VAR entra em ação, aponta pênalti e Palmeiras mantém a liderança

Gustavo Gómez comemora gol da vitória do Palmeiras
O zagueiro Gustavo Gomez comemora o gol 

O Palmeiras do ‘sargento’ Felipão continua ‘imparável’, sobrando no Brasileirão. Na abertura da sexta rodada, superou o Botafogo por 1 a 0, no estádio Mané Garrincha (33.143 pagantes/R$ 2.320.830). Apesar de dominar a equipe carioca ao longo da partida, o Palestra precisou do VAR para chegar à vitória, permanecer na liderança e ampliar para 29 embates a invencibilidade no campeonato.

Nos últimos seis jogos com o Botafogo, o Palmeiras ganhou cinco e empatou. O time carioca continua sem vencer longe da Cidade Maravilhosa das balas uivantes.

A festa dos periquitos em revista aconteceu no segundo tempo. Aos 10 minutos, Deyverson reclamou de pênalti depois de uma dividida com Gabriel e sua senhoria, o assoprador de latinha Paulo Roberto Alves Júnior, mostrou cartão amarelo ao atacante palmeirense.

Após rever o lance no VAR, meia volta volver: anulou a advertência a Deyverson e apontou a marca da cal. Os botafoguenses ficaram uma fera, mas não adiantou. Aos 16, o zagueiro Gustavo Goméz bateu no canto direito de Gatito e marcou. Justiça no placar. Sétimo gol do paraguaio em 36 jogos pelo Palmeiras.

De acordo com o ex-juiz Salvio Spínola, comentarista de videoteipe da plim plim, Paulo Roberto acertou ao assinalar pênalti, porque “Gabriel pisou em Deyverson na disputa. Eu também marcaria”.

Com a vantagem de 1 a 0, o Palmeiras procurou atrair o Botafogo e perdeu boas chances no contra-ataque. Os cariocas praticamente não ameaçaram o goleiro Weverton. Se tivesse aproveitado as oportunidades criadas desde o início do jogo, certamente o Palestra teria conquistado a vitória por boa margem de gols.

Como mandante, o Botafogo recebeu um bom cachê (R$ 800 mil, livres) para levar o duelo ao Mané Garrincha. Perdeu o jogo e o grito nas arquibancadas, já que a galera do Palestra preencheu mais espaço. O time atuou como se estivesse em casa.

O Palmeiras agora lidera o Brasileirão com 16 pontos em 18 possíveis. Não pode ser alcançado nesta rodada. Na próxima quinta, o Palmeiras decide com o Sampaio Corrêa uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil.

O Botafogo segue com nove pontos, na sétima colocação do Brasileirão. A equipe carioca terminou o jogo com 11 cartões amarelos, quatro deles por causa do pênalti, e dois para quem estava no banco – o volante Gustavo Bochecha e o preparador de goleiros Flavio Tênius.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. A evolução da espécie: Jean Mota, Jean Mala, Jean Mito e Jean Perna de Pau, o retorno.

Superstar. É um pássaro? É um avião? Não, é o Super-Neymar chegando de helicóptero a Granja Comamry, o luxuoso CT da amarelinha desbotada, em Teresópolis, para o início de preparação à Copa América no Brasil, em junho. O astro do PSG desceu do ‘NJR’ (Neymar Júnior) vestido de preto e com boné. Cumprimentou algumas crianças e se mandou para a concentração. Os jogadores (oito) que se apresentaram nos dias anteriores pintaram de carro no CT. Gente fina é outra história…

Zé Corneta. Corintiano Boselli é igual a piscina: só é boa na casa dos outros, porque dá muito trabalho.

Macarrão chinês. O repentino retorno de Ricardo Goulart ao Guangzhou Evergrande provocou várias indagações. Uma delas: se o Palmeiras pagava R$ 600 mil ao jogador por mês (os chineses contribuiriam com R$ 2,4 milhões), como o clube economizará R$ 14 milhões se o atleta tinha contrato só até dezembro? E mais: por que os chineses ofereceram R$ 40 milhões por temporada (cinco) ao atacante, que se recupera de grave lesão no joelho, apenas quatro meses após o empréstimo ao Palestra?

Sugismundo Freud. Não basta bater, tem de saber apanhar.

Título no adeus. Na despedida do brasileiro Rafinha (ficou no banco), do holandês Robben e do francês Ribery, o Bayern de Munique sapecou 3 a 0 no Red Bull Leipzig e conquistou a Copa da Alemanha. Lewandowski (dois) e Coman garantiram a 19ª taça do Bayern, que também faturou a Bundesliga.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). CBF muda regulamento para ajudar Vasco: se algum jogador vascaíno se machucar e levar pontos, os mesmos serão convertidos para o clube na tabela de classificação.

Zapping. Mesmo mostrando apenas o videoteipe de Corinthians 2 x 0 Deportivo Lara, a RedeTV! cravou 3,1 pontos de audiência na grande Pauliceia dominada pela bandidagem. Cada ponto equivale a 73 mil domicílios sintonizados. A emissora deixou Band, Cultura e Gazeta na poeira.

Gilete press. Da ex-jogadora e treinadora Sissi, sobre a seleção feminina de futebol: “Como eu já conheço os bastidores, a gente sabe que há politicagem. Quando eu fazia parte da seleção, você não podia falar. Se falasse, não voltava para a seleção. Tinha de ficar calada e aceitar o que diziam para você fazer. A gente tem de engolir muita coisa para fazer parte da seleção. É uma pena.” Mordaça.

Tititi d’Aline. Enquanto a cartolagem e as autoridades dormem em berço esplêndido, o esporte vai colecionando casos de racismo. Na última quarta, imbecis atacaram no futebol e no vôlei. No triunfo do Furacão sobre o River por 1 a 0, pela Recopa, um cretino chamou o atacante Nikão de ‘macaco’. O mesmo aconteceu com Isabelle Venâncio, do Barueri, no jogo com o Sesi/Bauru, pelo Campeonato Paulista sub-17, em Bauru. Sai da rede, Brasil!

Você sabia que… Pato, somando as duas passagens, disputou 106 jogos e marcou 39 gols com a camisa do soberano Tricolor, além de dar 15 assistências?

Bola de ouro. Valencia. Derrotou o poderoso Barcelona por 2 a 1, em Sevilha, e faturou a Copa do Rei. Havia 11 anos que não dava uma volta olímpica na Espanha, mais precisamente desde 2007/08, quando ficou justamente com a Copa do Rei. O triunfo coroa a temporada do centenário do clube. O Barça brigava pelo penta. Gameiro e Rodrigo marcaram para o Valencia. Messi descontou.

Bola de latão. Saci colorado. O clube entregou a Rafael Sóbis uma camisa com o escudo de cabeça para baixo no jogo com o Paysandu. O mico foi saudado à exaustão nas redes sociais por torcedores do Inter e rivais. A partir de 2020, o Colorado trocará a Nike pela Adidas.

Bola de lixo. Max Lopes. Não aceitou ‘pojeto’ de Vanderlei Luxemburgo para perder peso e recuperar a forma. O hermano optou pela rescisão contratual. Max Lopes atuou em 38 partidas com a camisa do Vasco e marcou 11 gols.

Bola sete. “Vendemos os craques. Compramos perebas. E repassamos perebas de bacias aos clubes menores. Vamos mal, muito mal” (do blogueiro Menon, no Uol – fundo do poço).

Dúvida pertinente. Soberano São Paulo: vitória ou crise, após 10 clássicos no Itaquerão, com sete triunfos do Corinthians e três empates?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

Anúncios

Jogo aéreo com Love e Gustagol garante boa vantagem ao Corinthians na Sul-americana

Pedrinho e Gustagol: festa da Fiel

Não aconteceu a chuva de gols esperada pela Fiel, mas o Corinthians fez a lição de casa e derrotou o Deportivo Lara por 2 a 0, no Itaquerão, minha casa minha vida (27.866 pagantes/R$ 800.153), e ficou numa boa situação na Sul-americana. No segundo tiroteio do mata-mata, na próxima quinta, em Barquisimeto, na Venezuela, garante uma vaga nas oitavas de final mesmo se perder por um gol de diferença.

O limitadíssimo Deportivo Lara precisa vencer por três tentos de vantagem para se classificar. Se derrotar o Corinthians por 2 a 0, levará a decisão,para a marca da cal. Se o time do ‘professor’ Fabio Carille assinalar um gol, os venezuelanos terão de golear por 4 a 1 – gol fora de casa vale como critério de desempate.

O Corinthians tomou conta do jogo desde o início. Em nenhum momento passou por apuros na defesa. Cássio praticamente não sujou o enxoval. Só ficou no ‘oxo’ porque desperdiçou boas chances e centralizou demais as jogadas. Mais criativo do que em outros jogos, envolveu o adversário. Concluiu 12 vezes à meta de Salazar.

No segundo tempo, com Gustagol no lugar de Ralf, volante desnecessário pela falta de ousadia do Deportivo Lara, o Corinthians aumentou o ritmo, passou a explorar mais as laterais, principalmente Fagner na direita. E chegou à vitoria. Aos 15 minutos, Fagner recebeu lindo passe de Pedrinho, cruzou e Vagner Love concluiu de cabeça.

Quinto gol de Love no ano, o segundo na Sul-americana. Na comemoração, beijou o escudo. Agora o atacante tem 21 gols em 79 partidas pelo Corinthians.

Aos 27, Gustagol guardou o dele, também de cabeça, após cruzamento de Danilo Avelar. Recuperado de uma lesão muscular na coxa direita e voltando aos poucos à equipe, o centroavante quebrou um jejum de dois meses sem gol – o último havia sido marcado em 24 de março, contra a Ferroviária. Gustagol tem nove tentos em jogos oficiais.

Com 2 a 0 no placar, o Corinthians diminuiu o ritmo, mas não perdeu o controle da partida. E poderia ter conquistado uma vitória ainda mais tranquila se Clayson não insistisse em jogadas individuais. Fominha, complicou várias ações ofensivas da equipe. Que surpreendeu com um total de 24 arremates ao gol de Salazar, o destaque do Deportivo Lara.

O Corinthians volta a campo no próximo domingo para enfrentar o soberano São Paulo, pela sexta jornada do Brasileirão. Defenderá um tabu: nunca perdeu para o coirmão no Itaquerão.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Bozo, cada vez mais fumaça.

Tchau, bambino! Quatro gols e três assistências em 12 jogos: assim termina a passagem do atacante Ricardo Goulart pelo ninho dos periquitos em revista. O atleta rescindiu o contrato com o clube porque recebeu proposta do Guangzhou Evergrande, da China, para ampliar por mais cinco temporadas o acordo que seria encerrado em dezembro de 2020. Receberá R$ 40 milhões por ano. Ele estava emprestado ao Palmeiras até o final do Brasileirão. Ricardo Goulart passou por uma artroscopia no joelho direito no início do mês. Ficaria dois meses afastado.

Zé Corneta. Se Cacau fosse bom, seria chocolate e não cartola do Flamengo metido a professor Pasquale.

Periquito na TV. A novela finalmente chegou ao The End: Palmeiras e Globo assinaram acordo para transmissão dos jogos do Brasileirão até 2024, tanto na TV aberta como no pay-per-view. As cifras são mantidas em sigilo. Mas nos corredores da plim plim, fala-se em R$ 90 milhões, R$ 30 milhões a menos que o Flamengo e R$ 20 milhões atrás do Corinthians. O Palestra queria equiparação. Superou o soberano Tricolor, que embolsa R$ 72 milhões. A plim plim continuará ignorando o o nome Allianz Parque.

Sugismundo Freud. Só erra quem produz, mas só produz quem não tem medo de errar.

Revide no Urubu. A sempre bem-humorada torcida do Flamengo voltou a pichar os muros da Gávea. Desta vez, para ironizar o diretor de relações externas do clube, Cacau Cotta. Um dia antes, o cartola havia declarado que as últimas pichações, com ‘Mickey todo certinho’, não tinham sido de autoria da galera. Ou seja, chamou a nação rubro-negra de analfabeta. O contragolpe, com os erros pedidos por Cacau, o ‘mestre das letras’: ‘Fora Abeu’ e ‘Copa Mick’.

Caiu na rede (by Íbis). Passando para avisar que serei campeão da Copa do Brasil antes do São Paulo.

Aí tem… Nada contra, ao contrário. Mas não deixa de cheirar arroz queimado. Desde 2017, o Corinthians contratou cinco jogadores do Fluminense: o zagueiro Henrique, os meio-campistas Douglas (já se mandou), Sornoza e Richard, e o atacante Everaldo (ainda vai estrear). Detalhe: nos últimos tempos, o time carioca sempre lutou contra o rebaixamento. Ou seja, é uma ótima vitrine…

Gilete press. De José Cruz, no Uol: “Há uma real tristeza e desânimo entre atletas, técnicos e dirigentes devido à falta dinheiro para o esporte. A fartura dos últimos 16 anos – que provocou boa dose de corrupção – acabou. Agora, a crise geral nas finanças públicas obriga a apertar o cinto até em setores prioritários, como saúde e educação. Virou rotina ver jovens atletas pedindo dinheiro nos sinais de trânsito, Brasil afora, para viagens de competições. Outros optam por vaquinhas. Mas somos um país ‘olímpico’.” Vergonha.

Tititi d’Aline. O jornal Le Parisien abriu o jogo sobre a crise no milionário Paris Saint-Germain. Segundo a publicação, depois de Daniel Alves alegar que queria ser ‘mais ouvido’ e Neymar afirmar que os jovens deveriam ‘ouvir mais do que falar’, a declaração de Mbappé, que deseja trocar de ares, aumentou a impressão de que o vestiário tem cada vez mais poder. ‘O clube é uma república dos jogadores. Até quando?’ O caldo engrossou.

Você sabia que… o soberano São Paulo ganhou apenas dois jogos em 10 disputados no Morumbi nesta temporada?

Bola de ouro. Furacão. Derrotou o poderoso River Plate por 1 a 0, gol do hermano Marco Ruben, na decisão da Recopa. O jogo de volta com o campeão da Libertadores será na próxima quinta, no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. O Athletico, ganhador da Sul-americana, só precisa de um empate para conquistar seu segundo título internacional.

Bola de latão. Lucas Lima. O meia vive fase incrível no Palmeiras: não consegue mostrar serviço nem contra time da terceira divisão do Brasileiro. Mais apagado que rádio sem pilha no embate com o Sampaio Corrêa, pela Copa do Brasil.

Bola de lixo. Nasser Al-Khelaifi. O presidente do PSG está sendo investigado por corrupção. A Justiça francesa suspeita que o poderoso cartola, responsável pela contratação de Neymar, teria autorizado uma transferência milionária para comprar votos. O suposto suborno (R$ 14 milhões) seria usado para garantir ao Catar a organização do Mundial de atletismo de 2017. A competição foi realizada em Londres.

Bola sete. “Depois de mais de 20 anos na elite do futebol, é hora de dar um passo para o lado e anunciar que decidi terminar a minha carreira como jogador. Eu começo uma nova vida e quero agradecer a todos que tornaram o meu sonho possível” (de Julio Baptista, no Twitter – o ex-são-paulino pretende seguir no esporte como treinador ou cartola; também defendeu Sevilla, Real Madrid, Arsenal, Roma,Raposa e amarelinha desbotada).

Dúvida pertinente. Soberano São Paulo: o fogo apagou?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

Goleiro engole frango e garante vitória dos reservas do Palmeiras na Copa do Brasil

Carlos Eduardo, do Palmeiras, em lance no primeiro tempo

Um frango do goleiro na bacia das almas garantiu a vitória do Palmeiras sobre o Sampaio Corrêa por 1 a 0, no Castelão, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O grito de gol saiu aos 46 minutos do segundo tempo, após cobrança de falta de Moisés.

Líder do Brasileirão, o Palestra começou com apenas um titular, Felipe Melo. Não jogou bem e o resultado mais justo contra o representante da série C seria o empate. No segundo duelo, na próxima semana, às 20 horas, na mansão Allianz Parque, o Palmeiras confirma a classificação com um empate.

O Sampaio Corrêa precisa de uma vitória por um gol de diferença para levar a decisão aos pênaltis. Um triunfo por dois ou mais gols dá a vaga ao clube do Maranhão.

O Palmeiras entrou em campo com apenas um titular, o pitbull Felipe Melo, que só jogou por estar suspenso (terceiro amarelo) contra o Botafogo, sábado, pelo Brasileirão. Pouco eficiente no ataque, já que abusou da lentidão nos passes, tornou-se uma presa fácil para o voluntarioso Sampaio Corrêa.

De nada adiantaram os gritos do ‘sargento’ Felipão para a equipe mostrar mais apetite pela bola, usar mais velocidade, apertar a marcação na defesa do Sampaio Corrêa. Que foi se soltando e levando perigo ao goleiro Fernando Prass.

A equipe paulista só assustou para valer aos 36 minutos. Hyoran cobrou falta, Andreey desviou e a bola bateu na trave. Com raríssimas chances, o ‘oxo’ prevaleceu no placar, em um primeiro tempo muito travado. Xexelento!

O Palestra voltou do vestiário com Dayverson no lugar Arthur Cabral, figura decorativa. Mas continuou mal. Felipão apelou para Dudu. Saiu Hyoran. E, depois, trocou o indolente Lucas Lima por Felipe Pires.

A partida caminhava para um mequetrefe 0 a 0, quando Andreey resolveu colaborar decisivamente com um belo frango. Aos 46 minutos, Moisés cobrou falta de longe, o goleiro do Sampaio Corrêa tentou segurar e colocou a redondinha para dentro.

Antes do cocoricó, Andreey sofreu uma lesão na cabeça e muitos acreditavam que seria substituído. Ele, porém, insistiu em permanecer no gramado. Resultado: vitória dos periquitos em revista. E mais de 90% do caminho andado para carimbar uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Rubinho ‘Bate-ou-quebra’ completou 47 anos nesta quarta, Dia Internacional da Tartaruga.

Neymar, gol de ouro. Estrela da companhia na Copa América, Neymar volta à roda do salário mínimo da bola. Cada gol do ‘menino’ pelo Paris Saint-Germain custou a bagatela de R$ 10 milhões no ano passado. Neymar correu 34 vezes para o abraço, ou seja, cravou a média de 2,8 tentos por mês. O atacante embolsa irrisórios R$ 340 milhões por temporada no PSG, o que dá cerca de R$ 28 milhões a cada 30 dias. O ‘menino’ fatura o mesmo que a soma dos 40 jogadores mais privilegiados do futebol brasileiro. O estudo do Cuponation indicou ainda que no primeiro contrato com o Peixe, em 2008, Neymar beliscava R$ 20 mil mensais. Uma década depois, aumentou o holerite para R$ 340 milhões, fora o reforço de publicidade (R$ 55 milhões).

Neymar, gol de ouro 2. O astro brasileiro ocupa o terceiro lugar no ranking dos jogadores mais bem pagos do mundo. O argentino Messi lidera a lista da revista ‘France Football’ com R$ 560 milhões por ano, entre salários, bônus e outras receitas, como a de garoto-propaganda. O português Cristiano Ronaldo aparece em segundo, com R$ 487 milhões. Neymar fecha o pódio, com R$ 395 milhões. Depois vêm o francês Griezmann (R$ 190 milhões) e o galês Bale (R$ 173,5 milhões). O meia Philippe Coutinho aparece em oitavo lugar, com R$ 130 milhões. Os top 20:

1º – Messi (ARG) – Barcelona – R$ 560 milhões
2º – Cristiano Ronaldo (POR) – Juventus – R$ 487 milhões
3º – Neymar (BRA) – Paris Saint-Germain – R$ 395 milhões)
4º – Griezmann (FRA) – Atlético de Madrid – R$ 189,9 milhões
5º – Bale (GAL) – Real Madrid – R$ 173,5 milhões
6º – Iniesta (ESP) – Vissel Kobe – R$ 142,4 milhões
7º – Alexis Sánchez (CHI) – Manchester United – R$ 132,5 milhões
8º – Philippe Coutinho (BRA) – Barcelona – R$ 129,5 milhões
9º – Lavezzi (ARG) – Hebei Fortune – R$ 122,1 milhões
10º – Suárez (URU) – Barcelona – R$ 120,9 milhões
11º – Piqué (ESP) – Barcelona – R$ 116,5 milhões
12º – Kroos (ALE) – Real Madrid – R$ 113,5 milhões
13º – Özil (ALE) – Arsenal – R$ 111,4 milhões
14º – Mbappé (FRA) – Paris Saint-Germain – R$ 107,9 milhões
15º – Oscar (BRA) – Shanghai SIPG – R$ 104,9 milhões
Agüero (ARG) – Manchester City – R$ 104,9 milhões
17º – De Bruyne (BEL) – Manchester City – R$ 101,4 milhões
18º – Hulk (BRA) – Shanghai SIPG – R$ 101 milhões
19º – Pogba (FRA) – Manchester United – R$ 100,6 milhões
20º – Sergio Ramos (ESP) – Real Madrid – R$ 99,3 milhões

Zé Corneta. ‘Professor’ Fabio Carille tem à disposição mais de 32 jogadores, mas não consegue montar um time minimamente confiável.

Nova casa. O colombiano Borja cansou de ser passado para trás na luta pelo comando do ataque palmeirense. Por isso, pensa seriamente em respirar novos ares, pelo menos por empréstimo. O Peixe já tentou, sem sucesso. O Palestra topa apenas vendê-lo. Quer recuperar o investimento de 70% em seus direitos: US$ 10 milhões. Aí o polvo pinta as unhas…

Sugismundo Freud. O melhor profeta do futuro é o passado.

Índio quer bola. O secretário especial de futebol, Ronaldo Lima, recebeu um grupo indígena. Os representantes da etnia Tucano e Terena pediram ajuda para a criação de uma seleção de indígenas. Lima prometeu ajudá-los e até sugeriu a criação de uma confederação nacional. Os índios sonham organizar um torneio sul-americano no Amazonas.

Caiu na rede (do ‘Humor Esportivo’). A Copa foi do Miquei e vossês são patetas – torcedores rubro-negros ironizando o cartola Caccau Cotta por ter afirmado que a galera não saberia escrever Mickey.

Zapping. A RedeTV anunciou gato por lebre: prometeu a transmissão de Corinthians x Deportivo Lara, pela Sul-americana, a partir das 21h30, mas a bola vai rolar às 19h15 e será mostrada ao vivo somente pela DAZN (streaming).

Gilete press. De Jorge Nicola, no Yahoo: “Apenas exames médicos e a assinatura do contrato separam Grêmio e Santos do anúncio da troca entre David Braz e Marinho. O Peixe ainda vai pagar R$ 4 milhões ao Tricolor, já que Marinho é quatro anos mais novo que David Braz e tinha contrato mais longo com os gaúchos – o vínculo do zagueiro com o Santos terminaria em fevereiro do ano que vem. Bom negócio?

Tititi d’Aline. O narrador Galvão Bueno, a mulher e o filho estão morando em Orlando, nos Estados Unidos. Galvão escolheu a residência a dedo: fica perto de um campo de golfe. O número 1 da plim plim é vidrado no esporte. Ele só aterrissa no Brasil para cumprir a escala de trabalho ou cuidar de negócios.

Você sabia que… a mamãe Fifa desistiu de promover o Mundial do Catar, em 2022, com 48 seleções, confirmando apenas 32?

Bola de ouro. Edina Batista. Integrante da Federação Paulista de Futebol, será a segunda mulher na história do ludopédio nacional a apitar um jogo da série A – CSA x Goiás, pela sexta rodada. Edina também representará o país na Copa do Mundo de futebol feminino. A primeira mulher a apitar uma partida da elite foi Silvia Regina, no jogo Guarani x São Paulo, em 2003.

Bola de latão. Pablo Armero. O ex-lateral do Palmeiras, Flamengo e West Ham foi desligado do CSA. Aos 32 anos, Armero foi flagrado num bar de Maceió na sexta-feira, véspera do embarque do time para Porto Alegre – o CSA perdeu do Saci colorado por 2 a 0. Ele estava acompanhado do meia argentino Maidana e do atacante equatoriano Escobar, que serão apenas multados porque não estavam na lista de comvocados.

Bola de lixo. CBF. O reencontro da amarelinha desbotada com a torcida será salgado. O Circo Brasileiro de Futebol fixou em R$ 150 o ingresso mais barato para o amistoso com o Catar, em 5 de junho, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O mais caro, com
direito a camarote e open bar, sai por R$ 600.

Bola sete. “Vencemos o Paulista, mas já passou. Queremos mais títulos. Contrariar o que todo mundo vem dizendo sobre o Corinthians. Quanto mais pedrada, melhor. Vamos mostrar que somos fortes o suficiente para vencer as batalhas da vida” (do volante Júnior Urso, sobre as críticas ao tico-tico sem fubá do time – a conferir).

Dúvida pertinente. Quem para o Palmeiras?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

‘Niki sempre será uma das maiores lendas do nosso esporte, combinava heroísmo e humanidade’

Resultado de imagem para fotos niki lauda

Por GloboEsporte.com

Uma das páginas mais importantes da história do automobilismo mundial terminou de ser escrita nesta segunda-feira. Aos 70 anos, morreu Niki Lauda, tricampeão mundial de Fórmula 1 e atual presidente não executivo da Mercedes. Em 2018, Lauda passou por um transplante de pulmão e só recebeu alta depois de ficar mais de dois meses internado. No começo deste ano, o tricampeão ficou mais 10 dias no hospital após ter febre durante as festas de fim de ano. 

As primeiras informações dão conta de que ele estava em Viena, teve falência renal e morreu ao lado dos familiares. “Com profunda tristeza, anunciamos que nosso amado Niki morreu pacificamente com sua família na segunda-feira, 20 de maio de 2019. Suas realizações únicas como atleta e empreendedor são e permanecerão inesquecíveis; seu incansável entusiasmo pela ação, sua franqueza e sua coragem permanecem um modelo e uma referência para todos nós. Era um marido amoroso e atencioso, pai e avô longe do público, que sentirá sua falta”, disse o e-mail assinado com a família de Lauda.

Lauda era casado desde 2009 com Birgit Wetzinger, que lhe havia cedido um rim para transplante quatro anos antes, quando o órgão doado em 1997 pelo irmão Florian teve problemas. Os dois tinham os gêmeos Max e Mia. Entre 1976 e 1991, o ex-piloto já tivera matrimônio com Marlene Knaus, com quem teve dois filhos, Mathias e Lukas. O tricampeão tinha ainda um outro filho fora do casamento chamado Christopher. 

No começo de julho de 2018, Niki Lauda descansava com a família em Ibiza, na Espanha, onde pegou uma forte gripe. O quadro evoluiu para febre alta com uma forte tosse, e o ex-piloto viajou em seu jato particular para a Áustria, onde se internou. Inicialmente, Lauda recebeu tratamento intensivo para o vírus, e aparentou melhora. Mas o estado se agravou, e os médicos decidiram transplantar o pulmão, embora tenham garantido que as complicações não eram relacionadas ao grave acidente sofrido na pista de Nürburgring, em 1976 – na ocasião, o austríaco teve graves queimaduras e inalou gases tóxicos, escapando da morte por pouco.

Nascido em 22 de fevereiro de 1949, Andreas Nikolaus Lauda era de família rica. Apesar de ter passado uma juventude abastada, o austríaco quis seguir carreira no automobilismo. Sem apoio do avô banqueiro e dos demais familiares, Niki tomou um empréstimo num outro banco e passou a investir na carreira. Depois de comprar uma vaga na equipe March de Fórmula 2, Lauda rapidamente foi convidado para correr na F1, estreando no GP da Áustria de 1971. 

Depois de correr a temporada de 1972 pela equipe inglesa, Niki pegou outro empréstimo bancário e passou a correr na antes vitoriosa BRM, que, no entanto, já não vivia seus melhores dias. Mesmo assim, impressionou pela precisão na troca de informações com os engenheiros e mecânicos, e marcou seus primeiros pontos numa época em que apenas os seis primeiros colocados somavam. Indicado por Clay Regazzoni, foi contratado pela Ferrari para 1974.

Numa temporada em que a equipe italiana ressurgiu após longo período de resultados ruins, Lauda marcou nove poles e venceu suas duas primeiras corridas, na Espanha e Holanda. Chegou a liderar a tabela, mas acabou sendo superado nas provas finais, e Emerson Fittipaldi conquistou o título. Em 1975, porém, Niki venceu cinco provas e o campeonato por antecipação.

Em grande forma, Lauda seguiu dominando em 1976. Mas, depois de vencer cinco corridas e subir ao pódio em oito das nove primeiras corridas do ano, Niki sofreu um gravíssimo acidente no perigoso circuito de Nürburgring, na Alemanha. Curiosamente, o austríaco havia liderado um movimento dos pilotos para boicotar a corrida, mas acabou sendo derrotado e ele mesmo sentiu as consequências.

A condição de Lauda após o acidente era tão delicada que um padre foi chamado para lhe aplicar a extrema-unção, mas foi duramente repelido pelo próprio Niki. De forma impressionante, ele se recuperou e, apenas 43 dias depois da batida, estava ao cockpit de sua Ferrari, nos treinos para o GP da Itália. Na volta, com o rosto quase desfigurado, Lauda explicou que, no hospital, se concentrava em não dormir porque sabia que poderia morrer a qualquer momento. 

Nas provas finais de 1976, Lauda ainda brigou pelo título com o inglês James Hunt, que, aproveitando a ausência do adversário, encostara na tabela do campeonato. Na decisão do título, em Fuji (Japão), choveu demais e Lauda desistiu da prova, alegando falta de segurança. Hunt terminou em terceiro e se sagrou campeão com um ponto de vantagem. A rivalidade entre Lauda e Hunt foi retratada mais de 30 anos depois no longa-metragem “Rush”.

Apesar de massacrado pela implacável imprensa italiana, Lauda deu a volta por cima em 1977. Com uma temporada de muita regularidade, o austríaco se sagrou bicampeão com três vitórias. Tão logo obteve o título por antecipação, Niki deixou a Ferrari, cansado das politicagens da equipe.

Lauda passou a correr pela Brabham, mas os pesados e pouco resistentes motores Alfa Romeo não o permitiram brigar por mais um título. “Cansado de correr em círculos”, como ele mesmo explicou, o austríaco decidiu abandonar as pistas repentinamente em 1979, durante os treinos para o GP do Canadá. Já interessado em aviação e milionário, o então bicampeão fundou a Lauda Air.

No fim de 1981, Lauda vinha tendo problemas com sua companhia aérea e decidiu aceitar uma milionária oferta Ron Dennis para voltar a correr, pela McLaren. A equipe lançara naquele mesmo ano o primeiro carro com chassis integralmente construído em fibra de carbono, material muito mais seguro em caso de acidentes.

Aos 33 anos, Lauda voltou em boa forma e, numa temporada que teve 11 vencedores diferentes, ganhou duas provas, em Long Beach e Brands Hatch, e chegou a ter remotas chances de título. Terminou em quinto lugar. Mas em 1983, a McLaren ficou para trás na guerra com as equipes que usavam motores turbo, e o austríaco terminou em décimo. Porém, a equipe estreou ainda naquela temporada o motor Porsche, deixando boas esperanças para 1984.

De fato, a combinação McLaren-Porsche se revelou dominante, e a equipe venceu 12 das 16 corridas, fato inédito na F1 até então. Lauda ganhou cinco provas contra sete do companheiro Alain Prost, mas faturou o tri graças à regularidade. O austríaco terminou apenas meio ponto á frente do francês, na menor diferença entre campeão e vice na história da categoria. Em 1985, Lauda teve um ano de muitos abandonos e decidiu parar de vez. Venceu apenas uma corrida, na Holanda, e liderava na sua despedida, na Austrália, quando os freios falharam e ele bateu.

Após abandonar a carreira de piloto, Lauda seguiu tocando a companhia aérea até vendê-la, em 1999. Depois, o austríaco deu início a uma nova empresa de transporte aéreo, a Niki, que foi adquirida em 2011 pela Air Berlin. Há dois anos, Lauda assumiu o controle da Amira Air e a renomeou para LaudaMotion.

Enquanto isso, o tricampeão seguia na Fórmula 1. Nos anos 1990, foi consultor da Ferrari, mesmo cargo ocupado na Jaguar, em 2002. Mas Niki teve sucesso mesmo como presidente não executivo da Mercedes, desde o fim de 2012. 

Lauda teve papel muito importante na negociação que levou Lewis Hamilton para a equipe alemã. Dividindo a chefia do time com o também austríaco Toto Wolff, Lauda ajudou a Mercedes a emplacar os últimos cinco títulos mundiais de pilotos e construtores, em 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018.

Em 2018, mesmo com uma dura concorrência da rejuvenescida Ferrari, a Mercedes ganhou novamente os dois campeonatos, com 11 vitórias de Lewis Hamilton. O último grande prêmio que teve a presença de Lauda foi o da Inglaterra, em Silverstone. Antes da prova final, em Abu Dhabi, Lauda gravou um vídeo divulgado nas redes sociais e prometeu voltar ao convívio com a equipe Mercedes em breve.

“Niki sempre será uma das maiores lendas do nosso esporte – ele combinava heroísmo, humanidade e honestidade, dentro e fora do cockpit. Sua partida deixa um buraco na Fórmula 1. Não perdemos apenas um herói que protagonizou um dos mais incríveis retornos já vistos, mas também um homem que trouxe uma clareza e franqueza para a F1 moderna. Sua ausência será sentida, já que ele era nossa voz de bom senso”, escreveu Toto Wolff, diretor executivo da Mercedes. 

XXXXXXXXXXXX

Resultado de imagem para fotos tite

Na marca da cal. Ganhar ou ganhar. Não há outra saída para o ‘professor’ Tite na Copa América, a partir de junho. Nas quatro vezes que o torneio foi disputado na pátria das chuteiras furadas, a amarelinha desbotada soltou o grito de campeão: 1919, 1922, 1949 e 1989. Ou seja, se levar uma paulada, adeus bambino!

Pitaco do Chucky. O atacante Gabigol navega em piscina de plástico: nos últimos oito confrontos do Flamengo, correu apenas uma vez para o abraço.

‘Jênios’. A Conmebol é realmente uma entidade prodigiosa. Lançou um cartaz com a figura do zagueiro Thiago Heleno, do Athletico, para promover a decisão da Recopa, contra River Plate. Detalhe: o brasileiro está suspenso preventivamente por doping. Pena aplicada pela… Conmebol.

Zé Corneta. Na briga entre paulistas e cariocas pelo GP do Brasil, só a Fórmula 1 ganha: quem dá mais?

Multa. O Peixe mandou um recado aos coirmãos: o ‘professor’ Jorge Sampaoli só limpará o armário no aquário da Vila Belmiro se o pretendente pagar a multa de 3 milhões de euros (R$ 13,3 milhões).

Sugismundo Freud. Com mentiras se pode ir longe, mas não tem volta.

Corrida. Juninho Paulista, Cafu e Kaká disputam o lugar de Edu Gaspar como coordenador da amarelinha desbotada. Gaspar vai se mandar para o Arsenal depois da Copa América.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Urgente: Palmeiras irá cobrar extra por aula de futebol dada ao Santos.

Vibrador como prêmio. As atletas de um torneio de squash na Espanha soltaram os cachorros para cima dos organizadores do campeonato das Astúrias. Enquanto os homens ganharam troféu, as campeãs receberam um vibrador, um kit de depilação e um esfoliador elétrico. Uma das vencedoras, Elisabeth Sadó desceu o porrete nos promotores da competição: “Tenho 37 anos, estou competindo desde os oito e nunca na minha vida ganhei como prêmio nada tão ‘sexista’. O habitual é ganhar material esportivo. Ganhar um vibrador é absurdo. Eu logo tratei de esconder essas coisas atrás do troféu”, disse Sadó, em entrevista ao jornal ‘Marca’. No dia seguinte, elas devolveram os mimos.

Gilete press. De Juca Kfouri, no Uol: “A representação feita por conselheiros de clubes de futebol paulistas ao Ministério da Justiça para investigar lavagem de dinheiro, no que foi chamado de operação “Lava Bola”, acaba de ser encaminhada para a Polícia Civil de São Paulo. Como era de se esperar, Sérgio Moro não quis botar a mão na cumbuca do futebol, ainda mais depois que seu chefe recebeu a CBF no Palácio do Planalto.” Lamentável.

Tititi d’Aline. Vem aí o documentário ‘Schumacher’ sobre a carreira do heptacampeão mundial de Fórmula 1. O filme deve estrear em dezembro, com depoimentos de familiares e amigos. Schumacher está em coma desde 2013, quando sofreu um acidente esquiando.

Você sabia que… o último triunfo do Vasco fora de casa aconteceu na 37ª rodada do Brasileirão/17, quando bateu a Raposa por 1 a 0 em BH?

Bola de ouro. Golden State Warriors. Fechou o duelo com o Portland Trail Blazers em 4 a 0, faturou a Conferência Oeste e disputará pela quinta vez o título da NBA. Repete a façanha do Boston Celtics, cravada na década de 60. Na final, o Warriors enfrentará o ganhador de Milwaukee Bucks x Toronto Raptors.

Bola de latão. São Paulo. O soberano deu o pontapé inicial no chororô: mandou dossiê ao Circo Brasileiro de Futebol reclamando de arbitragem no campeonato. Espera ter sucesso, já que o mandachuva e raios Rogério Caboclo é são-paulino desde criancinha. Faz parte até do conselho do clube.

Bola de lixo. Brasil de Pelotas. Pior time entre os 40 que disputam as séries A e B do Brasileiro. Ainda não conquistou um mísero ponto na segundona. Também está ‘virgem’ na luta por gols. Passou em branco em 360 minutos e uns quebrados.

Bola sete. “Eu fiz uma escolha na minha carreira em só jogar em time grande” (resposta do ex-jogador Kaká ao Fox Sports, depois de ser questionado se sua grande frustração era não ter defendido o Corinthians – pano rápido).

Dúvida pertinente. Palmeiras, hors concours no Brasileirão?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

Café da manhã: soberano São Paulo decepciona, leva vaias e tem jogador expulso pelo VAR

Apagado, Pato joga apenas o primeiro tempo

Mais de 44 mil torcedores decidiram curtir o café da manhã da quinta rodada do Brasileirão, mas foram embora do Morumbi pedindo sal de fruta para conseguir degustar o fraco desempenho do soberano São Paulo no ‘oxo’ contra o Bahêa. Irritada, boa parte da galera resolveu retribuir com vaias a pífia exibição do Tricolor. Que segue invicto, agora com 11 pontos, dois atrás do líder Palmeiras. Os baianos acumulam sete.

As coisas começaram a se complicar para o São Paulo logo aos 12 minutos. Peça importante do esquema de mestre Cuca, o volante Liziero torceu o tornozelo direito após dividida com Gregore e foi substituído por Luan. No banco, Liziero chorou muito. Terceira lesão neste ano.

Mesmo com mais posse de bola (60% a 40%), o Tricolor criou poucas chances no primeiro tempo. Armado no 4-5-1 por Roger Machado, o Bahêa procurou surpreender nos contragolpes, aproveitando a velocidade de Artur pela esquerda e as investidas de Gilberto pelo meio.

Os melhores momentos do São Paulo aconteceram com Toró e Antony. Aos 8, Tchê Tchê lançou Toró, que arrematou e o goleiro Douglas fez boa defesa. Aos 20, Antony chutou de longe, a bola desviou em Lucas Fonseca e bateu na trave. Ao final da etapa inicial, 8 a 4 em finalizações para os baianos.

Praticamente inútil ao longo de 45 minutos, Pato ficou no vestiário e o Tricolor voltou com Helinho no ataque. Pressionou durante alguns minutos, porém o Bahêa logo se recompôs e equilibrou o embate. Mestre Cuca trocou Hernanes (mais apagado que lâmpada queimada) por Nenê.

Aos 26, o São Paulo ficou com 10. Sua senhoria, o assoprador de latinha Daniel Nobre Bins expulsou Toró por pisão involuntário no goleiro. Primeiro, ele mostrou o cartão amarelo ao são-paulino. Depois, consultou o VAR e aplicou erradamente o vermelho, sob protestos da torcida (44.640 pagantes/R$ 2.196.501).

Com um a mais, o Bahêa tomou conta do jogo. Fracassou, no entanto, nas finalizações. O atacante Fernandão, que entrou no lugar de Gilberto, teve ao menos duas ótimas chances. E o ‘oxo’ permaneceu no placar.

São Paulo e Bahêa voltam a se enfrentar na próxima quarta, novamente no Morumbi. Desta vez, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Na sexta rodada do Brasileirão, domingo, o Tricolor visitará o Corinthians no Itaquerão, minha casa minha vida.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Tite acima de tudo, Neymar acima de todos.

Pitbull desabafa. O xerife Felipe Melo deixou o Pacaembu soltando fumaça pelas narinas, apesar da goleada palmeirense no Peixe (4 a 0). Primeiro detonou os assopradores de latinha, dizendo-se perseguido e pedindo ajuda à mídia. ‘Tem muito mimimi, a gente não pode nem falar mais. O cartão vai me tirar do próximo jogo. Um jogador da minha idade (35 anos) tem de jogar sempre para manter a regularidade. Me ajudem, pelo amor de Deus. Preciso de vocês (imprensa), pô’, protestou.

Pitbull desabafa 2. FM também alfinetou o ‘professor’ Tite, que não convocou nenhum atleta do Palestra para a amarelinha desbotada. ‘É óbvio que surpreende. O pior é que ninguém fala nada. Me perguntaram outro dia: ‘Qual a sua seleção?’. Minha seleção é aqui, o Palmeiras, clube que me paga, onde estamos fazendo bons trabalhos’, fuzilou. Há controvérsias?

Zé Corneta. Muitos técnicos e comentaristas são como o vinho: ficam melhores com rolha na boca.

Cornetada na Baixada. O ‘professor’ Jorge Sampaoli começou a ouvir os primeiros acordes da turma da corneta após a derrota do Peixe por 4 a 0 para o Palmeiras. O hermano foi bombardeado por críticas pela insistência em manter o rodízio de atletas, deixando fora o capitão Victor Ferraz, o lateral-esquerdo Jorge, o meio-campista Jean Mota e o atacante Rodrygo. Sampaoli justificou: sempre preza por colocar jogadores ‘frescos’, em boas condições físicas, a fim de manter alta intensidade durante a partida. Citou Rodrygo: sentiu uma lesão no aquecimento e pediu para ficar fora (sentou no banco).

Sugismundo Freud. Pelo toque do celular dá pra saber muita coisa sobre o dono.

Muleta do Urubu. A conquista da Florida Cup virou mesmo muleta no Flamengo. Após a derrota para o Galo, mesmo com um jogador a mais desde o primeiro tempo, o ‘professor’ Abel Braga lembrou que o time havia conquistado a Copa Mickey, a Taça Rio e o cobiçadíssimo Carioquinha. Disse ainda: “Perder para o Atlético, como perdermos para o Inter lá, são resultados normais.” A torcida adorou as explicações. Tanto que destilou marimbondos pelas narinas.

Dona Fifi. Cresce no ninho do Urubu e adjacências a hashtag #ForaAbel.

Zapping. O SporTV liderou o ibope de abril entre as TVs pagas. Cravou 0,95 ponto, com 2,01% de share (domicílios sintonizados). O Fox Sports ficou em oitavo, com 0,51 e 1,07%. O SporTV 2 pintou em 21º, com 0,30 e 0,64%, e a ESPN Brasil obteve apenas a 23ª posição, com 0,30 e 0,63%. Cada ponto equivale a 115 mil domicílios, com 3,3 habitantes em média.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Santos ataca com oito jogadores, encurrala o adversário e… 4 a 0 Palmeiras.

Gilete press. De Mauro Cezar Pereira, no Uol: “As presenças de jogadores que dificilmente estarão na próxima Copa do Mundo, como Daniel Alves (36 anos), Miranda (34), Thiago Silva (34), Filipe Luís (33), Fernandinho (34) e Cássio (31), evidenciam a preocupação maior de Tite: contar com gente experiente para ganhar a Copa América. Ele pode escalar uma defesa com média de 33,6 anos. E sobreviver no cargo. Renovação e espaço para mais jogadores jovens ficarão para depois. Desde que Tite alcance sua meta de seguir empregado pela CBF quando o certame terminar. Ou seja, campeão.” Na mosca.

Tititi d’Aline. Os jogadores do Derby County meteram o pé na jaca depois de eliminarem o Leeds United e garantirem a classificação para a final da segunda divisão, dia 27, contra o Aston Villa. O ‘professor’ Frank Lampard levou os atletas a um bar e gastou R$ 15 mil. Na conta, 209 cervejas, 129 licores, 38 tequilas, 29 doses de uísque, cinco garrafas de prosecco e… uma lata de refrigerante light.

Você sabia que… o Palmeiras chegou a 15 vitórias seguidas no Brasileirão como mandante, com 100% de aproveitamento do ‘sargento’ Felipão desde que chegou ao clube em agosto de 2018?

Bola de ouro. Gustavo Gómez/Luan. Defesa que ninguém passa: a dupla palmeirense está demais. Um paredão à frente do goleiro Weverton. Gómez e Luan carregam boa parte da campanha do Palestra nesta temporada. Juntos não levam gol há 985 minutos.

Bola de latão. Raposa. Um visitante de respeito no Brasileirão: três jogos, três pauladas. O pão de queijo marcou três gols e tomou apenas 10.

Bola de lixo. Real Madrid. O time se despediu da temporada como o diabo gosta: apanhou em casa do Betis por 2 a 0 entrou de férias com uma sonora vaia da torcida. O time fechou o campeonato em terceiro lugar, com 68 pontos. Acumulou 12 derrotas. Hala Madrid!

Bola sete. “Agora é a hora de apanhar. Temos que ser criticados, saber, com grandeza, ouvir as críticas, aceitá-las, e trabalhar para as coisas mudarem. Isso não é normal nosso. Nem me lembro a última vez que uma equipe minha tomou quatro gols” (do ‘professor’ Mano Menezes, após a derrota da Raposa para o Fluminense por 4 a 1 – em cinco jogos, o time tomou 11 gols).

Dúvida pertinente. Tite ou família Neymar, quem dá as cartas na amarelinha desbotada?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

Palmeiras de Felipão deixa Santos de Sampaoli de quatro e mantém liderança do Brasileirão

Deyverson aproveita cruzamento de Dudu e marca o segundo do Palmeiras

Quando surge o Alviverde imponente… sai de baixo. O Palmeiras mostrou contra o Santos que não está para brincadeira na luta do bicampeonato brasileiro. Com uma atuação de gala, goleou por 4 a 0, na casa alugada do Pacaembu (30.058 pagantes/R$ 987.830), e assumiu a liderança isolada, com 13 pontos, depois de cinco jogos. De quebra, aumentou para 28 o número de jogos sem derrota na competição. O time santista tem 10 pontos.

O Peixe de Jorge Sampaoli foi simplesmente devorado pelo Periquito do ‘sargento’ Felipão. Levou quatro sapatadas históricas (Gustavo Gómez, Deyverson, Raphael Veiga e Hyoran), apesar de ter muito mais posse de bola, 61% a 39%. O Palestra disputou sua melhor partida nesta temporada.

Felipão e Sampaoli se encontraram pela quinta vez. O palmeirense está invicto: duas vitórias e três empates. O rodízio promovido pelo hermano, deixando Victor Ferraz, Jean Mota e Rodrygo no banco (o atacante sequer entrou na partida), provocou muitas críticas ao treinador na primeira derrota do Peixe no Brasileirão.

Certamente nem o torcedor mais fanático esperava pelo início arrasador do Palmeiras no clássico. O time do ‘sargento’ Felipão surpreendeu o Santis com marcação alta e jogadas rápidas, principalmente pela direita, explorando os erros de Felipe Jonatan.

Resultado: em apenas 20 minutos, já vencia por 2 a 0. Merecidamente. Aos 5, Sanchez fez falta, Dudu cobrou e o zagueiro Gustavo Gómez conferiu de cabeça. Os santistas reclamaram impedimento, mas o VAR confirmou o tento. Na sequência, Zé Rafael acertou a trave, após cobrança de escanteio.

Atordoado com a pressão palmeirense, o Peixe errou uma saída de bola e tomou o segundo aos 18. Dudu recebeu livre na direita, cruzou e Deyverson cutucou para a rede. O centroavante comemorou o gol colocando a bola por baixo da camisa. Vai ser papai. Ele namora a cantora sertaneja Camila Nogueira.

Em vantagem, o Palmeiras puxou o freio de mão e permitiu ao Santos respirar um pouco. Não o suficiente, porém, para complicar a vida do goleiro Weverson. O Palestra jamais perdeu o controle da partida.

O Santos voltou para o segundo tempo com Jean Mota no lugar de Jean Lucas, perdidaço no meio de campo. Estranhamente, Sampaoli manteve Rodrygo no banco.

A equipe da Baixada esboçou uma reação. O Palmeiras não se abalou e nocauteou o coirmão aos 6: Raphael Veiga finalizou de fora da área, a bola desviou em Aguilar e deixou Vanderlei mais perdido que cebola em salada de frutas – 3 a 0.

Desesperado, Sampaoli trocou Felipe Jonatan por Cueva. E nada do garoto Rodrygo. O Santos foi em busca do chamado ‘gol de honra’. Parou nas luvas de Weverton e na trave. Última mudança no Peixe: Aguilar por Victor Ferraz. Rodrygo só ficou na torcida.

Aos 42, Hyoran deixou o Peixe de quatro após perder um gol cara cara. O atacante, que havia substituído Zé Raphael, ficou livre à frente de Vanderlei, após passe de Dudu, e fechou a goleada. Antes da entrada de Hyoran, Felipão havia sacado Raphael Veiga e colocado Moisés. Na bacia das almas, Bruno Henrique por Thiago Santos.

Na próxima quarta, o Palmeiras vira a chavinha e encara o Sampaio Correa, em São Luís, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O Santos só joga no fim de semana. Pega o Saci colorado, no aquário da Vila Belmiro, pelo Brasileirão.

A quinta rodada do campeonato teve mais dois jogos. O Fluminense de Fernando Diniz arrebentou a Raposa de Mano Menezes: 4 a 1 no ‘new Maraca’. Em BH, o Galo deu duas bicadas no Urubu: 2 a 1.

XXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. A máscara dos salvadores da pátria já foi para o beleléu.

Itaquerão: happy birthday. Corinthians festeja cinco anos de Itaquerão, minha casa minha vida: deve mais de R$ 1,2 bilhão à Caixa e aos samaritanos donos da ilibada Odebrecht. Espera quitar a dívida em 12 anos. Uma piada, segundo conselheiros do clube. O Corinthians esperava faturar mais de R$ 200 milhões por temporada com o estádio… se negociasse o naming rights, 90 camarotes, 15 mil cadeiras cativas e otras cositas más. Ficou só no sonho. Em campo, sucesso: 109 triunfos, 45 empates e 19 coças em 173 duelo, com direito a três voltas olímpicas – dois Paulistinhas (2017/19) e um Brasileirão (2017). O artilheiro é Romero, com 27 gols, três à frente de Jadson.

Zé Corneta. E o Boselli, hein? Chegou cheio de milonga ao Corinthians, perdeu o rumo do gol e já dança samba na boca da Fiel.

Olha nóis aqui. Os milionários Palmeiras e Flamengo são apontados como ‘bichos-papões’ do ludopédio nacional, mas nenhum deles foi agraciado pelo ‘professor’ Tite com uma convocação para defender a amarelinha desbotada na Copa América. O mesmo aconteceu com Raposa e Saci colorado. Certamente o palmeirense Dudu seria chamado por outros treinadores menos comprometidos com os amigos de fé para o novo voo do canarinho sem asas. Por que não o rubro-negro Bruno Henrique e o cruzeirense Dedé, por exemplo? E o Bruno Henrique do Palestra? Cantado em prosa e verso pela mídia mundial após encaçapar três gols no Ajax e garantir o Tottenham na final de Champions, Lucas Moura também foi ignorado pelo rei do media training.

Olha nóis aqui 2. Tite deixou ainda Vinícius Júnior e Fabinho na saudade. E optou pelos irmãos camaradas Gabriel Jesus, Philippe Coutinho, Miranda, Thiago Silva, Fernandinho, Filipe Luis, Daniel Alves… No total, 14 atletas que fracassaram na Copa da Rússia. Já a chamada de Neymar era favas contadas. Só a turma do contra queria que Tite castigasse o atacante por ter agredido um torcedor na final da Copa da França. Se atendesse o clamor imbecil dos invejosos, Tite estaria punindo a amarelinha desbotada e colocando em risco o precioso emprego no Circo Brasileiro de Futebol.

Sugismundo Freud. Começar já é metade de uma ação.

Tríplice coroa. O ‘professor’ Pep Guardiola conseguiu mais um feito: levou o Manchester City à conquista dos três principais canecos da terra da rainha. Depois de faturar a Premier League e a Copa da Liga, o time goleou o Watford por 6 a 0, em Wembley, e ganhou a Copa da Inglaterra. O menino Jesus foi um dos destaques da festa. Marcou dois gols e deu uma assistência para De Bruyne. David Silva e Sterling (dois) também ensacaram o adversário. Desde de 2011, o City estava na fila do troféu. Agora, tem seis. O Arsenal, com 13, lidera o ranking dos campeões da competição mais antiga do planeta bola.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Urgente: Liverpool envia documento à CBF informando que Fabinho é brasileiro e pode ser convocado.

Adeus com título. Os atacantes Ribéry e Robben se despediram do Bayern de Munique em grande estilo. A dupla começou o embate com o Eintracht Frankfurt no banco, entrou no segundo tempo e levou a torcida à loucura. O francês deixou a zaga na saudade e correu para o abraço após dar um toque por cima de Trapp. O holandês também estufou a rede depois de receber um passe de Alaba. O Bayern trucidou o coirmão na Allianz Arena (5 a 1) e faturou o 29º título da Bundesliga, o sétimo consecutivo.

Circo. O novo autódromo carioca só deverá ficar pronto na metade de 2020. Ou seja, sinal verde para a Fórmula 1 apenas em 2022.

‘Pojeto’. A estreia oficial do ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo na casamata vascaína será contra o Avaí, neste domingo, em São Januário. E o ‘mestre dos mestres’ poderá degustar um belo mamão com jiló em seu retorno ao ludopédio depois de longo e tenebroso inverno na fila do desemprego. Em quatro rodadas do Brasileirão, o Vasco ganhou nada menos que… um ponto em 12 possíveis. Prêmio: a lanterna. É o pior início do time na era dos pontos corridos, iniciada em 2003.

Gilete press. De Lauro Jardim, no Globo; “Vandenbergue Machado, lobista da CBF em Brasília há 19 anos, está deixando a entidade. Pediu demissão. Machado atuou como servidor do Senado por décadas e foi contratado por Ricardo Teixeira para cuidar dos interesses da CBF no centro do poder depois de uma indicação de Renan Calheiros. No mesmo movimento, a CBF fechou o seu escritório em Brasília, onde possuía oito funcionários.” Arroz queimado?

Tititi d’Aline. O Palmeiras está em maus lençóis: quer renovar o contrato do pitbull Felipe Melo, porém o jogador se esquiva do papo, empurra com a barriga. O volante argumenta que o acordo só terminará em dezembro. Não há pressa. Só que, a partir de julho, o xerife poderá assinar pré-contrato com outro time. Aos 35 anos, FM ganha R$ 350 mil por mês para a xepa, mais R$ 20 mil por jogo disputado. De luvas, papou R$ 8,4 milhões, distribuídos em parcelas trimestrais de R$ 700 mil cada.

Você sabia que… Goiás x Raposa, em 1979, entrou para a história com o maior número de expulsões no Brasileirão, chegando a 14?

Bola de ouro. Palmeiras. Manda prender e soltar no sub-20. Depois de faturar o Brasileirão, os moleques do Palestra faturaram a Copa do Brasil, vencendo a Raposa nos pênaltis, em BH. O clube também fez a festa no Paulistinha do ano passado. Ou seja, papou a tríplice coroa da categoria. De quebra, ganhou a Copa RS.

Bola de latão. Amarelinha desbotada. A comissão técnica do ‘professor’ Tite começou a fazer água. Depois de o coordenador Edu Gaspar ter anunciado que irá para o Arsenal após a Copa América, o auxiliar Sylvinho também decidiu trabalhar num time europeu, o Lyon. Tite vai apagar a luz após o torneio no Brasil?

Bola de lixo. Natação. Graças ao apoio da confederação de desportos aquáticos e do COB (caixinha, obrigado Brasil), a equipe brasileira de nado artístico recorreu à vaquinha virtual para comprar maiôs. Cada peça custa R$ 800. O time precisa de 20 para disputar o Mundial da Coreia do Sul e o Pan do Peru. Ao saber do SOS das meninas, o COB prometeu ir às compras.

Bola sete. “O Neymar não pode ser capitão depois do que aconteceu na França. Não pode. O Neymar não tem perfil para ser capitão da seleção brasileira” (de Galvão Bueno, no SporTV – há controvérsias).

Dúvida pertinente. Palmeiras: já pintou o campeão?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br 

Corinthians recua depois do fracasso de bilheteria contra Flamengo e diminui preço do ingresso

Corinthians x Flamengo Arão
Flamengo bate o Corinthians diante de apenas 30 mil torcedores

Depois da porta arrombada, coloca-se o cadeado da vergonha: o Corinthians reduzirá o preço dos ingressos para os jogos com Deportivo Lara, pela Sul-americana, e soberano São Paulo, pelo Brasileirão.

Os ‘jênios’ da cartolagem aumentaram os bilhetes em até 300% para alguns setores contra o Flamengo e quebraram a cara. Nada menos que 15 mil cadeiras ficaram vazias no Itaquerão, minha casa minha vida.

Mesmo assim, conseguiram fisgar muitos incautos. Ano passado, nas semifinais com o mesmo Flamengo, pela Copa do Brasil, 45 mil pintaram na casa corintiana, 15 mil a mais do que na última quarta.

A renda superou os R$ 3,6 milhões, contra R$ 2 milhões neste ano. Apesar das cadeiras vazias na derrota por 1 a 0 para o Rubro-negro, os cartolas não admitem erro no tamanho da facada. Apenas dois setores do estádio tiveram ingressos inferiores a R$ 100 (R$ 50 a R$ 60).

Para o embate com os venezuelanos, na próxima semana, a Fiel poderá adquirir entrada a partir de R$ 30. O mais caro custará R$ 350. No duelo com os säo-paulinos, os preços ficarão entre R$ 40 e R$ 400. A Fiel deu o troco na ganância da cartolagem.

XXXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. A gordura da família Bozo derreteu em menos de cinco meses.

Tico-tico sem fubá. Fortaleza e Furacão seguiram fielmente o script do excelente nível técnico das oitavas de final. Cearenses e paranaenses morreram abraçados no ‘oxo’, no Castelão. Um jogo paupérrimo em emoções. O Athletico é favorito à vaga, já que decidirá a classificação em casa (5 de junho). A partida marcou a volta da venda de bebidas alcoólicas no estádio depois de 11 anos. Os quatro primeiros jogos das oitavas proporcionaram nada menos que… três gols em 360 minutos e uns quebrados. Ou um tento a cada 120 minutos. Pobre torcedor brasileiro!

Desafio tricolor. O soberano São Paulo acordará mais cedo neste fim de semana para correr atrás da bola. A equipe receberá o Bahêa, às 11 horas, no Morumbi. Que nesta temporada não anda fazendo muita diferença, apesar do apoio da torcida. O Tricolor é o pior mandante do campeonato. Em jogos oficiais, o time conquistou apenas 50% dos pontos que disputou em casa. Obteve quatro vitórias, seis empates e duas derrotas em 12 embates. O Peixe, dono do melhor retrospecto como mandante, conquistou 88,1% dos pontos. No meio da próxima semana, o São Paulo voltará a abrir as portas para a equipe baiana, desta vez pelas oitavas da Copa do Brasil.

Zé Corneta. Sornoza, mais sumido que fantasma no meio de campo do Corinthians. Já passou da hora de curtir um banco.

Matador sem bala. Cantado em prosa e verso quando aterrissou no Corinthians, o hermano Mauro Boselli deve voltar a esquentar o bumbum no banco de reservas. Titular em cinco dos últimos seis jogos, o matador argentino conseguiu a proeza de chutar apenas três vezes ao gol adversário. Mandou uma bola para fora, marcou contra a Chape e parou nas luvas do gremista Paulo Victor. Ótimo custo/benefício para quem fatura R$ 500 mil por mês.

Sugismundo Freud. Tem pinguim de geladeira pedindo cobertor.

Toma lá, dá cá. Autoridades americanas aplicaram multa de US$ 4,1 milhões (R$ 16 milhões, na cotação atual) sobre a Telefônica Brasil por ter usado ingressos da Copa de 2014 para agradar e influenciar deputados, fiscais e autoridades brasileiras que pudessem “abrir portas” no país para a operadora. A informação é do jornalista Jamil Chade, do Uol. A empresa vai pagar o dindim do golpe à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos. A paulada foi anunciada no último dia 13. A Telefônica Brasil decidiu pagar a multa “para encerrar o assunto”. Pelo menos 93 nobres parlamentares e integrantes do governo foram agraciados pela dona da Vivo.

Caiu na rede (‘Olé do Brasil’). Ajax justifica eliminação na Champions: ‘Os jogadores não superaram a perda da Flórida Cup para o Flamengo’.

Joia rara. A empresa Mongrip transformou um dos pneus usados por Ayrton Senna no GP de Donington Park, em 1993, em pulseiras. A produção será limitada a 161 peças, número de largadas do tricampeão mundial de Fórmula 1. Com detalhes em ouro 18k, as pulseiras devem ser lançadas em junho.

Gilete press. De Renata Ruel, ex-assopradora de latinha e nova comentarista de videoteipe da ESPN Brasil: “A minha expectativa é trazer o que a regra do jogo diz com a vivência do campo, demonstrando a realidade da arbitragem que vai além do livro de regras. Por trás de todo erro, há um porquê e um motivo. Quero trazer a realidade da vida do árbitro para o público que acompanha o futebol.” A conferir.

Tititi d’Aline. Goleira da seleção de handebol, Mayssa Pessoa aproveitou a decisão da Champions League do esporte, em Budapeste, para pedir em casamento a holandesa Nikita Ramona. A brasileira ajoelhou na quadra e colocou um anel, feito em ouro branco e cravejado por diamantes, na mão da namorada. Mayssa conheceu Nikita em 2012. A festa só não foi completa porque o Rostov-Don, time russo defendido pela goleira, perdeu o caneco para o húngaro Györ.

Você sabia que… um estudo da consultoria britânica Brand Finance apontou o Real Madrid como a marca mais valiosa do futebol mundial, atingindo 1,65 bilhão de euros (R$ 7,5 bilhões), desbancando o Manchester United?

‘Bola de ouro’. Vadão. Ao anunciar a convocação da seleção feminina para o Mundial da França, em junho, o treinador analisou a Jamaica, um dos adversários do Brasil, como uma equipe que ‘não foge da característica do futebol africano’. O time da América Central agradece a lembrança. Pelo jeito, as nove derrotas seguidas da seleção abalaram o ‘professor’.

Bola de latão. Angelo Araos. Contratado por R$ 20 milhões, o chileno de 22 anos deve limpar o armário no Corinthians e ser emprestado ‘para ganhar rodagem’. O meio-campista defendeu a Fiel em 21 jogos e não festejou nenhum gol. Araos deseja voltar ao Chile, mas o Corinthians pretende cedê-lo a um time brasileiro.

Bola de lixo. Conmebol. A nobre e incompetente confederação simplesmente deu um bico nos títulos mundiais do soberano São Paulo, conquistados em 1992/93, ao apresentar o Morumbi como uma das sedes da Copa América. O estádio tricolor abrigará o jogo de abertura. Só corrigiu o erro após ser alertada pela mídia.

Bola sete. “O Diniz é f@#$! Que aula de futebol” (do atacante Richarlison, do Everton, após assistir o empate do Fluminense com o Botafogo – é veto).

Dúvida pertinente. O Corinthians já dançou na Copa do Brasil?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br