O Corinthians navega com 40,5% de probabilidades de ser tri, repetindo uma façanha após oito décadas. O tiroteio começa neste fim de semana.

Zé Corneta. Banco imobiliário: Borja, R$ 35 milhões, e Arrascaeta, R$ 55 milhões, reservas de luxo.

Festa adiada. Sem nove titulares, preservados para o duelo contra o Ajax, pelas quartas de final da Champions, a Juventus perdeu para o modesto Spal por 2 a 1, de virada, e deixou de dar a volta olímpica pela oitava vez consecutiva no Campeonato Italiano, faltando seis rodadas para a bola murchar. A Velha Senhora abriria 23 pontos do Napoli e soltaria o grito de campeã. A equipe perdeu pela segunda vez na temporada. Mas pode colocar a faixa no peito neste domingo, se o Napoli empatar com o Chievo. Caso o Napoli vença, a Juve terá nova chance de ser campeã no próximo sábado, em casa, diante da Fiorentina.

Sugismundo Freud. Filhos pequenos não deixam dormir, e os grandes, não deixam viver.

Caixinha, obrigado. O Vasco não titubeou: pegou o bônus de R$ 1,9 milhão pela classificação à quarta fase da Copa do Brasil e pagou o 13º salário de 2018 aos jogadores e funcionários de São Januário. Combustivel para a final  contra o Flamengo. Na última quarta, os atletas receberam o dindim de fevereiro e depois bateram o Avai.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Jogador do Corinthians é multado após passar do meio de campo durante treinamento: “Onde já se viu querer atacar?”

Gilete press. De Son Salvador, no Estado de Minas: “O Palmeiras segue cumprindo o seu papel de novo rico que vai ao shopping. Compra tudo, não quer deixar nada para os outros. Depois, chega em casa e se complica na hora de organizar o que comprou. É muito jogador caro, muito gerente para o banco de reservas. Falta o carregador de piano, falta o garçom, falta conjunto.” No alvo.

Dona Fifi. Quando a FPF vai mandar o lenço para o chorão Felipão?

Tititi d’Aline. O tempo esquentou entre Neymar pai e Gabigol, do Flamengo. Eles se encontraram na festa de aniversário do empresário Isaac Azar e por muito pouco o bafafá não virou MMA. Os seguranças agiram como a turma do ‘deixa disso’, informou o colunista Léo Dias. Em um passado recente, o jogador namorou Rafaela, irmã de Neymar. A assessoria de Gabigol negou o quiproquó.

Você sabia que… Corinthians e soberano São Paulo já decidiram nove vezes o Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, com cinco triunfos corintianos e quatro do Tricolor?

Bola de Ouro. Jorge Sampaoli. Um degrau muito acima dos ‘professores’ brasileiros. O hermano faz ótimo omelete com apenas dois ovos de codorna no aquário do Peixe. Recuperou o prestígio do time. Ah, se pegasse um elenco como o de Palmeiras ou Flamengo…

Bola de latão. Antônio Olim. O delegado e presidente do tribunal de engravatados de colarinho branco da FPF ameaçou punir o Corimthians com WO e a perda do jogo por 3 a 0 se não aparecesse para jogar no Morumbi. Mais ridículo que penteado rabo de cavalo lateral e unhas com as cores da bandeira.

Bola de lixo. Botafoguenses. Animais que se dizem torcedores atacaram o demitido ‘professor’ Zé Ricardo na volta da delegação de Caxias do Sul. O treinador se negou a sair pela porta dos fundos do aeroporto, no ônibus da delegação, e foi hostilizado por vândalos até pegar o táxi. Uma cena vergonhosa protagonizada por bárbaros abençoados pela impunidade.

Bola sete. “O grande craque necessita ter conquistas coletivas. Não é o craque que forma um grande time. É o grande time que dá condições para o craque mostrar todo seu talento” (do pequeno grande Tostão, na Folha – fato).

Dúvida pertinente. O chefão Andrés ‘Desmanchez’ está certo em não disputar a primeira final se o ônibus do Corinthians for atacado na chegada ao Morumbi?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Peixe mata Dragão e carimba vaga na Copa do Brasil; Botafogo é eliminado em Caxias

Jean Mota e Carlos Sánchez comemoram gol do Santos
Sanchez, dois gols: o melhor em campo

Depois de três meses, o Peixe voltou ao aquário da Vila Belmiro (passou por reformas) e derrotou o Atlético/GO por 3 a 0, gols de Carlos Sánchez (dois) e Rodrygo. Com o resultado, o Santos matou o Dragão e garantiu uma vaga na quarta fase da Copa do Brasil. No primeiro duelo, havia perdido por 1 a 0. O próximo adversário do Santos será definido em sorteio nesta sexta. A reabertura da Vila atraiu 11.623 torcedores (R$ 314.220).

A equipe santista adotou a mesma pressão do clássico contra o Corinthians desde o início da partida e encurralou o Atlético/GO.

O ‘professor’ Jorge Sampaoli abriu Rodrygo e Soteldo pelas pontas, mandou os laterais Victor Ferraz e Pituca atuarem como meias e o Dragão goiano se virou como pôde para suportar a força ofensiva do Santos.

De tanta martelar e perder boas chances por falta de um centroavante de verdade (Derlis González atuou improvisado), o Santos finalmente encontrou o caminho do gol. Aos 44 minutos, Jean Mota deixou Carlos Sánchez na cara do gol e o uruguaio tocou na saída de Kozlinski, que havia praticado ótimas defesas.

O Atlético/GO teve apenas um grande momento. Aos 20, em contra-ataque, Pedro Raul recebeu livre dentro da área, arrematou e Éverson evitou o gol.

A um minuto do segundo tempo, a torcida do Peixe voltou a vibrar: Jean Mota lançou, Rodrygo pegou de primeira e encaçapou 2 a 0. Um golaço do garoto que não pode ficar com o bumbum no banco de reserva.

O Santos diminuiu um pouco o ritmo e o Atlético/GO cresceu. Aos 10, a trave parou um chute de Matheuzinho. Sete minutos depois, Pedro Bambu desperdiçou bela chance no contragolpe.

Aos 39, o Peixe matou o Dragão, com mais um gol de Carlos Sánchez. No fim, Cueva, que havia entrado no lugar de Alison, foi expulso.

Em Caxias do Sul, de virada, o Juventude bateu o Botafogo por 2 a 1 e carimbou a vaga para a quarta fase da Copa do Brasil. O duelo marcou o reencontro dos finalistas de 1999 – o time carioca também perdeu por 2 a 1. O Botafogo saiu na frente com Cícero (aos 32), mas teve Alex Santana expulso ainda no primeiro tempo e levou a virada com gols de Braian Rodríguez (aos 15) e Dalberto (aos 44) na etapa final. Na bacia das almas do segundo tempo, também Jean levou cartão vermelho.

Eliminado, o Botafogo ficará 16 dias no bem-bom. O próximo jogo será apenas no dia 27, na estreia do Brasileirão, contra o São Paulo. Já o Juventude espera para saber qual será o adversário na próxima etapa, que começa na próxima semana.

Diego abriu o placar logo aos 2 minutos
Diego comemora primeiro gol

Pela Libertadores, o Flamengo goleou o fraco San José, da Bolívia, por 6 a 1, no ‘new Maraca’ (60.955 pagantes/R$ 2.543.038,50), e assumiu a liderança do grupo D, com nove pontos. O Peñarol também tem nove, mas perde no saldo de gols, 7 a 4. A LDU ocupa a terceira posição, com quatro. O San José, com um, já está eliminado.

Apesar da chuva de gols, o Rubro-negro não encantou a torcida. Chegou a ser vaiado ao final do primeiro tempo (2 a 1), já que o San José teve um jogador expulso (Toco) logo a cinco minutos de jogo, três após Diego abrir o placar. Saucedo empatou aos 18. Éverton Ribeiro marcou o segundo aos 31.

Na etapa final, um festival de gols: Arrascaeta (11), Everton Ribeiro (34), Vitinho (37) e Pará (aos 43).

XXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. E nada acontece aos vândalos… ‘Não-me-comprometas’ é a palavra de ordem da FPF ao clube. E a polícia também não faz muita força para abrir o cadeado da cadeia.

Ataque a Felipão… Depois de condenar o vandalismo dos animais na chegada da delegação ao estádio, os anjinhos manchados organizados pelo diabo cobraram o ‘sargento’ Felipão, o diretor remunerado Alexandre Mattos e jogadores (Dudu e Bruno Henrique). A primeira estilingada: falta padrão técnico ao time. ‘Essa ‘pedrada’ é do Felipão, que voltou a ser rabugento, teimoso e prepotente. Não assume que o time foi mal e ainda elogia em derrotas vergonhosas dentro de casa.’

… e à cartolagem. A segunda paulada: contratações caras, duvidosas e sem necessidade. ‘Outra ‘pedrada’ que tem dono é da nossa diretoria e de Alexandre Mattos. Ficaram reféns de dois jogadores, dando aumento de salário fora da realidade nacional.’ Segundo a organizada, perdeu-se o vestiário. ‘Quem ganha ‘somente’ R$ 300 mil não se entrega e não se envolve de fato, e quem ganha R$ 1 milhão não joga para merecer tanto. Que esse elenco pipoqueiro comece a jogar bola e respeite a nossa camisa.’ Aguarde as cenas do próximo capítulo.

Zé Corneta. Borja está mais por fora no Palmeiras que cotovelo de caminhoneiro.

Tchau, querido! O ‘professor’ Levir Culpi, 66 anos, engrossou a fila de 13,2 milhões de desempregados no país. Ele foi convidado a dar um pulo até o RH para fechar a conta depois de 31 jogos no comando do Galo – 18 vitórias, cinco empates e oito derrotas, aproveitamento de 63,4%. A demissão do treinador deixou boa parte do elenco satisfeita, porque não aprovava os métodos de trabalho do ‘professor’. O Galo perdeu por 4 a 1 para o Cerro Porteño e praticamente se despediu da Libertadores.

Sugismundo Freud. A ignorância é o pior defeito do homem.

Vitaminado. O Vasco apostou num velho combustível para empurrar o time no duelo com o Avaí, pela Copa do Brasil. O clube pagou o salário de fevereiro. O dindim caiu no extrato bancário dos atletas antes de a equipe entrar em campo, ganhar por 1 a 0 e se classificar. A única dor de cabeça agora é o 13º do ano passado.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Corinthians e São Paulo querem mandar as duas finais no Allianz Parque: “É o salão festas da cidade”

Gilete press. De Cosme Rímoli, no R7: “Há um viés político nos ataques [pichação do muro e ao ônibus do Palmeiras] que não pode ser desprezado. O Conselho Deliberativo e o COF precisam averiguar se algum grupo político participou de alguma forma. Quem se beneficiaria com essa situação vergonhosa? Quem desejaria fora a maior patrocinadora da América do Sul? Há muitos pontos nebulosos na quarta-feira de cinzas do Palmeiras. E precisam ser esclarecidos…” É vero.

Tititi d’Aline. O moleque João Mendes, 14 anos, é a nova esperança da Raposa. O pão de queijo aposta tanto no garoto que topou fazer um contrato até 2025. Detalhe: João Mendes é filho de Ronaldinho Gaúcho. Ele aterrissou na Toca em maio de 2018.

Você sabia que… o público (28.791 pagantes) de Palmeiras x Barranquilla foi o segundo pior do time na Libertadores em jogos na mansão Allianz Parque, superando o da partida contra os colombianos no ano passado?

Bola de ouro. Fred. O atacante está jogando muito na Raposa. No massacre sobre o Huracan, marcou três dos quatro gols. Cravou o sétimo hat-trick a serviço do pão de queijo. Chegou a 17 gols na Libertadores, mesma marca do ‘rei’ Pelé no torneio. Superou Neymar (14) e Zico (16). No total, Fred tem 74 gols em 100 jogos pelo Cruzeiro. Mas

Bola de latão. Diego Costa. O destemperado centroavante do Atlético de Madrid pegou oito jogos de gancho pela expulsão no clássico com o Barcelona, pelo Campeonato Espanhol. Diego Costa foi punido por quatro jogos por xingar o juiz e mais quatro por ter agarrado seu braço no momento do cartão vermelho. Também pagará R$ 26 mil de multa. O clube desembolsará R$ 12 mil.

Bola de lixo. Vândalos palmeirenses. Inadmissível o ataque ao ônibus do clube na chegada da delegação ao estádio. Selvagens que não representam a verdadeira torcida do Palestra. Animais que se julgam donos da agremiação. Cadeia é o mínimo que se espera. Mas neste Brasil varonil certamente nada acontecerá com os bandidos.

Bola sete. “Os fatos que antecederam a partida do Palmeiras são incompreensíveis para quem observa de longe, mas são óbvios para quem olha de perto. É triste que uma guerra entre facções de uma torcida afete o espírito de um clube que vem fazendo um trabalho tão consistente há tanto tempo” (de André Sica, um dos advogados do Palmeiras – mancha de bárbaros).

Dúvida pertinente. Cadê o sindicato dos jogadores profissionais?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Palmeiras vive noite de terror, com ônibus apedrejado, antes de vencer Barranquilla

Depois de três jogos sem marcar, o milionário Palmeiras reencontrou o caminho do gol e derrotou o Junior Barranquilla por 3 a 0, na mansão Allianz Parque (28.971 pagantes/R$ 1.698.179,85), pela quarta rodada do grupo F da Libertadores. Deyverson, Dudu e Hyoran marcaram os gols.

O Palestra viveu uma noite de terror antes de a bola rolar. Vândalos apedrejaram o ônibus da delegação na chegada ao estádio, em protesto contra a eliminação no Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago.

Inconformados com a recepção dos animais, alguns atletas até choraram no vestiário. Depois da partida, não deram entrevistas. De manhã, os muros do estádio foram pichados (ver nota abaixo).

“Eu não tenho medo de bandido, ninguém tem. Eu tenho respeito pelo torcedor e trabalho pelo nosso torcedor. Não estávamos assustados. Os jogadores enfrentaram isso com naturalidade. Não vamos dar visibilidade a quem não merece”, afirmou o ‘sargento’ Felipão após a partida.

Ao longo do embate contra o fraco Barranquilla (quatro jogos e quatro fracassos), o Palmeiras alternou boas jogadas e apatia. Fez o dever de casa sem muito esforço.

A equipe palmeirense se impôs desde o início da partida. Aos 19, Scarpa cobrou falta, o ótimo goleiro Viera deu rebote e Dudu chutou. Viera pegou novamente e Deyverson tocou de cabeça para a rede. Os periquitos em revista se acomodaram e o Barranquilla cresceu, mas sem incomodar Weverton.

No segundo tempo, Dudu marcou um golaço aos 9, acertando um petardo de fora da área. Aos 34, o Palmeiras só não assinalou o terceiro porque Viera operou um milagre em arremate de Scarpa. Aos 44, Hyoran fechou a conta, após passe de calcanhar de Dudu.

Com o triunfo, o Palestra manteve a segunda posição na chave, agora com nove pontos. Necessita de mais um em dois jogos para se classificar. O líder é o San Lorenzo, com 10. O peruano Melgar tem cinco na terceira posição. O Barranquilla ainda não pontuou.

No Mineirão, com show de bola de Fred, a Raposa atropelou o Huracan. A equipe mineira goleou por 4 a 0, manteve 100% de aproveitamento no grupo B e garantiu antecipadamente a classificação ao mata-mata das oitavas. Fred marcou três gols no primeiro tempo. Dodô fechou o caixão do Huracan no segundo.

Com quatro triunfos, o pão de queijo chegou a 12 pontos, oito à frente do Deportivo Lara. O Emelec tem dois, e o Huracan, um. O Cruzeiro marcou oito gols e não levou nenhum. É o melhor time brasileiro na competição.

Pelo grupo E, no estádio La Olla Azulgrana, o Galo levou uma sonora bordoada do Cerro Porteño: 4 a 1. O time brasileiro saiu na frente, com um gol de Ricardo Oliveira. Aí, mergulhou num circo de horrores e os paraguaios marcaram quatro tentos em apenas 13 minutos na reta final do primeiro tempo. Acosta, Carrizo, Cáceres e Larrivey garantiram a festa do Cerro, que carimbou uma vaga nas oitavas.

O Galo depende de um milagre para seguir na Libertadores. Acumula apenas três pontos em 12 possíveis, nove atrás do Cerro. O Nacional do Uruguai está em segundo, com nove. O Zamora carrega a lanterna, com zero. Para se classificar, o Galo precisa superar os uruguaios na próxima semana e, depois, bater o Zamora. Além disso, tem de torcer para o Nacional não pontuar na última jornada e melhorar o saldo de gols.

Em Porto Alegre, pelo grupo H, o Grêmio derrotou o Rosario Central por 3 a 1 e, beneficiado pelo triunfo do Libertad sobre a Universidad Católica por 3 a 2, continua vivo da competição. O imortal ganhou com gols de Jean Pyerre e Leonardo (dois). Aguirre descontou.

O Grêmio depende apenas de suas forças para se classificar. Se o Tricolor gaúcho derrotar o Libertad e a Universidad, avançará com 10 pontos. Nesse caso, a equipe chilena chegará ao máximo de nove. O Libertad, com 12, já pegou uma vaga.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Rei Pelé internado: uma notinha aqui, outra ali. Neymar na balada com os ‘parças’: manchetes. New journalism.

‘Fora Leila’. Campeonato desprezado pelo mandachuva e raios Mauricio Galiotte, o Paulistinha produz fumaça no ninho dos periquitos em revista. Anjinhos organizados pelo diabo picharam a sede do clube na madrugada desta quarta. O atacante Miguel Borja e a ‘titia’ Leila Crefisa foram festejados: ‘Muito dinheiro, pouca obrigação’, ‘Fora Borja’, ‘Fora Leila’, ‘time de pipoqueiros’. A bronca partiu de uma facção da Mancha, que também entrou na dança e foi chamada de ‘vendida’ – recebeu doações milionárias da patrocinadora para o carnaval e batizou a quadra com o nome da empresária e de seu marido, José Roberto Lamacchia.

Zé Corneta. Palmeiras: mais bola e menos chororô.

Repórter perde briga. O ‘professor’ Fabio Carille venceu a queda de braço contra o repórter André Ranieri. Sob o duvidoso argumento de ‘preservar’ o profissional, a Jovem Pan afastou Ranieri do primeiro jogo da final do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, entre soberano São Paulo e Corinthians. O treinador do Corinthians e o jornalista discutiram após o embate com o Peixe, no Pacaembu. Carille denunciou a existência de ‘espiões’ na mídia, que passariam os segredos corintianos a outros times. Ranieri também pode ficar fora do segundo confronto da decisão.

Sugismundo Freud. Não se faz nada sem esperança.

Apito amigo. O político Leonardo Gaciba conseguiu realizar um velho sonho: vai comandar os assopradores de latinha do Circo Brasileiro de Futebol. Aos 47 anos, ele substituirá o mureteiro coronel Marcos Marinho, que permanecerá na casa maldita do ludopédio. Gaciba pendurou o apito em 2009 e virou comentarista de videoteipe de arbitragem na plim plim.

Zapping. O garrafão da NBB está mais vazio. Sem verba da Caixa, ESPN suspende as transmissões do Brasileiro de basquete na reta final do campeonato.

Pizza de matador. Gustagol, o novo xodó da Fiel, prorrogou o contrato até dezembro 2022, e cada pedaço da pizza do atleta ficou mais apetitoso. A multa supera os R$ 150 milhões. O Corinthians detém 45% das fatias, o Criciúma possui 35% e o Taboão da Serra, 20%.

Caiu na rede. Carille enclausurou o Corinthians três dias e pimba na caxirola: o futebol do bicampeão paulista desapareceu.

‘Santástico’. Vem aí ‘Santos de Todos os Gols’, documentário que aborda os mais de 12.500 gols marcado pelo Peixe ao longo de sua história. O filme traz jogadas incríveis de Pelé, Coutinho, Pepe, Robinho, Neymar e outras feras. O longa deve estrear no dia 18, em 20 salas de 19 cidades do país.

Dona Fifi. Não convide o ‘professor’ Alberto Valentim e o hermano Maxi López para dividir um pãozinho com manteiga na padoca de São Januário. Sai fumaça.

Gilete press. Do pequeno grande Tostão, na Folha: “Falam que Pato não se tornou um grande craque porque não quis. Não acredito nisso. Ele, fora de campo, tem um comportamento parecido com a maioria dos jovens famosos, de fascínio pela fama, pela badalação nas redes sociais e pela companhia dos parças. Dentro de campo, apesar de demonstrar, em alguns momentos, técnica e habilidade dos grandes atacantes, falta-lhe o essencial, a lucidez nas decisões. É confuso, erra demais. O craque é o que torna simples o que é complexo. O craque não parece, é.” No alvo.

Tititi d’Aline. Nada contra, ao contrário. Mas não deixa de ser quiçá interessante e, por que não dizer, um amor exemplar. O meia Vitor Bueno topou ganhar R$ 210 mil por mês no soberano Tricolor, R$ 150 mil a menos do que faturava no Dínamo de Kiev, da Ucrânia. Entregou de bandeja mais de R$ 4 milhões. A cartolagem do São Paulo é boa de conversa, principalmente para enrolar os estagiários da mídia.

Você sabia que… o hermano Messi chegou a 335 vitórias no Campeonato Espanhol, superando a marca de 334 que pertencia a Iker Casillas, hoje no Porto e que por anos defendeu o Real Madrid?

Bola de ouro. Jorge Sampaoli. Um degrau muito acima dos ‘professores’ brasileiros. O hermano consegue tirar leite de pedra no aquário da Vila Belmiro. O gringo sacudiu a pátria das chuteiras furadas.

Bola de latão. Andrés ‘Desmanchez’. O rei do sorriso é mesmo um tremendo cara de pau. Garantiu que Clayson xingou Cássio e não o assoprador de latinha Raphael Claus no clássico com o Peixe. ‘Esse Cássio pega tudo. Foi só isso’, afirmou Andrés. As palavras do atacante: “Chupa Claus, filho da puta’.

Bola de lixo. Cueva. Segunda contratação mais cara da história do Peixe (R$ 26 milhões), o peruano completou dois meses em alta no aquário da Vila Belmiro. Não correu nenhuma vez para o abraço, nem atacou como garçom. De quebra, sempre foi substituído. Em miúdos, propaganda enganosa.

Bola sete. “Já decidimos dar o título de campeão mundial a todos que ganharam a Copa [Intercontinental] entre Europa e América do Sul desde 1960. E 1951 é um pouquinho mais para trás. O Palmeiras pode ganhar o próximo Mundial, por que não? Não me cabe fazer milagres” (do presidente da Fifa, Gianni Infantino, destruindo o sonho palmeirense).

Dúvida pertinente. Corinthians do Carille: ladeira abaixo?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Corinthians joga como time pequeno e se classifica com as calças na mão; Peixe merecia a vaga

Cassio pegou muito ao longo da partida 

Se houvesse justiça no bico da chuteira, a decisão do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, seria entre Peixe e soberano São Paulo. Mas como os deuses da bola adoram cultivar gol contra, o Corinthians poderá chegar ao tricampeonato no embate com os são-paulinos. Despachou o Santos nos pênaltis (7 a 6), após perder no tempo regulamentar por 1 a 0, gol de Gustavo Henrique, na bacia das almas. A galera aplaudiu os santistas.

Com a vantagem de poder empatar, já que havia derrotado o coirmão por 2 a 1 no primeiro confronto pelas semifinais, o Corinthians deu uma aula de mediocridade na casa alugada do Pacaembu (37.731 pagantes/R$ 1.477.585). Jogou como time pequeno de segunda categoria. Só resistiu até a disputa na marca da cal porque Cássio operou alguns milagres ao longo dos 90 minutos.

O Santos do ‘professor’ Jorge Sampaoli encurralou o Corinthians de Fabio Carille. Amassou o inimigo. Envolveu a equipe adversária desde o começo da partida. Tanto que finalizou 23 vezes. O retrancado time corintiano chutou apenas três. Nenhuma em direção ao gol de Vanderlei. Uma vergonha!

O Corinthians vai enfrentar o São Paulo nos próximos dois domingos (14 e 21). O jogo de ida será no Morumbi, enquanto a volta será no Itaquerão, minha casa minha vida. Empate na soma dos dois resultados leva a decisão para os pênaltis. Corintianos e tricolores voltarão a decidir um caneco depois de 16 anos.

Após a classificação, o site do Corinthians brincou com o Peixe: ‘Morreu pela boca’. Antes das semifinais, o mandachuva e raios do Santos, José Carlos Peres, disse que iria “matar os gambás”.

O ‘oxo’ ficou de ótimo tamanho para o Corinthians no primeiro tempo. O ‘professor’ Fabio Carille tentou surpreender o Peixe com Pedrinho na direita a fim de explorar os contragolpes ou pelo menos segurar a bola para quebrar o ritmo do adversário. Não conseguiu uma coisa nem outra.

Com Pituca de lateral, Soteldo e Derlis Gonzáles pelas pontas, o Santos simplesmente não deixou o time corintiano respirar. Abafou o adversário desde o início e só não chegou ao gol porque sentiu, novamente, a falta de um centroavante. E também encontrou pela frente as luvas de Cássio.

Acuado, o Corinthians limitou-se a distribuir chutões para qualquer lado, no melhor estilo a várzea é nossa: bola pro mato que o jogo é do campeonato. Até Gustagol recuou para ajudar a zaga. E o muro corintiano resistiu.

O Santos voltou para o segundo tempo com Rodrygo no lugar do inútil Cueva, enquanto o Corinthians sacou o apático Pedrinho e colocou Vagner Love. Em campo, pouca coisa mudou.

A equipe santista manteve a pressão da etapa inicial, e o Corinthians permaneceu na retranca, como uma equipe pequena, agarrada com unhas e dentes ao regulamento – o empate lhe daria a classificação. Carille ainda fechou mais o time ao trocar Clayson, o único que dava trabalho aos santistas, por Ramiro.

O Corinthians de Cássio resistiu até os 40 minutos. A muralha desabou numa cabeçada de Gustavo Henrique, após cruzamento de Victor Ferraz da direita.

Na marca da cal, Boselli, que havia entrado no lugar de Gustagol, chutou e Vanderlei defendeu. Rodrygo bateu e pôs o Peixe na frente. Love marcou. Kaio Jorge finalizou na trave. Ramiro, Soteldo, Júnior Urso, Carlos Sanchez, Fagner, Derlis González, Sornoza, Pituca, Avelar, Alison e Henrique venceram Vanderlei e Cássio. Victor Ferraz carimbou a trave e o Corinthians festejou a classificação.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. ‘Sargento’ Felipão, Abel Braga e Levir Culpi, o trio parada dura e refratário do ludopédio nacional. Julgam-se os donos da verdade, não aceitam críticas.

Rei do circo. O inglês Lewis Hamilton lidera o ranking dos pilotos que mais faturaram na Fórmula 1 até hoje. De acordo com a revista Forbes, ele já colocou no cofrinho a bagatela de US$ 489 milhões (R$ 1,8 bilhão). O pentacampeão mundial estreou no circo em 2007. O hepta Michael Schumacher, maior vencedor de GPs, aparece em segundo com US$ 464 milhões (R$ 1,78 bi). O espanhol Fernando Alonso fecha o pódio de ouro, com US$ 458 milhões (R$ 1,76 bi). O tetra Sebastian Vettel é o quarto, com US$ 458 milhões (R$ 1,37 bilhão).

Rei do circo 2. Apenas três pilotos aparecem no top 10 sem título mundial. Ralf Schumacher está em sétimo, com US$ 121 milhões (R$ 466 milhões), enquanto Rubens Barrichello e Felipe Massa estão empatados em nono, US$ 110 milhões (R$ 424 milhões). Completam a lista Kimi Raikkonen, Jenson Button e Jacques Villeneuve. A Forbes levou em conta apenas o salário e os bônus.

Zé Corneta. O chorão Felipão ameaçou tirar o time de campo, inconformado com o VAR. Que, se pudesse, mandaria o ‘sargento’ preparar melhor os periquitos em revista. Um elenco de estrelas sem brilho.

Zapping. Festa na plim plim: Palmeiras x São Paulo rendeu 30,1 pontos de audiência na grande Pauliceia dominada pela bandidagem, melhor ibope com o futebol neste ano. No duelo Corinthians x Peixe, há uma semana, a emissora cravou 29,3. Cada ponto corresponde a 73.015 domicílios sintonizados.

Sugismundo Freud. É fácil viver com os olhos vendados.

Meninas sem rumo. A seleção feminina de futebol perdeu para a Escócia por 1 a 0, em Murcia, na Espanha, e manteve uma invejável invencibilidade: nove jogos sem vencer, mais precisamente, nove derrotas consecutivas. A última vitória brasileira em jogos oficiais aconteceu em julho de 2018. Comandada pelo ‘professor’ Vadão, o time estreará na Copa do Mundo em 7 de junho, na França. Marta & Cia. estão no grupo C, ao lado de Austrália, Itália e Jamaica. Papelão à vista.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Resumo do Choque-Rei: venceu quem tem Mundial.

Vitória da safadeza. O impávido e nada colosso Partido Social Liberal (PSL), do presidente Bolsonaro, resolveu jogar pesado contra a cartolagem: entrou com ação no STF pedindo a anulação de legislação que exige maior transparência nos clubes. E, de quebra, pune dirigentes corruptos e proíbe reeleições ‘ad aeternum’. O impoluto partido, presidido pelo deputado federal Luciano Bivar, ex-mandachuva do Sport, quer implodir o saudável Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, aprovado em 2015.

Dona Fifi. Palmeiras, 8 ou 80: na venda de ingressos, Paulistão; no fracasso, Paulistinha.

Gilete press. De André Rocha, no Uol: “Em tempos de VAR, as reclamações [de Felipão] soam até ridículas. Pior ainda a revelação de que pensou em tirar o time de campo. Nenhuma surpresa para quem até hoje não assume nenhum equívoco na maior derrota da carreira. Sim, os 7 a 1 que hoje são relativizados e tratados como um acidente. Felipão não admite erro em 2014, assim como não reconhece que o Palmeiras poderia e deveria entregar muito mais desempenho. É a autoblindagem sem um pingo de coerência que conta com a cumplicidade do silêncio de muita gente, inclusive jornalistas.” Na mosca.

TItiti d’Aline. O moleque Vinicius Júnior encontrou um ombro amigo para ajudá-lo na recuperação de uma lesão. A brasileira Maria Júlia Mazalli, que participou do reality show de ‘De férias com o ex’, da MTV, está hospedada na mansão do jogador de 18 anos em Madri. Vinícius Júnior não quer mais sair de casa. Tempo integral a Maju.

Você sabia que… o soberano Tricolor eliminou o Palmeiras em 13 mata-matas e só morreu três vezes diante do coirmão?

Bola de ouro. VAR. Só mesmo os adoradores do conservadorismo detonam o assistente de árbitro, que também coloca ponto final na prepotência dos juízes. O glorioso VAR veio para ficar. Virou inimigo número um dos eternos reacionários, dos amantes da baderna, dos dinossauros.

Bola de latão. Corinthians. Uma vergonhosa aula de pragmatismo contra o Peixe. Merecia ser castigado com a eliminação.

Bola de lixo. Palmeiras. Antes de a bola rolar, o clube dançou a tarantela e exigiu que a FPF adotasse o VAR no Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. Agora, quer destruir a engenhoca, desviar o foco de mais um fracasso em mata-mata, chororô orquestrado pelo ‘sargento’ Felipão.

Bola sete. “Estava com muita saudade dos gramados. Meus agradecimentos à torcida e ao Inter como um todo pelo acolhimento. Minha vida é o futebol e só quero jogar” (do peruano Guerrero, após cumprir 251 dias de gancho por doping e marcar o primeiro gol da vitória do Saci colorado sobre o Caxias por 2 a 0).

Dúvida pertinente. O ‘sargento’ Felipão não era o rei do mata-mata?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br