Trio de Ferro paulista é abençoado pelo ‘Brasileiro Tour’ no sobe e desce dos aviões

Resultado de imagem para congestionamentos de aviões fotos e charges

O Brasileirão é mesmo um campeonato sui generis. Também proporciona a jogadores e ‘professores’ ótimos momentos fora das quatro linhas. Um deles: viajar. O Sport Recife, por exemplo, percorrerá nada menos que 75.850 quilômetros ao longo da maratona do Circo Brasileiro de Futebol.

Nenhum clube poderá saborear tanto cafezinho em aeroporto ou os deliciosos salgadinhos servidos nos aviões, já que as viagens de ônibus serão reduzidas.

Corinthians, Palmeiras e soberano São Paulo são as equipes que menos arrumarão as malas (média de 22.900 quilômetros) ao longo da maratona, de acordo com levantamento de ‘Placar/Veja’. Que traçou uma linha reta entre as cidades para calcular as distâncias de ida e volta.

Dos paulistas, quem mais curtirá os agradáveis momentos de ‘senhores passageiros… ‘ será o Peixe. Boa viagem:

Corinthians, Palmeiras e Tricolor (cidade de São Paulo) – 22.347,8 quilômetros
Ponte (Campinas) – 22.841,6 quilômetros
Peixe (Santos) – 22.905,8 quilômetros
Bota, Fla, Flu e Vasco (Rio) – 24.142 quilômetros
Galo e Raposa (Belo Horizonte) – 26.460 quilômetros
Furacão e Coxa Curitiba) – 28.556 quilômetros
Avaí (Florianópolis) – 32.906 quilômetros
Atlético-GO (Goiânia) – 38.666 quilômetros
Chape (Chapecó) – 40.208 quilômetros
Grêmio (Porto Alegre) – 44.878 quilômetros
Bahia e Vitória (Salvador) – 51.928 quilômetros
Sport (Recife) – 75.850 quilômetros

                                                    ############

Pitaco do Chucky. Economia brasileira melhora na UTI. Último suspiro?

Bicada do Galo. Poucos jogadores defendem tanto a valorização da base do Flamengo como Zico. Sempre que a corda aperta pelos lados do Urubu, o maior xodó da torcida rubro-negra sugere a procura de soluções na garotada. Por isso, pode falar com propriedade a respeito da venda de Vinicius Jr., 16 anos, a maior revelação do Flamengo nos últimos tempos, ao Real Madrid. Zico, de bate-pronto: “Não dava para recusar 45 milhões de euros (R$ 165 milhões). É muito dinheiro.” Justifica: o moleque é muito bom, tem realmente aquele algo mais, é diferenciado, porém ninguém pode garantir que será um craque. Ou seja, vale mais um cão vivo do que um leão morto.

Zé Corneta. Flamengo, muito baticundum e pouco samba na chuteira até agora.

Bicada do Galo 2. Descontados impostos e comissões, o Flamengo ficará com aproximadamente R$ 100 milhões. Desse montante, o Rubro-Negro receberá 2/3 (R$ 66 milhões) agora. O restante será parcelado até o atacante se apresentar na Espanha. Zico adverte: como Vinícius Jr. só poderá deixar o clube em julho de 2018, quando completará 18 anos, o Urubu terá de blindar o garoto, tomar muito cuidado ao aproveitá-lo no time principal. Não pode achar que resolverá tudo: “Não se deve esquecer que ainda é um menino.”

Sugismundo Freud. As palavras, como as abelhas, têm mel e ferrão.

Zapping. O duelo entre Dragão e São Jorge, com a vitória do Corinthians sobre o Atlético/GO, cravou 22 pontos no ibope da plim-plim na grande Pauliceia esfacelada pela bandidagem. Há uma semana, Vitória x Corinthians obteve 23. Já o GP de Mônaco de Fórmula 1 amealhou 10 pontos, enquanto as 500 Milhas de Indianápolis conseguiram 2 na Band. No sábado, na RedeTV, o primeiro confronto das finais do NBB (Paulistano 82 x 78 Bauru) rendeu 0,5. E o embate Paysandu x Saci colorado, pela Série B, apenas 1,1. Cada ponto em São Paulo representa 70,5 mil domicílios sintonizados.

Caiu na rede (corintiana). Se o Palmeiras jogar contra uma seleção de cachorros, vou pra arquibancada latir.

Mata-leão. A caminho da última luta no UFC, contra o americano Nate Marquardt, em 3 junho, no Rio, o brasileiro Vitor Belfort já começou a rasgar a maior seda para o mundo encantado do octógono. Depois de viver muitos anos trocando gentilezas animalescas, Belfort afirmou que deixará o UFC, mas seguirá competindo, porque “a luta é a minha paixão, pena que o MMA ainda não virou um esporte sério; quem sabe ajudo a mudar esse quadro.” Belfort, 40 anos, garantiu ainda, em entrevista a ‘Veja’, que o UFC virou show: “Hoje, um lutador é mais artista do que atleta. Dá tristeza ver lutadores novos querendo dirigir o carro do momento ou ganhar os holofotes como o Conor McGregor. A referência deles é ter, e não ser.” Ou seja, o velho vale tudo com grife.

Dona Fifi. O capitão gancho Eu-rico Miranda é fogo no quepe do general da banda: barrou a entrada de Otto Carvalho, presidente do Conselho Fiscal da nau vascaína, na tribuna de honra do porto de São Januário. Motivo: ousou lançar candidatura à presidência do clube.

‘Pojeto’ Sport. Torcida do Leão pernambucano respirava aliviada porque o Sport havia desistido da contratação do ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo, mas voltou a ficar com um elefante atrás da orelha. O ‘mestre dos mestres’ entrou novamente em contato com o clube, garantiu ter um ‘pojeto’ especial para colocá-lo na briga por títulos e fechou contrato. Luxemburgo estava na fila do desemprego desde junho de 2016, quando foi demitido pelo Tianjian Quanjian, então na segunda divisão da China. Com quatro pontos em três jogos, o Sport está na 12ª colocação do Brasileirão.

Lance livre. O Carlos Barbosa bateu o Cerro Porteño por 2 a 1, em Lima, e sagrou-se tetracampeão da Libertadores de futsal. O time gaúcho também fez a festa em 2002/03/11. A estrela da partida foi Julio Zanotto.

Gilete press. De Sérgio Rangel, na ‘Folha’: “Pelé será o comentarista dos dois amistosos do Brasil [Argentina e Austrália, em Melbourne]. A contratação do ex-jogador faz parte do ousado projeto da CBF de produzir e transmitir as partidas da seleção a partir de agora. A TV Brasil vai exibir os amistosos. A CBF comprou o horário na emissora estatal. Os valores não foram divulgados. Os jogos vão começar às 7h (de Brasília). Até o ano passado, a Rede Globo transmitia com exclusividade os amistosos da seleção. Até agora, a CBF não fechou contrato com a emissora carioca. Executivos envolvidos na negociação não acreditam que a Globo chegará a um acordo com a entidade.” Plim-plim.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’ 

Tititi d’Aline. Com Neymar de manequim, o Barcelona apresentou o enxoval para 2017/18. A principal novidade é a mudança do patrocinador. Saiu a Qatar Arways e entrou a Rakuten. O time catalão embolsará 55 milhões de euros (R$ 200 milhões) por temporada, mais bônus de 1,5 milhão euros (R$ 3,6 milhões) pelo título do Campeonato Espanhol e 5 milhões de euros (R$ 18,2 milhões) pela Champions. O Palmeiras, que é o rei da cocada no futebol brasileiro, fatura R$ 72 milhões por ano com a Crefisa.

Você sabia que… as três partidas do Brasileirão disputadas no sábado, às 16 horas, proporcionaram a média de 22.526 pagantes por jogo?

Bola de ouro. Maxwell. Aos 35 anos, o lateral brasileiro despediu-se do PSG com a conquista da Copa da França, 35º torneio que levantou ao longo da carreira. É o atleta mais vitorioso em atividade. Superou Daniel Alves (34 taças). Ryan Giggs encerrou a carreira com o mesmo número de canecos que Maxwell. Os jogadores com mais títulos na atualidade: Maxwell – 35; Daniel Alves – 34; Iniesta e Ibrahimovic – 33 (incluindo dois do Italiano pela Juventus posteriormente suspensos para Ibra); Piqué e Xavi – 31; Messi – 30.

Bola de latão. CBF. Disposto a incrementar a alegria nos gramados, o Circo Brasileiro de Futebol mandou os assopradores de latinha aplicarem cartão amarelo ao reserva que invadir o campo para comemorar um gol. As primeiras punições saíram na terceira rodada: Sidão (São Paulo), Hudson (Raposa) e Thallyson (Sport). Ainda vai chegar o dia em que proibirão a marcação do gol.

Bola de lixo. Saci colorado. Até pouco tempo atrás um exemplo de clube profissional, entrou em parafuso e corre atrás do sexto ‘professor’ nos últimos 10 meses (Guto Ferreira deve assumir). A roda viva: Argel Fucks, Paulo Roberto Falcão, Celso Roth, Lisca e Antonio Carlos Zago. Qualquer semelhança com o troca-troca de ministros do governo Temer não é mera coincidência. É absoluta incompetência mesmo.

Bola sete. “Pelo elenco que tem, o Timão não deve ir muito longe. Por isso, já estou me adiantando e dizendo que o Corinthians é o grande favorito ao troféu ‘Cavalo Paraguaio-2017’. Podem anotar e me cobrar!” (de Milton Neves, no ‘Uol’ – pitonisa?).

Dúvida pertinente. Quem troca mais, a Gretchen de marido ou o Saci colorado de ‘professor’?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

 

Anúncios

São Jorge mata o Dragão no Serra Dourada; Raposa devora o Peixe no aquário da Vila

Rodriguinho garantiu a vitória do Corinthians em Goiânia: nove gols na temporada

De grão em grão, o Corinthians enche o papo. E vai colecionando pontos importantes com irritantes apresentações pragmáticas. Mesmo encarando um dos piores times do Brasileirão, o saco de pancadas Atlético/GO, a equipe colecionou mais uma ‘goleada’ por 1 a 0, gol de Rodriguinho, no Serra Dourada (13.712 pagantes/R$ 608.820).

São Jorge matou o Dragão: segunda vitória consecutiva do time no Brasileirão, os seis pontos ambicionados pelo ‘professor’ Fabio Carille depois do modorrento empate com a Chape na estreia. O Corinthians acumula sete pontos ganhos após três rodadas e está na liderança do campeonato. Já a equipe goiana sofreu a terceira paulada seguida. É séria candidata ao inferno da segunda divisão em 2018.

Após início equilibrado, o Corinthians tomou conta da partida, com Guilherme Arana e Romero levando muito perigo pela esquerda. Aos 13, o lateral deixou Jô na cara do gol, mas o centroavante abusou do preciosismo e permitiu a defesa do goleiro Felipe.

Aos 27 minutos, Arana voltou a fazer bela jogada e deixou Rodriguinho em ótima situação para abrir o placar. Sétima assistência do lateral na temporada e nono gol de Rodriguinho no ano.

Aos trancos e barrancos, e na esperança do rechonchudo Walter criar alguma coisa de útil, o Atlético tentou, inutilmente, chegar ao empate. O Corinthians, por sua vez, procurou tocar a bola a fim de pegar o adversário de calça curta, no contra-ataque. Não conseguiu.

O Corinthians retornou para o segundo tempo com duas linhas de quatro e a dupla Rodriguinho/Jô no ataque. Como sempre quando está em vantagem, a equipe paulista tratou de cozinhar o galo, já que o Atlético pouco incomodava. Aos 35, São Jorge poderia ter matado o Dragão. Jô deixou o estreante Cleyson, que havia entrado no lugar de Jadson, sozinho na frente do gol, mas o atacante permitiu a defesa de Felipe.

Na sequência, o ‘professor’ Fabio Carille sacou Jô e Romero, e colocou Kazim e Clayton, respectivamente. As mudanças, porém, nada acrescentaram. Tanto o ‘gringo da favela’ quanto Clayton mostraram, mais uma vez, que são opções muito fracas no banco. A opção mais correta seria Marquinhos Gabriel.

Deitado na vantagem, o Corinthians viveu momento complicado na bacia das almas. E foi salvo pelo gigante Cássio, que fez excelente defesa numa cabeçada de Junior Viçosa. Triunfo garantido, sem brilho. Mas com direito à liderança.

No aquário da Vila Belmiro (7.025 torcedores/R$ 198.775), a Raposa engoliu o Peixe. Thiago Neves marcou o único gol da partida e acabou com uma série de seis vitórias consecutivas do Santos como mandante. Os mineiros chegaram a sete pontos ganhos e estão empatados em quase todos os critérios com o Corinthians, que leva a melhor por ter menos cartões amarelos.

O time santista decepcionou. Criou apenas uma chance no primeiro tempo. Bruno Henrique arrematou e o goleiro Fábio salvou os mineiros. No segundo tempo, o ‘professor’ Mano Menezes trocou Arrascaeta por Thiago Neves e, depois, Hudson por Ábila. Já o Peixe teve de substituir o lesionado Zeca e improvisar Copete na lateral esquerda. Também mudou Vladimir Hernández por Jean Motta.

Aos 37 minutos, Ariel Cabral lançou Ábila, que foi à linha de fundo e rolou para Thiago Neves estufar a rede de Vanderlei. Vitória garantida. Com três pontos, o Peixe tentará a reabilitação contra o Corinthians, no próximo fim de semana, no Itaquerão, minha casa minha vida.

Antes de a bola rolar, anjinhos organizados pelo diabo quebraram o pau nos arredores da Vila. A polícia precisou usar bombas de efeito moral e balas de borracha para controlar a situação. Segundo testemunhas, a briga começou quando santistas atiraram pedras nos ônibus de cruzeirenses que chegavam ao estádio. Ninguém se feriu.

                                                     ############

Pitaco do Chucky. Redes sociais: antro de estupradores da honra escondido no anonimato.

Prova dos nove. Mais um torpedo fulminante em direção daqueles que insistem em detratar o ludopédio nacional e elevar às alturas o bico quadrado dos europeus: até hoje adorado por torcedores e cartolas do soberano São Paulo, sempre esperançosos no retorno do atleta, o centroavante Jonathan Calleri foi dispensado pelo West Ham, da Inglaterra. Em 19 jogos, o hermano marcou apenas um gol, diante do Middlesbrough, em janeiro – no Tricolor, assinalou 16 em 31 jogos. Calleri foi contratado pelo time inglês em agosto de 2016. Tinha acordo até 31 de julho, mas o West Ham resolveu antecipar a rescisão por serviços não prestados. Os direitos econômicos de Calleri pertencem ao Deportivo Maldonado, time uruguaio comandado por empresários, que pagaram 12 milhões de euros para tirá-lo do Boca Juniors. O centroavante pretende arrumar uma boquinha em um clube espanhol.

Zé Corneta. Por que o Circo Brasileiro de Futebol insiste em ignorar a tungada do eterno rei da bola, Ricardo Teixeira, na amarelinha desbotada?

Tchau, bambino! Depois de 25 anos a serviço da Roma, o quarentão Francesco Totti despediu-se do esporte bretão na vitória sobre o Genoa por 3 a 2. Um craque que certamente jamais será esquecido não só pela torcida da Roma, mas também por aqueles que apreciam o esporte como espetáculo. Totti disputou 619 jogos do Campeonato Italiano. Defendeu a Roma desde 1992. Marcou 250 gols no torneio nacional, segunda maior marca da história do Calcio. Mesmo cobiçado por outros gigantes europeus, nunca admitiu deixar a Roma. Estreou contra o Brescia, em 1993. Viveu 8.827 dias com a camisa romana. De gandula da Roma chegou a capitão do time. Campeão mundial pela Azzurra em 2006.

Sugismundo Freud. Quem nunca cometeu um erro jamais fez uma descoberta.

Quitinete de marajá. A cartolagem brasileira é mesmo pródiga em locupletar-se. Um vulcão de ideias a serviço de sua majestade, o diabo que o parta. Que o diga o carismático Alaor Azevedo, mandachuva e raios da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa desde 1995. Preocupadíssimo em administrar às finanças da CBTM com mão de ferro enferrujada, o cartola alugou uma quitinete próxima ao Morumbi, entre setembro de 2016 e abril deste ano, por módicos R$ 9 mil pensais. Estaria tudo muito bem, tudo muito bom, se não fosse por um pequeno detalhe: usou verba pública. E, sabiamente, lançou a despesa em prestações de contas para o Comitê Paraolímpico Brasileiro. A quitinete fica num prédio (Riverside) meia boca, com spa, academia de ginástica, cinema, danceteria, piscina de adulto coberta e descoberta, centro comercial, espaço gourmet, praça, sala de leitura, salão de festas, salão de jogos e brinquedoteca.

Caiu na rede. Menu do salão de festas do Morumbi: porco assado no Pratto, com direito a bombom Sonho de Valsa na sobremesa.

Quitinete de marajá 2. Cada apartamento possui quatro vagas na garagem. As áreas para o bem-bom (verde e lazer) ultrapassam quatro mil metros quadrados. Alaor justificou o aluguel do imóvel: seria utilizado por atletas, treinadores e cartolas quando estivessem na capital paulista. Ninguém, porém, deu as caras na quitinete, além dele e da mulher, de acordo com Carol Knoploch, do ‘Globo’, Detalhe: Alaor mora no Rio. O CPB garantiu estar fazendo um pente-fino nas contas da CBTM. Se for comprovado que o convênio proposto por Alaor ficou apenas no blá-blá-blá, exigirá o dinheiro de volta, com correção. Em janeiro, ele foi reeleito até dezembro de 2020. Ou seja, completará somente 25 anos no trono. Alaor prometeu devolver o dinheiro se for preciso. Cara de pau!

Dona Fifi. Antônio Carlos Zago, 48 anos, na casamata do Saci colorado: 14 vitórias, 10 empates, seis derrotas, 47 gols a favor, 27 contra, 57,77% de aproveitamento e 10º lugar na Série B do Brasileiro. Porta escancarada para o desemprego. Bye-bye! Não deixará saudade.

Zapping. A ‘Fox Sports’ investiu pesado na final da Liga Europa, mandando uma equipe completa para Estcolmo, mas perdeu o duelo para a ‘ESPN Brasil’. Mais competente na transmissão, a ‘ESPN Brasil’ obteve 1,04 no ibope, contra 0,93 da ‘Fox’, e liderou a audiência da TV fechada durante o embate Manchester United x Ajax.

Patolino na geral. Exigência de título, o maior perigo para o Palmeiras. Mesmo com elenco respeitável, corre risco de tropeçar na cobrança de torcedores e cartolas.

Luto. O ex-jogador Gilson Gênio, 59 anos, morreu no Rio. O ponta-esquerda da Máquina Tricolor lutava contra um câncer colorretal desde 2014. Ídolo do Fluminense na década de 70, ele se tornou treinador depois de encerrar a carreira e também atuou como pastor da Igreja Assembleia de Deus.

Gilete press. De Pedro Carvalho, em ‘Veja’: “A Federação Paulista de Futebol anunciou a criação, na última quarta-feira, do Departamento de Governança e Compliance. À frente do novo departamento estará o empresário Salim Haddad Neto, diretor-presidente do shopping Ibirapuera e nomeado vice-presidente da FPF. O departamento tem o objetivo de controlar e garantir o cumprimento de leis e regulamentos internos e externos, além de aumentar, de alguma forma, a transparência da entidade. Também integrará o departamento Edman Altheman, consultor, membro do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa e diretor da Faculdade Rio Branco. Ele implementou sistemas do tipo na Polícia Civil de SP, Aliança Francesa e no Grupo Carvalho.” Em nome da transparência, quanto irão ganhar?

Tititi d’Aline. Revelação vascaína, o volante Douglas saboreia o sucesso na caderneta de poupança. Ano passado, ao ser guindado para o profissional, beliscava uma ajuda de custo de R$ 2 mil. Depois de firmar-se no elenco, passou a ganhar R$ 50 mil. Agora, como entrou na alça de mira de clubes europeus, Douglas deverá receber um reajuste, com o salário atingindo R$ 80 mil. Isso proporcionará ao Vasco elevar a multa rescisória do atleta.

Você sabia que… a folha de pagamento do Palmeiras, a mais alta do ludopédio nacional, gira em torno de R$ 15 milhões?

Bola de ouro. Lucas Pratto. O ‘Urso’ argentino está barbarizando no ataque do soberano Tricolor. Soma nove gols na temporada. E mais: quando preciso, também volta para buscar a bola e preparar as jogadas, já que o peruano Cueva, responsável pela armação, anda mal técnica e fisicamente.

Bola de latão. Galo. Pelo jeito, o Horto deixou de ser uma das armas da equipe mineira. Faturou um ponto em dois jogos consecutivos no Independência. Perdeu do Fluminense (2 a 1) e empatou com a Ponte (2 a 2). Apontado como um dos favoritos ao título, o Galo ainda não venceu no Brasileirão (1 a 1 com o Flamengo na estreia).

Bola de lixo. Vitória. Em apenas três jogos pelo Brasileirão, o time baiano já mostrou que precisa melhorar muito para evitar o rebaixamento. Ganhou um ponto em nove disputados. E não marcou nenhum gol. Incluindo o Baianinho e a Copa do Nordeste, o Vitória completou seis jogos sem vencer. Mais: em 630 minutos, festejou um mísero gol – Armero, contra, no 1 a 1 com o Bahêa, pelo estadual.

Bola sete. “Errei em dois lances completamente defensáveis. Se eu não reconhecer isso, vou depor contra mim mesmo. Duas bolas que eu poderia ter defendido. Tenho quase 230 jogos pelo Palmeiras. É óbvio que o trabalho é para não errar ou errar pouco. Todo goleiro está sujeito a isso, mas claro que fico triste e frustrado” (do goleiro Fernando Prass, assumindo a culpa pela derrota do Palmeiras no Choque-Rei – ainda tem muito crédito nas luvas).

Dúvida pertinente. Milionário Palmeiras: falso brilhante?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Soberano São Paulo coloca Palmeiras para dançar a valsa de 15 anos no Morumbi

Lucas Pratto marcou o primeiro gol do Tricolor no Choque-Rei

O soberano Tricolor venceu o Palmeiras por 2 a 0, com eficiente colaboração do goleiro Fernando Prass, e manteve o tabu. Há 15 anos, não perde para o Palestra no Morumbi. Em 24 duelos, ganhou 15 e empatou nove.

O último triunfo palmeirense aconteceu em 20 de março de 2002 – 4 a 2, com Alex marcando um gol de placa, após chapéu no então goleiro Rogério Ceni. Que agora, como ‘professor’, acumula duas vitórias, dois empates e três derrotas em clássicos.

Os são-paulinos (33.288 pagantes/R$ 850.581) vibraram muito com o resultado, já que o time tricolor era apontado como presa fácil do milionário Palmeiras. Que acabou dançando a valsa dos 15 anos, com direito até a ‘olé’ nos últimos minutos.

O primeiro tempo do Choque-Rei foi de doer. A torcida poderia reclamar ao Procon que havia sido ludibriada com muitas promessas não cumpridas. Ninguém arriscou nada. Enfim, um ‘oxo’ mais chato que chinelo de gordo. Um dos raríssimos destaques da primeira etapa foi o garoto Luiz Araújo, que levou na conversa várias vezes o zagueiro palmeirense Mina.

O segundo tempo também começou em banho-maria, com pouca ousadia das equipes, até o goleiro Fernando Prass dar uma força para o jogo deixar o marasmo em que se encontrava. Aos 17 minutos, Marcinho desceu pela direita e passou para Lucas Pratto, que bateu no canto esquerdo e correu para o abraço, após o goleiro palmeirense falhar no lance. Nono gol do gringo na temporada.

Cinco minutos depois, o Palestra poderia ter empatado. Jucilei derrubou Jean na área. Pênalti. O próprio Jean cobrou e desperdiçou. Antes, Keno havia entrado no lugar de Guerra. Aos 23, Cueva, mais uma vez mal, foi substituído por Thomaz. Sentindo que a vaca estava indo para o brejo, mestre Cuca sacou Felipe Melo e colocou Borja. Também trocou Willian por Róger Guedes.

Não adiantou. Aos 38, Luiz Araújo fechou o caixão dos periquitos em revista. Lucas Pratto avançou e serviu o moleque, que bateu rasteiro. A bola passou por baixo de Prass: 2 a 0. Na sequência, nova troca tricolor: Lucas Pratto (muito aplaudido) por Éder Militão. E, aos 42, Luiz Araújo por Chavez. Daí para frente, só alegria no salão de festas do Morumbi.

A terceira rodada começou com a nau vascaína torpedeando o Fluminense 100% no porto de São Januário: 3 a 2. O clássico foi emocionante, com direito a duas viradas, levando a torcida à loucura (19.082 pagantes/R$ 700.560).

O Vasco saiu na frente com gol de Luis Fabiano, de cabeça, aos 25 minutos do primeiro tempo, após início de partida muito truncado. Na segunda etapa, o Tricolor das Laranjeiras deu o troco, com dois gols de Henrique Dourado, cobrando pênalti, aos 12 e 17.

Os vascaínos não jogaram a toalha. O ‘professor’ Milton Mendes trocou Pikachu e Kelvin por Nenê e Manga Escobar, que passaram a atuar mais próximos de Fabigol. Deu certo.

Aos 29, Manga recebeu na esquerda, deixou a marcação na saudade e bateu no canto do goleiro Cavalieri. Na bacia das almas, mais precisamente aos 47 minutos, Manga passou por Orejuela, a bola sobrou para Nenê, que garantiu os três pontos ao Vasco. O time vascaíno chegou ao estádio de táxi, porque o ônibus que levava a delegação quebrou em Jacarepaguá.

                                               ############

Pitaco do Chucky. Os irmãos açougueiros garantem: o crime compensa na ‘ilha da fantasia do mestre Tattoo’.

Barca rubro-negra. Não se trata de uma caça as bruxas por conta da vergonhosa eliminação da Libertadores, garante a cartolagem do Flamengo. Mas se aparecerem interessados nos gringos Donatti, Cuellar e Mancuello, o clube estenderá um tapete vermelho no ninho do Urubu para receber o coirmão e discutir o negócio. O ‘professor’ Zé Ricardo tem feito das tripas sem coração para armar o time sem eles. Donatti, Cuellar e Mancuello estão entre os jogadores mais caros do elenco, e o Flamengo ainda paga parcelas da contratação dos três. Também recebem um belo café no bule para a xepa. O meio-campista Macuello, por exemplo, fatura R$ 300 mil por mês. O zagueiro Donatti e o meia Cuellar embolsam, cada um, mais de R$ 230 mil.

Zé Corneta. Põe no DVD: Saci colorado leva bala do Paysandu (1 a 0) e ocupa orgulhosamente uma posição intermediária na tabela, com quatro pontos em nove possíveis. ‘Professor’ Zago balança mais que bumbum de passista na avenida.

Vale um bolinho? ‘Professor’ Zé Ricardo, um ano no comando do Urubu: 68 jogos, 39 vitórias, 18 empates e 11 derrotas. Muito cheirinho e poucas conquistas: campeão do Carioquinha de 2017, terceiro colocado no Brasileirão de 2016, eliminado da Sul-americana do ano passado pelo badaladíssimo chileno Palestino e fora da Libertadores desta temporada, um vexame.

Sugismundo Freud. A mais alta das torres começa no solo.

Futuro garantido. O atacante Taison já colhe frutos da convocação para defender a amarelinha desbotada nos amistosos contra Alemanha e Austrália, em junho, na terra do canguru: renovou contrato com o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por quatro anos. Desde 2013 no clube, o brasileiro defendeu a equipe em 165 partidas e marcou 29 gols. É considerado ‘inegociável’.

Zapping. O páreo é duro entre os programas esportivos da telinha, mas nenhum deles chuta mais que o pessoal da ‘Fox Sports’. É um tiroteio fantástico longe do alvo!

Caiu na rede. ‘Piririm, piririm, piririm… alguém ligou pra mim’ (Celso Roth, após derrota do Saci colorado para o Paysandu).

No garrafão. A espanholização do futebol chega ao basquete: pela terceira vez consecutiva, Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors decidirão o título da NBA. LeBron James x Stephen Curry, a versão garrafão de Messi x Cristiano Ronaldo. Na NBB, o Paulistano derrotou o Bauru por 82 a 78 e saiu na frente na série melhor de cinco que apontará o campeão.

Patolino na geral. E o Neilton, hein? O atacante, agora no Vitória, culpou o esquema tático do ‘professor’ Rogério Ceni por ter fracassado no soberano Tricolor. Alegou falta de ‘liberdade’ – novo sinônimo para incompetência técnica.

É campeão. Arsenal bate o Chelsea (2 a 1) e fatura pela 13ª vez a Copa da Inglaterra, o mais tradicional torneio do país – a era Arsène Wenger deve continua na casamata; Borussia Dortmund vence Eintracht Frankfurt por 2 a 1e levanta pela quarta vez a Copa da Alemanha – quebrou um jejum de quatro anos; PSG, com um gol contra irregular de Cissokho aos 46 do segundo tempo, derrota o Angers e conquista a centésima Copa da França – o time dos brasileiros Thiago Silva, Marquinhos, Maxwell e Lucas é o maior ganhador da competição, com 11 troféus.

Gilete press. Do fofo Ronaldo, ao programa ‘Aqui Benja’, da ‘Fox Sports’: “Gostaria de tirar foto com vários jogadores, mas o Zico, toda vez que encontro, é uma festa. Para mim é uma emoção, cresci vendo ele jogar. Quando eu era criança, meu pai me levou ao Maraca para ver um Flamengo x Vasco. Depois a gente foi até a porta do vestiário e vários jogadores negaram autógrafo, não por mal, mas a criança sente. Hoje eu entendo. O último que saiu foi o Zico, que atendeu todo mundo. Peguei autógrafo com ele, foto, foi o máximo, uma recordação incrível.” Galinho de ouro.

Rosamundo, o pensador. Quanto mais pobre é o circo, mais enfeitado é o palhaço.

Tititi d’Aline. A cartolagem do Peixe estava certíssima ao solicitar que a Ecovias não mudasse o esquema do Sistema Anchieta-Imigrantes na terça, a fim de não prejudicar a caravana de torcedores da capital que iria ao duelo contra o Sporting Cristal, pela Libertadores. A concessionária suspendeu o bloqueio da pista norte da Imigrantes, manteve a operação 5×5, e pimba na caxirola: nada menos que… 6.632 testemunhas (renda de R$ 234.160) compareceram ao aquário da Vila Belmiro.

Você sabia que… o Flamengo jogou 14 vezes na Arena da Baixada contra o Furacão, pelo Brasileirão, e continua ‘virgem’, acumulando três empates e 11 derrotas?

Bola de ouro. Neymar. Para felicidade da turma do contra, o atacante repetiu Puskas e tornou-se o primeiro jogador desde 1961/62 a marcar em três finais consecutivas da Copa do Rei. É verdade que estava em impedimento, mas o que fica para a história é a gorduchinha na rede. O Barcelona bateu o Alavés por 3 a 1e faturou o tri. Messi voltou a dar show, marcou o primeiro gol e deu assistência para Paco Alcácer assinalar o terceiro. O jogo marcou a despedida do ‘professor’ Luis Enrique após três anos no comando do Barça.

Bola de latão. Gabigol. O atacante é o magnânimo representante brasileiro na invejável seleção de reforços que mais decepcionaram na temporada. O esquadrão de pernas de pau, segundo o jornal espanhol ‘Mundo Deportivo’: Bravo (Manchester City), Aurier (PSG), Stones (Manchester City), Mustafi (Arsenal) e Lucas Digne (Barça); Krychowiak (PSG), Renato Sanches (Bayern de Munique), Pogba (Manchester United) e Gaitán (Atlético de Madrid); Jesé Rodríguez (Las Palmas) e Gabigol (Inter de Milão).

Bola de lixo. Goiás. Um exemplo de clube profissional: demitiu o ‘professor’ Sérgio Soares depois de uma incrível maratona de… quatro jogos. Em 19 dias de trabalho, ele obteve dois empates e duas derrotas na Série B do Brasileiro, com 16,6% de aproveitamento. Soares substituiu Silvio Criciúma, que levou o time ao tri do Goianinho.

Bola sete. “Por que a Justiça brasileira está surda diante das ações em curso nos Estados Unidos, Suíça, França e Espanha, se em todas elas há cartolas brasileiros envolvidos?” (de Juca Kfouri, na ‘Folha’ – lamentável).

Dúvida pertinente. Ricardo Teixeira vai desfilar belo e formoso pelo Rio até quando?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Psirico embala a festa do tricampeonato do Bahêa na ‘Lampions League’

Resultado de imagem para PSIRICO NA FESTA DO BAHIA
Jogadores do Bahêa dançam após a conquista da Copa do Nordeste 

Depois de 15 anos, o Bahêa voltou a soltar o grito de campeão da Copa do Nordeste, batizada carinhosamente de ‘Lampions League’, ou seja, a Champions tupiniquim, com direito até a uma réplica da ‘Orelhuda’, a taça da liga europeia.

Ao bater o Sport por 1 a 0, o time baiano fechou a disputa com o melhor aproveitamento entre os reis da cocada desde 2001, ano em que a equipe faturou o caneco pela primeira vez (é tri).

A volta olímpica aconteceu após oito triunfos (seis em casa), três empates como visitante e uma derrota longe da torcida, além de 23 gols a favor (melhor ataque) e cinco contra. Aproveitamento de 75%, o quarto maior desempenho da história da competição, de acordo com o site ‘Sr.goool’. O Bahêa já garantiu uma vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil de 2018.

A Bahia, agora, acumula sete títulos. Pernambuco está na vice-liderança, com quatro. Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba têm um. No ranking de clubes, o Bahêa igualou o Sport com três taças cada. A liderança é do Vitória, com quatro. América de Natal, Campinense, Ceará e Santa Cruz festejaram uma.

O duelo final na Fonte Nova atraiu 40.738 pagantes, com renda de R$ 1.620.453,50. A banda Psirico foi escolhida para cantar o hino nacional antes da partida, em ritmo de axé. Após o título, os campeões subiram ao palco e dançaram com o conjunto. O lateral colombiano Pablo Armero, conhecido por suas habilidades como dançarino, foi um show à parte.

A média de público da Copa foi de 5.963 torcedores por confronto. Em 74 jogos, foram marcados 183 gols (média de 2,47 por partida). Aconteceram 42 triunfos dos mandantes, 17 dos visitantes e 15 empates. A renda bruta do torneio atingiu R$ 8.369.146 (R$ 113.096 por embate). Com 11 vezes, o 1 a 0 foi o resultado que mais imperou.

‘Mais um, mais um Bahia/Mais um mais um título de glória/Mais um, mais um Bahia/É assim que se resume a sua história’ – dá-lhe, Bahêa!

                                                       ############

Pitaco do Chucky. Carne Fraca, com os irmãos açougueiros: um osso duro de roer. Sai da rede, Brasil!

Recado do M1to. A torcida do soberano Tricolor pode se preparar para viver grandes emoções no clássico com o Palmeiras, neste sábado (19 horas), no Morumbi. Que o diga o ‘professor’ Rogério Ceni: “Uma vitória contra um time com tanto dinheiro, novas opções e novo treinador seria fundamental. Mesmo sem o poder de contratação do Palmeiras, será um bom jogo, pegado.” Para um bom entendedor, um pingo basta: Ceni jogou o favoritismo do Choque Rei aos periquitos em revista, apesar de cada time acumular três pontos no Brasileirão – um triunfo e um empate. O treinador são-paulino sabe que a galera exige a vitória, o troco da derrota por 3 a 0 no Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. Depois de lembrar que não trabalha apenas como treinador do São Paulo, mas como “um cara apaixonado” pelo clube, Ceni afirmou esperar que o torcedor compreenda a diferença financeira que separa os clubes, o poder de investimento. Prometeu compensar a desigualdade de café no bule com “muita alma e coração”.

Zé Corneta. Se não tem tu, vai tu mesmo: apesar das fracas exibições do lateral-esquerdo Moisés em vários jogos, o Corinthians decidiu premiá-lo com a renovação de contrato até dezembro de 2019. O futebol é uma mãe.

Recado do M1to 2. Mais aliviado depois da sofrida vitória sobre o Avaí por 2 a 0, o M1to voltou a dar uma cutucada na mídia: deixará os números de lado, para o departamento de estatísticas do Tricolor, porque aprendeu no pouco tempo em que está no cargo que “o único número que interessa é o de gols”. Ceni foi muito criticado após vários jogos pela soberba nas entrevistas, ignorando o péssimo futebol do time, optando por enaltecer os números da equipe. “Eu não ligo para o que vocês falam, escrevem, a não ser que atinja a honra das pessoas”, disse no programa ‘Bem Amigos’, do ‘SporTV’. E lembrou: mesmo entre os jornalistas “há discussões, discordâncias, e a gente tem que saber conviver com a opinião”. É um pavão.

Sugismundo Freud. Aprender nunca é demais.

Zapping. A vitória do Palmeiras sobre o Atlético Tucumán por 3 a 1, pela Libertadores, rendeu bons frutos à plim-plim. O ibope na grande Pauliceia refém da cracolândia cravou 24 pontos. No domingo, Vitória x Corinthians, pelo Brasileirão, cravou 23. Na Cidade Maravilhosa das balas cada vez mais perdidas, Atlético/GO x Flamengo, pela Copa do Brasil, obteve 34 pontos, recorde do torneio neste ano e maior média desde agosto de 2015. Cada ponto em SP corresponde a 70,5 mil domicílios sintonizados; no RJ, 44 mil.

Caiu na rede. Escândalo das medalhas enferrujadas da Rio-16: entregaram as réplicas e roubaram as originais.

Velha Senhora ‘virgem’. Com 92,8% de aproveitamento como mandante, a Juventus foi a única equipe europeia que fechou a temporada sem derrota em casa. Campeã italiana e da Copa da Itália, além de finalista da Champions, acumulou 25 vitórias e três empates.

Dona Fifi. Tira, põe, deixa ficar: Barcelona investiu 122,5 milhões de euros (R$ 447 mi) em reforços e ficou chupando o dedo. Nem Champions nem Campeonato Espanhol. Trio MSN, o cavalo paraguaio da temporada.

Vassourada. O hermano Marcelo Bielsa é rápido no gatilho. Assumiu o comando do Lille na segunda e três dias depois operou uma faxina, dispensando 12 jogadores de um elenco com 29. O time francês investirá 40 milhões de euros (R$ 147 mi) em reforços. O Lille ficou em 11º no campeonato.

Gilete press. De Gian Amato, no ‘Globo’: “A Lagardère ainda não considera encerradas as tentativas de uma possível entrada no Rio. Em breve, uma reunião dos dirigentes da empresa francesa com o prefeito Marcelo Crivella deverá detalhar os planos para a Lagardère concorrer à administração do Parque Olímpico e de outros equipamentos municipais. Após desistir do Maracanã, a empresa voltou a flertar com locais dos Jogos. O Parque Olímpico vive um estado de quase abandono. A única empresa que se candidatou à licitação da prefeitura não apresentou credenciais adequadas. O Ministério do Esporte administra o local.” A conferir.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’ 

Tititi d’Aline. Ex-namorada do atacante Paolo Guerrero, a modelo peruana Alondra Garcia Miró curte love story com o cantor e ator Christian Meier, também peruano. Ele tem 46 anos, 21 a mais que Alondra. O relacionamento da modelo com Guerrero terminou em dezembro de 2016, após dois anos de união. A estrela do Flamengo afirmou que está solteiro e muito feliz, pensando apenas na conquista de títulos pelo time carioca. E desejou boa sorte a Alondra: “Foi uma bela namorada, incrível… O relacionamento terminou porque tinha que acontecer”, disse Guerrero no programa ‘Domingo al Dia’, da AmericaTV. A fila anda.

Você sabia que… o Palmeiras não vence o Choque Rei no Morumbi desde 2002?

Bola de ouro. Zé Roberto. Um exemplo de ‘vovô’ dentro e fora de campo. Aos 42 anos e 10 meses, o palmeirense entrou para a história como o jogador mais velho a marcar um gol na Libertadores e o segundo com mais idade a atuar no torneio. Corre muito mais que alguns garotos que se acham sem nunca terem sido um pingo de craque. Veste a camisa com raça e amor.

Bola de latão. Ney Franco. Depois de seis vitórias, quatro empates, sete derrotas e 45% de aproveitamento, o ‘professor’ foi convidado a um papo de despedida com o RH do Sport. Nos últimos 11 jogos, ganhou apenas um. Trabalhou menos de dois meses no Leão. Não deixará saudade.

Bola de lixo. Ricardo Teixeira. O eterno rei da bola e ex-chefão do Circo Brasileiro de Futebol está cada vez mais atolado no escândalo dos amistosos da amarelinha desbotada. A Procuradoria da Espanha garante que Teixeirinha desviou milhões em ‘organização criminosa transnacional’. Ele e o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell, que está preso, surrupiaram US$ 15 milhões (R$ 49 mi) com a venda dos direitos dos amistosos do Brasil.

Bola sete. “O meia Dátolo foi denunciado pelo MPF do Rio. O argentino foi autuado em flagrante, em setembro do ano passado, quando dois amigos tentavam deixar o país com R$ 125,6 mil. Se aceita a denúncia, o jogador será processado por evasão de divisas. A pena para o crime vai de 2 até 6 anos de prisão e multa. Dátolo confirmou à PF que o dinheiro era dele” (de Gabriela Moreira, no ‘ESPN’ – o caldo entornou).

Dúvida pertinente. Rogério Ceni, a versão com grife do rancoroso Dunga?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Palmeiras garante o primeiro lugar, mas precisa melhorar para encarar o mata-mata

Willian ajeita a bola e marca o segundo gol do Palmeiras

Ok, o importante era o Palmeiras vencer, garantir a vaga às oitavas de final e o primeiro lugar no grupo 5. Missão cumprida: 3 a 1 no aguerrido Atlético Tucumán e 13 pontos ganhos – quatro triunfos, um empate e uma derrota, 13 gols a favor e nove contra. De quebra, manteve o tabu de nunca ter perdido em casa para um time argentino na Libertadores. Desde 1961, acumula oito vitórias e três empates.

Mas também ficou claro que o Palmeiras tem que melhorar, e muito, para chegar ao ambicionado título continental. A equipe passou por maus momentos contra os hermanos e a torcida sofreu na mansão Allianz Parque (37.418 pagantes/renda de R$ 2.759.876,21) até os 46 minutos da etapa final, quando Zé Roberto assinalou o terceiro gol. O ‘vovô’, com 42 anos e 10 meses, se tornou o jogador mais velho a marcar um tento na Libertadores e o segundo com mais idade a atuar na competição. O zagueiro Mina foi a grande estrela palmeirense. Já Borja voltou a decepcionar.

No embalo de uma galera enlouquecida nas arquibancadas, o Palmeiras começou a partida em um ritmo alucinante. Toques rápidos e trocas constantes de posição deixaram os argentinos mais perdidos que azeitona em pão doce. Assustados com a agressividade dos palmeirenses, os hermanos praticamente não passaram do meio de campo.

Aos 15 minutos, a pressão dos periquitos em revista surtiu efeito: depois de jogada ensaiada pela direita, com a participação de Zé Roberto, Guerra e Roger Guedes, a bola sobrou livre para o zagueiro Mina só cutucar para o gol e dançar.

Aos poucos, o Palmeiras foi diminuindo o ritmo e mostrando várias falhas, principalmente na zaga, exceção de Mina, um gigante. O Atlético Tucumán cresceu e, aos 23, Barbosa ganhou de Zé Roberto na corrida e acertou a trave de Fernando Prass. Na sequência, Roger Guedes fez grande jogada, passou por dois marcadores, mas chutou para fora.

Aos 32, Alvarez aproveitou uma falha de Guerra, avançou e chutou forte. Prass defendeu parcialmente e Rodríguez perdeu a chance do empate na pequena área. Depois do susto, o Palmeiras tratou de segurar mais a bola e explorar os contra-ataques, sem sucesso.

O Palmeiras voltou para o segundo tempo meio desligado e acabou pagando caro pela displicência, aos 11 minutos: Prass falhou feio em um cruzamento e Rodríguez tocou para a rede. O empate animou os argentinos e abalou o time brasileiro. Tanto que mestre Cuca mexeu por atacado: saíram Borja e Roger Guedes, entraram Willian e Fabiano (o lateral Jean foi para o meio).

Mesmo jogando abaixo do que pode apresentar, o Palmeiras deixou a torcida mais aliviada aos 24: Willian recebeu na grande área e fez 2 a 1. Os hermanos partiram com tudo na tentativa de empatar novamente, abandonaram a defesa e deram trabalho, mas também proporcionaram boas oportunidades ao Palmeiras. Que fechou o caixão do Atlético Tucuman aos 46: Tchê Tchê desceu pela direita, cruzou e Zé Roberto acertou um petardo indefensável para o goleiro Lucchetti, que havia operado pelo menos dois milagres.

Classificação garantira para as oitavas de final e uma certeza: o Palmeiras precisa melhorar de rendimento, já que a próxima fase é matar ou morrer. Vacilou, cai fora. O sonho vira pesadelo.

                                                     ############

Sugismundo Freud. Brasil, república das bananas ou de bananas?

Dá-lhe, Bahêa. Demorou 15 anos, mas o grito de campeão finalmente saiu. O Bahêa derrotou o Sport por 1 a 0, gol de Edigar Junio, e conquistou a Copa do Nordeste. A última volta olímpica havia acontecido em 2002. A Fonte Nova recebeu 40.739 pagantes, com renda de R$ 1.620.453,50. Os campeões: Jean, Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Armero; Zé Rafael (Gustavo), Edson, Renê Júnior (Juninho) e Allione; Régis (Matheus Sales) e Edigar Junio. Técnico: Guto Ferreira. O ‘professor’ Ney Franco deve deixar o Sport, já que obteve apenas uma vitória em 11 jogos.

Joia da coroa. O moleque Vinicius Jr., 16 anos, só deve estrear no Real Madrid daqui a um ano ou dois (pode se apresentar apenas em julho de 2019), mas já cravou o nome no ranking dos jogadores mais caros da história do clube espanhol: 45 milhões de euros (R$ 165 milhões), mesmo café no bule investido na contratação do fofo Ronaldo, em 2002. A dança do dindim:

1° Gareth Bale – 101 milhões de euros
2º Cristiano Ronaldo – 94 milhões
3º James Rodríguez – 80 milhões
4º Zidane – 75,1 milhões
5º Figo – 71,6 milhões
6º Kaká – 65 milhões
7º Ronaldo – 45 milhões
Vinícius Jr. – 45 milhões
8º Illarramendi – 38,9 milhões
9º Robben – 36 milhões
10º Beckham – 35 milhões
Xavi Alonso – 35 milhões
Benzema – 35 milhões

Pitaco do Chucky. Brasil, ou carcará pega, mata e come: mensalão, petrolão, desemprego, licitação de cartas marcadas, fundos de pensão, delação, corrupção, degradação, carne fraca (menos para os açougueiros), Lava Jato… Liberdade abre as asas sobre nós…

Tchau, Saci! O Galo ganhou a corrida contra o Peixe e o soberano São Paulo e contratou o atacante Valdivia, 22 anos, do Saci colorado. Clube mineiro pagará R$ 2 milhões pelo empréstimo do atleta por um ano. Os direitos econômicos foram fixados em 15 milhões de euros (R$ 54,5 milhões). Valdivia pula da Série B para a elite do Brasileirão, com a R$ 250 mil por mês. Ele é o 42º jogador a deixar o time gaúcho desde 3 de janeiro.

Zé Corneta. Palmeiras despacha Barrios (Grêmio), Alecsandro (Coxa) e Rafael Marques (Raposa) e agora corre atrás de um atacante. Não precisa explicar, a nonna só queria entender.

Filial mineira. Depois de emprestar Gabriel Xavier, Bruno Ramires e Uillian Correia, a Raposa deve ceder mais um jogador ao Vitória: o atacante Neilton. Devolvido pelo soberano São Paulo por serviços não prestados, Neilton será contratado em definitivo pelo Leão baiano. Isso porque o Circo Brasileiro de Futebol só permite que um clube empreste a outro no máximo três atletas. O jogador defendeu o Tricolor em seis jogos do Paulistinha, dois da Copa do Brasil e um da Sul-Americana. Em 345 minutos, não marcou nenhum gol. Neilton foi trocado pelo volante Hudson até o fim deste ano.

Caiu na rede. Crédito negativado? Procure o Flamengo

Happy birthday. Atacante Bruno Paulo, um ano de Corinthians: muitas lesões e apenas 45 minutos em campo. Com contrato até julho de 2019, o ex-jogador do Audax está fora dos planos do ‘professor’ Fabio Carille. Clube topa emprestá-lo e até ajuda a pagar parte do salário do atleta.

Zapping. Mandachuvas da plim-plim estão preocupados com o crescimento dos ‘gatonets’ em tempos de crise.

Gilete press. De Fabio Suzuki, no ‘Lance’: “O Flamengo não crê que a eliminação da Libertadores irá afastar o torcedor dos jogos do clube e prega um aumento de 50% na receita de ano com o programa de sócios Nação Rubro-Negra. O orçamento aprovado pelo clube prevê uma verba de R$ 38,5 milhões, mas a diretoria já aponta um valor maior, superior a R$ 40 milhões.” Ano passado, a receita foi de R$ 26,5 milhões.

Patolino na geral. Incrível: as viúvas do zagueiro Lugano ainda apostam na eficiência do uruguaio, com o apoio de boa parte da mídia vermelha, branca e preta. Coração apaixonado.

Tititi d’Aline. A global Bruna Marquezine (foto) não perdeu tempo para revidar. Ao saber que o namorado, o craque Neymar, havia trocado e-mails com a modelo Kariny Rodriguês, capa da ‘Playboy’ de dezembro, a atriz publicou no Instagram uma foto de lingerie que enlouqueceu a turma do gargarejo.

Você sabia que… o Manchester United voltou a conquistar um título europeu após nove anos ao derrotar o Ajax, por 2 a 0, na final da Liga Europa?

Bola de ouro. Dorival Júnior. O ‘professor’ santista desceu a marreta no Circo Brasileiro de Futebol por abandonar os clubes à própria sorte na Libertadores. A desprezível Conmebol deita e rola, com punições absurdas aos times/jogadores do país, mas a casa maldita do ludopédio nacional está pouco se lixando. “Estamos totalmente desamparados e desprotegidos”, fuzilou Dorival Júnior.

Bola de latão. Chapecoense. O time catarinense vacilou, escalou irregularmente o zagueiro Luiz Otavio e perdeu os pontos da vitória sobre o Lanus. Acabou eliminado da Libertadores. Agora chora o leite derramado. Cartolagem incompetente.

Bola de lixo. Lionel Messi. A Suprema Corte da Espanha manteve a condenação do astro do Barcelona: 21 meses de prisão por fraude. Mas ele não deve ser preso, porque a lei espanhola prevê que condenados a menos de dois anos sem antecedentes criminais cumpram a sentença em liberdade condicional. O jogador, porém, terá de pagar uma multa de 2 milhões de euros. Seu pai, Jorge Messi, pegou 15 meses e será obrigado a desembolsar 1,5 milhão de euros.

Bola sete. “A vida nos permite corrigir injustiças, com a vinda do Eduardo, que brilhantemente classificou o Palmeiras na Libertadores. Ele vai dar continuidade aqui ” (de Paulo Autuori, agora supergerente do Furacão, após a contratação do ‘professor’ Eduardo Baptista e alfinetando o coirmão Palestra).

Dúvida pertinente. O Palmeiras merece uma estrela vermelha no enxoval como símbolo da conquista do Mundial de 1951?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

O maravilhoso dia em que os Irmãos Metralha viraram trombadinhas no futebol

Resultado de imagem para desenhos dos irmãos metralha

O esporte bretão viveu uma terça-feira esplendorosa. Um dia memorável, em que os Irmãos Metralha se transformaram em trombadinhas e/ou ladrões de galinha. A festa começou na capital da ‘ilha da fantasia do mestre Tattoo’. A Polícia Federal colocou em ação a Operação Panatenaico e prendeu os ex-governadores do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PT), além do ex-vice governador Tadeu Filippelli, também assessor especial do presidente Michel Temer (que maravilha!).

O juiz da 10ª Vara Federal de Brasília determinou que R$ 26 milhões em bens dos três samaritanos personagens fossem bloqueados, sendo R$ 6 milhões de Filippelli e R$ 10 milhões de cada ex-governador. Foi determinado ainda o bloqueio de bens de mais sete pessoas, totalizando mais R$ 29 milhões, mais R$ 100 milhões da Via Engenharia.

A PF foi acionada para cumprir 15 mandados de busca e apreensão, 10 de prisão temporária e três conduções coercitivas. O pulo do gato saiu de uma delação premiada da Andrade Gutierrez: esquema de corrupção nas obras do estádio Mané Garrincha, uma das pérolas da ‘Copa das Copas’.

O superfaturamento na construção beirou R$ 900 milhões. O custo previsto era de R$ 600 milhões. Noves fora: o templo saiu por R$ 1,5 bilhão, o mais caro da grande festa da mamãe Fifa, bancada com o seu, o meu, o nosso rico dinheirinho. Sai da rede, Brasil!

Em tempo: Panatenaico se refere ao Stadium Panatenaico, sede dos Jogos Panatenaicos, anteriores à Olimpíada. A arena tinha assentos de madeira e foi remodelada em mármore. Qualquer semelhança não é mera coincidência. É gatunagem mesmo!

Em Barcelona, a sirene também pediu passagem. A polícia espanhola encanou Sandro Rosell, ex-chefão do Barça. Motivo pueril: um milionário contrato de Rosell com o Circo Brasileiro de Futebol, assinado na gestão do eterno rei da bola, Ricardo Teixeira. A Operação Jules Rimet (nome da gloriosa taça que virou correntinha após ser surrupiada da casa maldita do ludopédio nacional) foi deflagrada depois de investigações de lavagem de dinheiro sob a tutela de Rossell.

O espanhol estava sendo investigado nos EUA por envolvimento nos contratos da Nike e Circo Brasileiro de Futebol. O FBI apurou desvio de R$ 15 milhões para contas secretas de Ricardo Teixeira. De acordo com a mídia da Espanha, as investigações nos EUA abriram o caminho para a descoberta de uma rede armada por Rosell para ocultar dinheiro. A Justiça já bloqueou 10 milhões de euros em contas de Rosell, além de 50 imóveis, avaliados em mais de 25 milhões de euros.

A rádio espanhola “Cadena Ser” informou que o casal Sandro Rosell e Marta Pineda, com ajuda de Teixeira, teria recebido propina de 14 milhões de euros de direitos de TV da equipe brasileira. Os direitos foram vendidos a uma empresa de TV do Qatar. No período da investigação, de 2006 a 2012, a amarelinha desbotada fez 56 amistosos. Rossel teria comercializado 24, graças ao amigo de fé e irmão camarada Ricardinho.

Na França, a polícia também entrou em ação. Fez operação de busca na casa dos hermanos Di Maria e Pastore, do Paris Saint-Germain. Eles são suspeitos de fraude fiscal – sonegação do pagamento de direitos de imagem. A fraude aconteceria por meio de uma rede de empresas em paraísos fiscais.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Soberano Tricolor faz a lição de casa, derrota o Avaí, mas deixa a torcida preocupada

São Paulo 2 x 0 Avaí: Tricolor faz jogo fraco no Morumbi, mas vence com gol de Pratto e Luiz Araújo
O centroavante Lucas Pratto abriu o caminho da vitória tricolor

Se o importante é vencer, o soberano São Paulo fez a lição de casa e deixou o ‘professor’ Rogério Ceni mais aliviado. Derrotou o limitado Avaí por 2 a 0, no Morumbi (12.427 pagantes), e obteve a primeira vitória no Brasileirão. Reabilitou-se da derrota para a Raposa por 1 a 0. Já o futebol apresentado pelo Tricolor foi bem fraquinho. Lugano entrou no lugar de Maicon e mostrou que caminha para a aposentadoria. Cometeu erros primários contra uma peça ofensiva nada perigosa.

Com o triunfo, o Tricolor ganhou moral para o clássico contra o Palmeiras, sábado, às 19 horas. Mas terá de melhorar muito para encarar o coirmão. Caso contrário, correrá sério risco de levar uma coça. Mesmo com bom tempo para treinar, a equipe não evoluiu técnica e taticamente. Mais uma vez, deixou a torcida com um elefante atrás da orelha.

O São Paulo procurou pressionar o Avaí desde o início da partida, mas por muito pouco não foi pego de surpresa. Aos 9, o goleiro Renan Ribeiro dividiu com um atacante e a bola sobrou livre para Marquinhos, que chutou para fora. E a velha história se repetiu, quem não faz toma: dois minutos depois, Marcinho ajeitou de cabeça e Lucas Pratto encaçapou o goleiro Maurício Kozlinski. Pratto marcou o oitavo gol em 14 jogos.

Com a vantagem, o Tricolor ficou mais tranquilo, embora sem talento para aproveitar a superioridade em campo. Além disso, a defesa se mostrou insegura, já que a dupla Rodrigo Caio e Lugano contava apenas com a proteção de Jucilei.

O Avaí começou melhor no segundo tempo e deixou a torcida tricolor apreensiva. Lesionado, Thiago Mendes deu lugar a Thomaz. A equipe catarinense passou a fustigar o São Paulo, incompetente para sair no contra-ataque. Com mais posse de bola, o Avaí envolveu o Tricolor, porém sem chutar a gol.

Preocupado com o fraco futebol apresentado pelo time, o ‘professor’ Rogério Ceni trocou Marcinho por Luiz Araújo. A galera gostou. Porém o Avaí continuou melhor. Tanto que Renan Ribeiro apelou para a cera aos 35, irritando a torcida. Na sequência, mais uma mudança no Tricolor: saiu Cueva, entrou João Schmidt. O peruano não gostou nada de ser substituído.

Sentindo que a vaca poderia ir para o brejo, o São Paulo adiantou a marcação, diminuiu os espaços do Avaí e, aos 46 minutos, a torcida respirou aliviada: Luiz Araújo venceu a marcação e fez 2 a 0. Avaí aniquilado. Mas que sufoco!

                                                             ############

Tempo quente no Verdão. A chapa ferveu no rachão do Palmeiras. O volante Felipe Melo não gostou de algumas marcações do ‘juiz’, o preparador físico Omar Feitosa, e houve bate- boca. Mestre Cuca teve de intervir para evitar o pior. No fim, o jogador seguiu para o vestiário discutindo com Feitosa. Não é a primeira vez que o ambiente fica tenso no ninho dos periquitos em revista. Nas semifinais contra a Ponte, pelo Paulistinha, Feitosa teve de ser contido por atletas quando partiu para cima de Thiago Santos no banco de reservas. O preparador ficou uma fera porque o jogador discutia com a arbitragem e poderia ser expulso.

Pitaco do Chucky. Irmãos açougueiros, uma delação premiadíssima pela Procuradoria-Geral da República, um verdadeiro banquete de filé mignon servido em um suntuoso apartamento da Quinta Avenida, em Nova York.

Xodó dos gaúchos. A Chapecoense é o time queridinho dos gaúchos fora do Rio Grande do Sul. A equipe catarinense reuniu 6,3% das preferências numa enquete do Instituto Paraná Pesquisas, realizada no início de maio. O Corinthians ficou em segundo lugar, com 4,6%. O Flamengo obteve 4,5%. A fila ainda tem São Paulo (3,3%), Palmeiras (2,2%), Peixe (1%), Botafogo e Vasco (9%), Galo, Fluminense e Raposa (0,8%). Já 71,5% afirmaram não simpatizar com nenhum.

Zé Corneta. O Facebook ainda está longe, muito longe, de substituir o jornal.

Zapping. O embate Vitória x Corinthians, pela segunda rodada do Brasileirão, rendeu sorrisos na plim-plim. O ibope na grande Pauliceia refém do bangue-bangue cravou a média de 23 pontos. Só perdeu do ‘Fantástico’, que amealhou 24. Na abertura do campeonato, Raposa x São Paulo obteve apenas 18. Cada ponto equivale a 70,5 mil domicílios sintonizados.

Sugismundo Freud. Bebida em excesso prejudica o homem externamente, internamente e eternamente.

Legião brasileira. Nada menos que 247 jogadores brasileiros estiveram em ação nas seis ligas mais importantes da Europa nesta temporada, sem contar os naturalizados como o atacante Diego Costa, do Chelsea, e o zagueiro Pepe, do Real Madrid. A distribuição do pé de obra: Portugal – 131; Itália – 38; Espanha – 27; França – 21; Alemanha – 16; Inglaterra – 14.

Rosamundo, o pensador. Ostentação de pobre é colocar antena da TV a cabo na frente da casa pra todo mundo ver.

Festa carioca. A segunda rodada do Brasileirão foi excelente para os cariocas. Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo venceram Atlético/GO, Galo, Bahêa e Ponte, respectivamente, e fecharam o fim de semana com 100% de aproveitamento. Há cinco anos a Cidade Maravilhosa das balas uivantes não curtia tanto sucesso. Em 2012, pela sétima jornada do campeonato, o Fluminense bateu o Náutico por 2 a 0, nos Aflitos. No estádio Nilton Santos, o Niltão, o Flamengo superou o Atlético/GO por 3 a 2. Já o Vasco derrotou a Ponte por 3 a 2, em São Januário, enquanto o Botafogo deu uma coça no Corinthians (3 a 1) no Pacaembu. Há que se ressaltar: a última vez que os grandes do Rio haviam atuado juntos na mesma divisão foi em 2013. Um ano depois, o Vasco disputou a segundona. Em 2015, a humilhação ficou por conta do Botafogo. E em 2016, a nau vascaína voltou a navegar na Série B.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Oficial: Flamengo exporta a fragrância ‘Cheirinho’ para a America Latina.

Patolino na geral. Ex-Flamengo, o zagueiro César Martins fechou a temporada em alta no Nacional da Ilha da Madeira: ‘Pior central que conheci’, elogiou o presidente Rui Alves. O brasileiro foi emprestado pelo Benfica.

Gilete press. De Marluci Martins, no ‘Extra’: “Embora já tenha conseguido quitar a dívida de R$ 17 milhões com Ronaldinho Gaúcho, o Flamengo não se livrou completamente do problema. Tramita ainda na Justiça de Porto Alegre, desde 2012, uma ação do irmão e empresário do jogador, Roberto de Assis, contra o Rubro-negro. Ele alega não ter recebido a comissão a que teria direito como intermediário da negociação de 2011. A dívida originalmente era de R$ 967 mil. Mas, de acordo com os cálculos dos advogados da família, o valor – com a atualização pelo I-GPM, mais juros de 1% ao mês – já está em R$ 2,08 milhões, fora as custas da ação.” Só no sapatinho.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’ 

Tititi d’Aline. O senador Romário deve mudar de time: trocará o PSB pelo ‘Podemos’, novo nome do antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN). O lançamento oficial da legenda está marcado para 1º de julho, em Brasília. O Baixinho teria decidido trocar de camisa porque recebera garantias de que será o candidato do partido ao governo do Rio nas eleições de outubro de 2018. O senador Álvaro Dias (PV/PR) deve seguir o mesmo caminho de Romário.

Você sabia que… o Corinthians está invicto há 15 jogos, acumulando sete vitórias e oito empates desde a derrota para a Ferroviária pelo Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, em 19 de março?

Bola de ouro. Daniel Alves. O lateral-direito brasileiro é um colecionador de canecos. Aos 34 anos, ele já faturou 35. Se a Juventus derrotar o Real Madrid na decisão da Champions, Daniel Alves se tornará o maior campeão da história ao lado do galês Ryan Giggs. Na última semana, o atleta ganhou a Copa da Itália e o Campeonato Italiano.

Bola de latão. Mídia caolha. Como faltam somente 36 rodadas para o final da maratona, os sabichões já colocaram o bloco na rua e começaram a analisar, tecnicamente, as chances de alguns times soltarem o grito de campeão brasileiro. Nem ‘Pai Jeová’ ousaria tanto.

Bola de lixo. Gabigol. Cansou de esquentar o bumbum no banco de reservas da Inter de Milão e se mandou para o vestiário antes de terminar a partida com a Lazio. Após o treinador Stefano Vecchi fazer a terceira alteração na equipe, o brasileiro tirou as caneleiras e foi embora. Já pediu desculpas, mas dificilmente escapará de um puxão de orelha no bolso.

Bola sete. “As pessoas falam de mim e não sabem um c……. Falam como se eu fosse um delinquente. Não sou um santo, mas também não sou o diabo que muita gente diz. Não gosto disso, porque tenho família, mãe, filho e não gosto que ponham ao nível de outros que fazem disparates. As pessoas vêm sempre com duas pedras na mão quando eu falo” (do gajo Cristiano Ronaldo, que subiu nas tamancas após o título espanhol do Real Madrid).

Dúvida pertinente. Após duas rodadas do Brasileirão, quem pinta como cavalo paraguaio na tabela?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br