Peixe guarda titulares para Libertadores e perde invencibilidade de 17 jogos

Perdida, a defesa do Santos acompanha o primeiro gol botafoguense

O ‘professor’ Levir Culpi acreditou que apenas o goleiro Vanderlei seria suficiente para garantir pelo menos um empate contra o misto do Botafogo, na abertura da 24ª rodada do Brasileirão. Poupou 10 titulares para o embate contra o Barcelona de Guayaquil, quarta, pela Libertadores, e se deu mal no estádio Nilton Santos, o Niltão (4.669 testemunhas/R$ 159.210).

A equipe carioca ganhou por 2 a 0, gols de Rodrigo Lindoso e Guilherme, e acabou com uma invencibilidade de 17 jogos do Santos. De quebra, voltou a vencer o coirmão depois de um jejum de seis jogos, pulou para 37 pontos, na quinta posição, e entrou no G6.

O Santos permanece com 41, na terceira colocação. A equipe perdeu a chance de igualar a marca obtida pelo time de 2007, que ficou 18 partidas sem perder com o ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo.

O Botafogo também guardou vários jogadores para o duelo com o Grêmio, no meio da semana, em Porto Alegre, pelo torneio continental

A superioridade técnica do Botafogo sobre o catadão do Peixe ficou clara desde o começo da partida. Mas ela só foi traduzida em gols na bacia das almas do primeiro tempo.

O Peixe conseguiu segurar a pressão até os 41 minutos. Após boa jogada pela direita, Bruno Silva cruzou e Rodrigo Lindoso pegou de bate-pronto, sem chance para o goleiro Vanderlei, que ficou estático sob a trave. Pouco antes, em um rápido contragolpe, Lindoso havia perdido um gol incrível. Livre na grande área, ele recebeu na medida e chutou para fora.

O gol desarrumou ainda mais a peça defensiva do time paulista, facilmente envolvida pelos botafoguenses. Aos 44, o Botafogo aumentou o placar. Em mais uma descida pela direita, o time atacou com Luís Ricardo, que levantou para uma cabeçada fulminante de Guilherme.

Os 2 a 0 até que ficaram de bom tamanho para o Santos. O prejuízo poderia ter sido muito maior não fosse Vanderlei. Mais uma vez, ele mostrou por que é o melhor do país. Já o Peixe praticamente não importunou o goleiro Gatito Fernandez. O paraguaio foi um espectador privilegiado.

A equipe do Peixe voltou mais ousada no segundo tempo, enquanto o Botafogo procurou se fechar e explorar os contra-ataques. Aos 13 minutos, o ‘professor’ Levir Culpi fez duas mudanças no time paulista. Saíram Jean Motta e Thiago Ribeiro, entraram Vecchio e Serginho, respectivamente.

Aos 20, foi a vez de Jair Ventura trocar: Roger, em má jornada, por Brenner. Depois de alguns minutos, mais uma alteração no Botafogo: Bruno Silva por Marcus Vinícius. As trocas continuaram: Leo Citadini por Matheus Oliveira, no Santos, e Guilherme por Gilson, no Bota.

Nenhuma das mudanças rendeu bons frutos. E o jogo, em ritmo de tico-tico sem fubá, se arrastou até o apito final. A única emoção aconteceu numa conclusão do santista Matheus Oliveira na trave, aos 45.

Antes da partida, o Santos confirmou que o atacante Nilmar foi afastado por tempo indeterminado em razão de problemas de saúde (depressão). O atleta pediu a suspensão do contrato até voltar aos treinamentos. A informação foi publicada inicialmente pelo ‘Blog do Paulinho’.

De acordo com o presidente Modesto Roma Júnior, Nilmar procurou o clube e disse que estava enfrentando problemas pessoais, deprimido. Ele atuou por apenas 39 minutos em dois jogos (Coxa e Raposa). O jogador foi apresentado no Peixe em 10 de julho, após ficar 14 meses sem atuar.

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Corinthians perde fôlego na luta pelo heptacampeonato; soberano Tricolor afunda

 

Imagem relacionada

O líder Corinthians continua desabando, como havia previsto ‘pai Renato Gaúcho’. Dentro e fora de campo. Em quatro jogos no returno do Brasileirão, a equipe amealhou uma vitória e três derrotas. Ganhou três pontos aos trancos e barrancos contra a Chapecoense, com um gol chorado de Jô na bacia das almas, e levou bala de Vitória, Atlético/GO e Peixe. Estacionou nos 50 pontos.

Manteve a vantagem de sete pontos sobre o Grêmio, mas deixou de flutuar com ótimos números nos cálculos da matemática do ‘Infobola’, do professor gaúcho Tristão Garcia. O Corinthians do Carille ainda é o grande favorito ao caneco, com 74% de chances de faturar o hepta.

A situação, porém, já esteve muito mais cômoda. Depois da 20ª rodada, a equipe havia cravado 90%. Caiu para 84% e depois para 78%, na 22ª jornada. O Grêmio aparece na poeira corintiana com os mesmos 18%. Poderia ter diminuído a diferença se tivesse derrotado o Vasco. Apanhou de 1 a 0.

Já o Peixe voltou a enxergar uma luz no fim do túnel e não é vaga-lume. Com a sapatada de 2 a 0 no Corinthians, pulou para 41 pontos e 5% de possibilidades de dar a volta olímpica. Tinha 2%. O Palmeiras aparece no retrovisor do Peixe. Após o empate de 1 a 1 com o Galo, atingiu 2%. O Flamengo, que perdeu do Botafogo (2 a 0), fecha o círculo de candidatos com 1% de cheirinho.

Na luta contra a degola, o soberano São Paulo vai se complicando. Está cada vez mais perto de sentir as ótimas emoções da Série B na próxima temporada. O tricampeão mundial reunia 45% de probabilidades de encarar a guilhotina antes do empate com a Ponte (2 a 2). Agora, o Tricolor comemora 54%.

Só pode cantar de galo contra o Dragão goiano, lanterna com 86%. O São Paulo necessita de 22 pontos em 45 possíveis para escapar da segundona. Ou seja, sete triunfos e um empate em 15 jogos. Também estão no redemoinho do fracasso: Chape (52%), Vitória (32%), Coxa (32%) e Bahêa (31%). Outros bons candidatos: Ponte (27%), Avaí (23%), Sport (21%) e Galo (13%).

                                                           ############

Pitaco do Chucky. Paulinho, o craque conta-gotas do Barcelona: entra e sai, à espera de uma chance para começar jogando. Ainda não está afinado com a orquestra catalã.

Ligações perigosas. O reinado do capitão gancho Eu-rico Miranda no porto de São Januário está por um fio. O Ministério Público do Rio quer a destituição do mandachuva e raios vascaíno por sua ligação com anjinhos organizados pelo diabo. De acordo com a denúncia do MP, o poderoso chefão teria contratado vândalos da Força Jovem e acobertado episódios de violência no estádio do clube. A horda protegida por Eu-rico está banida dos campos. O MP também pede a saída dos vice-presidentes, além de multa de R$ 500 mil.

Ligações perigosas. Entre os atos do samaritano Eu-rico, o MP apontou a inauguração de um camarote em São Januário para os anjinhos no dia do clássico contra o Flamengo, segundo a plim-plim. Após a derrota do Vasco, o estádio virou uma praça de guerra, com bombas, ameaça de invasão e morte de um torcedor baleado. Eu-rico classificou a atitude do MP de ‘absurda’. Por decisão do juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, do Juizado do Torcedor, o clube tem 10 dias para apresentar sua defesa.

Zé Corneta. Boa parte dos jogadores do soberano Tricolor torceu o nariz à cartolagem por ter aberto o CT aos anjinhos organizados pelo diabo. O chefão CA de Barros e Silva atacou de Pilatos: lavou as mãos e deixou a corriola assumir o comando da equipe.

Zapping. O empate entre Corinthians e Racing, pelas oitavas de final da Copa Sul-americana, cravou 27 pontos de audiência à plim-plim na grande Pauliceia entregue ao faroeste. Uma boa marca. Na Cidade Maravilhosa das balas voadoras, Botafogo x Grêmio, pelas quartas de final da Libertadores, obteve 29 pontos. Já a Band conseguiu seis pontos com Real Madrid x APOEL, pela Champions, e conquistou a vice-liderança no horário em São Paulo. Cada ponto em SP equivale a 70,5 mil domicílios sintonizados; no RJ, 44 mil.

Sugismundo Freud. Qualquer construção começa pela base.

Seca paraguaia. O esforçado atacante Romero, xodó da Fiel, luta contra um jejum: há três meses não corre para o abraço. Mais precisamente desde 11 de junho, ou 15 partidas. Ele acumula apenas cinco gols em 44 jogos pelo Corinthians. Trocou a busca pelo gol por apoio ao sistema defensivo. E, de quebra, achou que poderia trocar a voluntariedade pelo drible. Romero é o artilheiro do Itaquerão, minha casa minha vida, com 20 gols.

Gilete press. De Douglas Ceconello, no ‘Globo.com’: “Espelhando a sabedoria popular católica de que quanto mais se invoca o nome do diabo, mais perto ele chega, o rebaixamento se aproxima de forma mais ameaçadora e irreversível conforme o torcedor repete o mantra de que ‘time grande não cai’. É apenas uma questão de tempo: todos os clubes, pequenos, médios e grandes, serão rebaixados, nos próximos quatro ou trezentos anos.” Fato.

Tititi d’Aline. Apesar da boa campanha do Botafogo na Libertadores (já derrubou cinco campeões), o público do jogo contra o Grêmio, pelas quartas de final da Libertadores, decepcionou: 20% do estádio Nilton Santos, o Niltão, ficaram às moscas. A partida atraiu 36 mil torcedores. A capacidade é para 44 mil pessoas. Os preços variaram entre R$ 60 e R$ 120. Muitos cambistas caíram do cavalo e morreram com ingressos na mão. Houve algumas confusões. Numa das entradas, houve ataque de batedores de carteira. Dentro do campo, PMs flagraram um grupo com drogas.

Você sabia que… a folha de pagamento do soberano Tricolor, vice-lanterna do Brasileirão, gira em torno dos R$ 10 milhões?

Bola de ouro. Alemanha. A seleção campeã mundial assumiu a liderança do ranking da mamãe Fifa, com 1.606 pontos. A amarelinha desbotada caiu para a segunda posição, com 1.590. Portugal aparece em terceiro, com 1.386, à frente de Argentina (1.325) e Bélgica (1.265). A próxima lista, a ser divulgada em 16 de outubro, definirá os cabeças de chave da Copa de 2018. Os sete primeiros colocados, mais a Rússia (país-sede), comandarão a tropa. O sorteio dos grupos será em 1º de dezembro.

Bola de latão. Tevez. O hermano abusou das guloseimas nas duas semanas que esteve na Argentina para tratamento de uma lesão, virou uma bolinha e foi afastado no Shanghai Shenhua até recuperar a forma. O atacante de 33 anos recebe um dos maiores salários do ludopédio, algo em torno de R$ 2,5 milhões por semana. Tevez marcou dois gols em 12 partidas pelo time chinês, 11º colocado na Superliga do país.

Bola de lixo. Corinthians. Entrou em parafuso depois de uma memorável campanha no primeiro turno do Brasileirão. Nos últimos cinco jogos, uma vitória aos trancos e barrancos (Chape), três coças (Vitória, Atlético/GO e Peixe) e um empate (Racing, pela Sul-americana). Alguns jogadores deram um bico nas sandálias da humildade e colocaram chuteiras de salto alto. Acreditam ser intocáveis e/ou craques. Já passou da hora de o ‘professor’ Fabio Carille colocá-los com o bumbum no banco de reservas. A forma física do time também vai mal das pernas. Cai assustadoramente no segundo tempo.

Bola sete. “Além do conhecimento científico, os clubes brasileiros precisam formar melhores olheiros, para enxergar o óbvio e os detalhes subjetivos, que não podem ser medidos nem calculados pelas estatísticas” (do pequeno grande Tostão, na ‘Folha’ – no alvo).

Dúvida pertinente. Qual a graça do Campeonato Francês com o milionário PSG comprando até a Torre Eiffel, se for preciso?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Vanderlei garante bom empate do Peixe contra Barcelona; Corinthians, mais uma decepção

Santistas festejam gol de Bruno Henrique contra Barcelona

A superquarta do ludopédio nacional foi pródiga em empates. Nos duelos das quartas de final da Libertadores, o Peixe se segurou no 1 a 1 com o Barcelona, enquanto Botafogo e Grêmio ficaram no ‘oxo’. Nas oitavas da Copa Sul-americana, o Corinthians voltou a decepcionar a Fiel: 1 a 1 com o Racing. Chape e Flamengo apanharam da bola e não saíram do zero. Só a torcida do Sport festejou: 3 a 1 na Ponte.

Em Guayaquil, no estádio Isidro Romero Carbo (30.747 espectadores/US$ 513.112), o Santos obteve um bom resultado. Saiu na frente, com um gol de Bruno Henrique no inicio do segundo tempo, criou chances para matar o Barcelona, mas decidiu garantir o resultado e levou o empate: Diaz cobrou escanteio e Alvez completou de cabeça. Poderia ter tomado a virada se o goleiro Vanderlei não operasse alguns milagres.

O meia Lucas Lima sentiu dores musculares na coxa direita e foi substituído aos 19 minutos da etapa final. É dúvida para o segundo duelo do mata-mata, na próxima semana. Bruno Henrique também saiu lesionado.

No jogo de volta, no aquário da Vila Belmiro, o Peixe chegará à semifinal com um 0 a 0. A equipe paulista nunca foi derrotada pelo time equatoriano. Em quatro jogos, três triunfos e um empate. O Peixe não perde há 17 partidas.

O ganhador do confronto entre santistas e equatorianos jogará contra o vencedor de Botafogo x Grêmio. No primeiro jogo entre cariocas e gaúchos, no estádio Nilton Santos, o Niltão (33.235 torcedores/R$ 2.029.375), muita luta e poucas emoções: 0 a 0. A luta continua aberta. O segundo jogo será em Porto Alegre. O ‘professor’ Tite, da amarelinha desbotada, assistiu a partida e certamente não gostou nada do que viu.

Pela Copa Sul-americana, o Corinthians começou muito bem a partida no Itaquerão, minha casa minha vida (25.451 pagantes/R$ 1.309.947,50). Poderia ter resolvido a fatura ainda no primeiro tempo, mas não soube aproveitar as chances criadas. Na etapa final, foi simplesmente engolido pelos hermanos do Racing.

No tira-teima na Argentina, dia 20, o Corinthians tem de vencer ou empatar por dois gols ou mais para passar às quartas de final. Novo 1 a 1, pênaltis. O Racing faz a festa com um 0 a 0. Maycon marcou para a equipe corintiana aos 29 minutos de jogo. Trivério deixou tudo igual aos 29 do segundo tempo, aproveitando rebote de Cássio. O Corinthians fechou a trinca: três jogos sem vitória.

Mais uma vez, o meio de campo esteve muito mal, especialmente Rodriguinho. Errou a maioria das jogadas. Irritou a Fiel. No ataque, o paraguaio Romero chegou a dar trabalho aos argentinos, porém insistiu em dribles desnecessários. Num deles, perdeu a bola e proporcionou o empate aos argentinos. Merecido.

Na Arena Condá, diante de 9.716 pagantes (R$ 279.700), Chape e Flamengo morreram abraçados no ‘oxo’. O time da casa teve as melhores oportunidades, principalmente no segundo tempo, mas parou nas luvas de Diego Alves e na incompetência no momento da finalização.

No segundo embate, na próxima semana, na ‘Ilha do Urubu’, empate com gols garantirá a vaga nas quartas ao time catarinense. Se ninguém marcar, a disputa irá para a cal. Quem vencer o jogo de volta seguirá no torneio.

Já o Sport derrotou a Ponte por 3 a 1, na Ilha do Retiro (6.254 torcedores/R$ 114.825), e conseguirá um pouco de paz, pois acumulava seis partidas sem vencer (no Brasileirão). Ronaldo Alves, Rithely e André marcaram os gols do Leão pernambucano. Felipe Saraiva descontou.

Com o triunfo, o Sport poderá perder por até um gol de diferença no segundo jogo, em Moisés Lucarelli, que carimbará a classificação às quartas da Sul-americana. A Ponte vai precisar ganhar por 2 a 0. Será beneficiada no desempate por ter assinalado um gol fora de casa.

                                                        ############

Pitaco do Chucky. Político brasileiro: boca de jacaré para pegar dinheiro e braço de Horácio para trabalhar.

Circo tricolor. Se havia alguma dúvida, ela desapareceu após CA de Barros e Silva, seus pares e ímpares abrirem as portas do CT para os anjinhos organizados pelo diabo e outros folgados torcedores pressionarem os jogadores e comissão técnica: o soberano São Paulo virou mesmo m circo. Com todo respeito aos artistas, uma gloriosa palhaçada. Um magnífico gesto de time a caminho do purgatório, cumprindo a cartilha da incompetência com louvor. “A torcida vai continuar apoiando até o fim, até completar 47 pontos. Depois, vamos procurar os culpados”, disse o samaritano Baby, líder da Independente. ‘Oh Tricolor/Clube bem amado/As tuas glórias/Vêm do passado’. Quem te viu quem te vê…

Zé Corneta. São Paulo, a casa da mãe Joana: reunião das organizadas com jogadores, palestras motivacionais e elenco rachado. Só falta convidar Roberio de Ogum para benzer o time.

Circo tricolor 2. Jogadores, comissão técnica, cartolas e assessoria de imprensa do São Paulo descobriram que a mídia é a grande responsável pela mirabolante campanha da equipe vice-lanterna do Brasileirão. Eles decidiram que nenhum jogador abrirá o bico no CT até a próxima semana. Já o ‘professor’ Dorival Júnior aparecerá na sexta, como de costume, mas depois do blá-blá-blá os jornalistas terão de sair do CT. Não poderão acompanhar nem o aquecimento de 15 minutos, como ocorre normalmente. No sábado, no último treino para o embate com o Vitória, em Salvador, os portões estarão fechados aos culpados pela excepcional bola murcha da equipe no campeonato: 24 pontos em 69 possíveis (seis vitórias, seis empates e apenas 11 derrotas).

Caiu na rede. Primeiras palavras de ‘Muriçoca’ Ramalho em possível reunião com elenco do soberano Tricolor: ‘Aqui é trabalho’.

Castigo. A procuradoria do supimpa Superior Tribunal de Justiça Desportiva ficou irritada com as declarações de Kleber Gladiador, que criticou a falta de isenção nos julgamentos do órgão, e decidiu levá-lo ao banco dos réus nesta sexta. O atacante do Coxa pode pegar até seis jogos de gancho, mais multa de R$ 100 a R$ 100 mil. Após ser condenado a 11 jogos de suspensão por ter cuspido em Edson, do Bahêa, o jogador classificou o STJD de “ridículo”.

Sugismundo Freud. Não há limites para a imaginação.

Pitbull na boa. O senador pitbull Romário (Podemos) está bem na fita da corrida eleitoral para governador do Rio. Ocupa o segundo lugar na preferência dos cariocas, com 14%, segundo levantamento do instituto Paraná Pesquisas, encomendado pelo jornal ‘O Dia’. O alcaide Marcelo Crivella lidera, com 27,8%. O ex-prefeito Eduardo Paes (PMDB) aparece terceiro, com 9%. O treinador de vôlei Bernardinho (Novo) ocupa a quarta posição, com 7%. Sem Crivella na parada, Romário assume a ponta, com 15,5%. Na segunda simulação foi incluído o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que ficou em segundo (10,5%). Já a gestão do governador Pezão foi considerada péssima por 64,1% dos entrevistados. Apenas 0,3% aprovaram como ótima.

Zapping. A Champions começou com números razoáveis no ibope da Band. Celtic x Paris Saint-Germain cravou sete pontos.

Gilete press. De Lúcio de Castro, da ‘SportLight’, agência de jornalismo investigativo: “Malas de dinheiro chegaram para Ary Graça. Dinheiro público, subtraído do Banco do Brasil. É o que está no processo de colaboração premiada de Marcos Valério. Preso desde 2013 em Sete Lagoas (MG) e condenado a 37,5 anos por peculato, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e pelo crime contra o sistema financeiro, o principal personagem do escândalo que ficou conhecido como o ‘Mensalão Mineiro’ revelou os detalhes da transação que, de acordo com seu relato, envolvia o ex-presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e diretores do banco que patrocina a modalidade. A delação já foi aceita pela Polícia Federal.” Pega o gato!

Tititi d’Aline. Finalmente, o Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, vai pegar no breu. Jogadores, ‘professores’ e cartolas se reuniram na FPF para estudar fórmulas que pudessem impulsionar o campeonato de 2018, e pimba na caxirola: sugeriram a criação de um prêmio ao ‘atleta mais leal’. Gênios!

Você sabia que… os ingressos para a Copa da Rússia, em 2018, custarão entre R$ 69 a R$ 3.416?

Bola de ouro. Alisson. O goleiro começou a mostrar na Roma por que é o titular da amarelinha desbotada. Ele garantiu o empate contra o Atlético de Madrid, na primeira rodada da Champions. Pegou até pensamento. Ganhou as manchetes na Espanha e Itália. Uma delas: ‘Super Alisson’.

Bola de latão. Champions. É o torneio que reúne as maiores estrelas do esporte bretão, mas também abriga um festival de bambalas na fase de grupos. Muitos disputariam o Brasileirão com a corda no pescoço e uma das chuteiras na Série B.

Bola de lixo. Fluminense. Ministério Público investiga participação do clube no esquema de propinas que envolve bombeiros no Rio. O Tricolor teria subornado a gangue para conseguir a liberação do estádio do América.

Bola sete. “Messi segue sensacional. Imparável. Único. E sem apenas uma posição e função em campo. Com liberdade para ser o mais real falso 9. Verdadeiro 10. Jogando pelos 11” (de Mauro Beting, no ‘Uol’ – na mosca).

Dúvida pertinente. Quando Pinotti vai dar pinote no soberano São Paulo?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Cassino Libertadores: River Plate, favorito ao título; Grêmio e Peixe aparecem no retrovisor

Imagem relacionada

O River Plate é o favorito ao grito de campeão da América. Apesar de ter sido eliminado da Copa do Brasil e levar o Brasileirão no vai da valsa, o Grêmio aparece em segundo na briga pelo caneco da Libertadores. Tricampeão do torneio, o Peixe nada na terceira posição do site de apostas ‘OddsShark.com’.

Em ótimo momento, o River do ‘professor’ Marcelo Gallardo paga R$ 3,73 por real investido. A equipe argentina corre atrás da quarta taça. Nas quartas de final, o time enfrentará o Jorge Wilstermann. Passando, jogará contra o ganhador de San Lorenzo x Lanús nas semifinais.

O imortal gaúcho pinta no retrovisor do River pagando R$ 5 para cada real apostado. Nas quartas, o Grêmio disputará uma vaga com o Botafogo (R$ 10/R$ 1). Já o Santos (R$ 5,50/R$ 1) decidirá a classificação às semis contra o Barcelona, de Guayaquil, time que eliminou o milionário Palmeiras na mansão Allianz Parque.

A bola voltará a rolar na Libertadores nesta quarta: 19h15 – San Lorenzo x Lanús; 21h45 – Barcelona x Santos; 21h45 – Botafogo x Grêmio. Na quinta, às 21h45, tem Wilstermann x River. Por enquanto, a roleta na hora de a onça beber água está assim (por real aplicado): River Plate – R$ 3,73; Grêmio – R$ 5; Peixe – R$ 5,50; San Lorenzo – R$ 8; Barcelona, Botafogo e Lanús – R$ 10; Jorge Wilstermann, a grande zebra – R$ 17.

############

Pitaco do Chucky. O Corinthians está fazendo tudo, e mais um pouco, para perder o hepta brasileiro.

Furacão Avaí. Os números são frios e acachapantes: o Avaí é o grande destaque do segundo turno do Brasileirão. Em quatro jogos, conseguiu três vitórias e um empate. Aproveitamento de 83,3%. Campanha que tirou o time da zona do agrião queimado, depois de 17 jornadas na primeira parte do campeonato. Ao lado do Peixe, o time catarinense é o clube que menos sofreu gols no returno e o único invicto. Ocupa hoje a 14ª posição, com 28 pontos. Já o líder Corinthians faz campanha de equipe a caminho do rebaixamento, com um triunfo e três coças, um gol em 360 minutos de bola rolando.

Furacão Avaí 2. Depois de um desempenho espetacular no primeiro turno, com 19 jogos sem derrota (82,5% de eficiência), a equipe corintiana tem a 18ª melhor campanha. Só fica à frente de Coxa (dois pontos) e Sport (um). O Botafogo aparece atrás do Avaí. Conquistou nove pontos em 12 possíveis. Raposa, Galo, Vitória e Vasco dividem a terceira colocação, com sete.

Zé Corneta. ‘Professor’ Fabio Carille, por qué no te callas? Está falando pelos cotovelos.

Dorival em xeque. O papo corre solto pelas alamedas do Morumbi: o ‘professor’ Dorival Júnior dificilmente deixará de visitar o RH do Morumbi se o soberano Tricolor tropeçar diante do Vitória, em Salvador. É o chamado ‘jogo de seis pontos’. O time baiano abre o subsolo do Brasileirão, com 26 pontos, dois à frente do São Paulo, vice-lanterna. A vitória é considerada fundamental para o time são-paulino receber alta da UTI e ganhar oxigênio para o clássico contra o Corinthians, dia 24, no Morumbi.

Sugismundo Freud. O melhor remédio sempre é amargo.

Café no bule. O atacante Douglas Costa, contratado pela Juventus, é o único brasileiro na lista dos 10 maiores salários do Calcio. Ele recebe 6 milhões de euros líquidos (R$ 22,3 milhões) por ano, de acordo com o jornal italiano ‘Gazzetta dello Sport’. A liderança é do argentino Higuaín e do italiano Bonucci, ambos com 7,5 milhões de euros (R$ 28 milhões). O único ‘professor’ no ranking é Massimiliano Allegri, da Juve, que ocupa a terceira posição. A lista:

1 – Higuaín (Juventus): 7,5 milhões de euros (R$ 28 mi)
– Bonucci (Milan): 7,5 milhões de euros (R$ 28 mi)
3 – Dybala (Juventus): 7 milhões de euros (R$ 26 mi)
– Allegri (técnico, Juventus): 7 milhões de euros (R$ 26 mi)
5 – Donnarumma (Milan): 6 milhões de euros (R$ 22,3 mi)
– Douglas Costa (Juventus): 6 milhões de euros (R$ 22,3 mi)
7 – Icardi (Inter de Milan): 4,5 milhões de euros (R$ 16,7 mi)
– Buffon (Juventus): 4,5 milhões de euros (R$ 16,7 mi)
– Pjanic (Juventus): 4,5 milhões de euros (R$ 16,7 mi)
– Dzeko (Roma): 4,5 milhões de euros (R$ 16,7 mi)

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Corinthians no primeiro turno: Real Madrid. Corinthians no segundo: Íbis.

Gilete press. De Gabriela Moreira, no ‘ESPN’: “Crítico dos descaminhos do futebol e dos esportes, o senador Romário tem um representante de sua família trabalhando bem próximo a Carlos Arthur Nuzman. Moniquinha, sua filha mais velha, faz parte da equipe de redes sociais do Comitê Olímpico Brasileiro. Mônica Santoro, de 26 anos, foi voluntária na Rio-16, por indicação de um amigo de Romário que trabalha na comunicação do COB. Durante os Jogos, foi promovida por merecimento, afirma a entidade. E com o término das atividades do comitê, foi efetivada no COB.” Pode isso, Arnaldo?

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’. 

Tititi d’Aline. Depois de quase um mês longe da telinha, o Corinthians voltou em grande estilo à plim-plim. O duelo contra o Peixe rendeu 28 pontos no ibope da grande Pauliceia entregue à bandidagem, com 50% de share (TVs sintonizadas). É o terceiro maior índice do Brasileirão aos domingos. Perde para os 30 pontos de Corinthians x São Paulo e Corinthians x Flamengo e para o recorde de 41, cravado em Palmeiras x Corinthians. Na Cidade Maravilhosa das balas voadoras, Vitória x Fluminense obteve 20 (40% de share). Cada ponto em SP equivale a 70,5 mil domicílios sintonizados (199,3 mil pessoas); no RJ, 44 mil (116,9 mil telespectadores).

Você sabia que… a Chape demitiu o ‘professor’ Vinícius Eutrópio depois de 11 derrotas, dois empates e apenas quatro triunfos?

Bola de ouro. Rafael Nadal. O espanhol faturou o tri do US Open e chegou a 16 títulos de Grand Slam. Na final em Nova York, o ‘Touro Miúra’ deu uma aula ao sul-africano Kevin Anderson (6-3, 6-3 e 6-4) e agora lidera o ranking da ATP com 9.465 pontos, contra 7.505 do suíço Roger Federer.

Bola de latão. Fred/Pratto. Dois matadores sem bala no revólver. O centroavante do Galo e o artilheiro do soberano Tricolor completaram sete jogos sem balançar a rede do adversário.

Bola de lixo. Robinho. A estreia do atacante no Fluminense certamente terá lugar de destaque na história do Brasileirão. Ele entrou aos 27 minutos do segundo tempo da partida contra o Vitória (2 a 2), deu uma solada em Caíque e foi expulso aos 28. Atuação memorável.

Bola sete. “Roberta Luchsinger, a herdeira de um ex-acionista do Credit Suisse que queria dar R$ 500 mil a Lula, está colaborando com o PC do B de São Paulo. Ela convidou Giba, do vôlei, e o filósofo Renato Janine Ribeiro a ingressar no partido” (de Maurício Lima, em ‘Veja’ – fria?).

Dúvida pertinente. É mais fácil o soberano Tricolor sair do purgatório ou o saci andar de patinete?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Corinthians, três derrotas em quatro jogos: nem o melhor spa do mundo queima tanta gordura em pouco tempo

Depois de operar milagres no primeiro tempo, Cássio foi vencido por Lucas Lima

A viagem do líder Corinthians à Baixada Santista foi das mais proveitosas na 23ª rodada do Brasileirão: sofreu a terceira derrota (Peixe, 2 a 0) em quatro jogos pelo returno; perdeu a invencibilidade como visitante; não conseguiu quebrar o tabu no aquário da Vila Belmiro (agora são cinco sapatadas em cinco jogos); e o ‘professor’ Fabio Carille levou a primeira coça em um clássico contra coirmãos paulistas.

Um festival de alegrias merecido. O Santos soube explorar muito bem as falhas do Corinthians, especialmente pelo lado de Fagner. O lateral da amarelinha desbotada tomou um baile de Bruno Henrique, um dos melhores do time. O outro foi o maestro Lucas Lima, que tomou conta do meio de campo. E o que fez o ‘professor’ Fabio Carille? Só olhou.

O Peixe completou 16 jogos sem perder e diminuiu para nove pontos a diferença que o separa do Corinthians. Ocupa a terceira posição, com 41, dois atrás do vice-líder Grêmio. A equipe corintiana tem 50. Ainda está numa boa, mas começou a perder muito cedo a gordura acumulada no primeiro turno. Em 12 pontos disputados, faturou apenas três.

Cinco minutos de jogo foram suficientes para mostrar o que poderia acontecer no primeiro tempo: o Peixe procurando mais o ataque e o Corinthians à espreita, esperando pelo contragolpe. Conseguiu um, mas parou nas luvas de Vanderlei. Já o Santos só não saiu em vantagem porque Cássio operou dois milagres.

Aos 8, após cobrança de escanteio, Ricardo Oliveira cabeceou e o corintiano espalmou. Aos 41, depois de uma bela triangulação pela esquerda, a bola sobrou para o centroavante santista, cara a cara com Cássio. Ele finalizou e o corintiano fez excepcional defesa. Antes, aos 24, Gustavo Henrique se machucou e foi substituído por Luiz Felipe.

O Santos voltou do vestiário com Thiago Ribeiro no lugar de Copete, enquanto o Corinthians optou por um futebol mais ousado. Aos 5 minutos, Vanderlei salvou o time santista num arremate do apagadíssimo Romero dentro da área.

O jogo ganhou intensidade, ao contrário do que havia acontecido na fase inicial. O Peixe passou a explorar com eficiência a velocidade de Bruno Henrique pela esquerda e deu certo. Aos 12, ele puxou um contra-ataque e cruzou. Pablo cortou parcialmente e a bola sobrou livre para Lucas Lima estufar a rede.

A equipe corintiana partiu para a pressão, mas desordenadamente. Sem a criatividade de Jadson e com Rodriguinho mais apagado que lâmpada queimada, insistiu em cruzamentos para Jô, facilitando o trabalho da zaga santista.

O ‘professor’ Fabio Carille trocou Gabriel por Camacho a fim de melhorar a saída de bola corintiana. Não conseguiu. O Santos sacou Alison e pôs Leandro Donizetti. O Corinthians mexeu mais duas vezes: entraram Clayson e Giovanni Augusto, saíram Romero (inútil) e Marciel.

Não adiantou. Pelo contrário. Aos 48 minutos, Lucas Lima lançou Bruno Henrique na ‘avenida Fagner’. O atacante tocou para Ricardo Oliveira, que fechou o caixão corintiano: 2 a 0. Festa santista (12.567 pagantes/R$ 649.350) e sinal amarelo para o líder: três derrotas em quatro jogos. Só está tranquilo na ponta por ter feito fantástica campanha no primeiro turno e pela incompetência dos coirmãos, principalmente do Grêmio.

                                            ############

Pitaco do Chucky. O povo manda, mas ninguém lá de cima obedece. É uma tremenda festa do caqui, regada a muito dinheiro nos três poderes.

Soberano. Além de enaltecer o desempenho do time no valoroso empate com a Ponte depois de estar vencendo por 2 a 0, a estrepitosa vaia da torcida do São Paulo ao final do jogo também festejou um feito histórico: 11 rodadas na zona do agrião queimado, um recorde. Hernanes, Rodrigo Caio & Cia. quebraram a gloriosa marca de 10 jornadas estabelecida pela equipe de 2013. Já o ‘professor’ Dorival Júnior completou 11 jogos na casamata do Tricolor com excelentes números: três vitórias, quatro empates, quatro derrotas, 18 gols pró e 21 contra, aproveitamento de 39,4%. Prêmio: a vice-lanterna do Brasileirão, com 24 pontos. Pior campanha do time na era dos pontos corridos até a 23ª rodada. De quebra, DJ terá de administrar um racha no elenco, a troca de farpas entre Rodrigo Caio e Cueva.

Soberano 2. Antes de entrar em ação, porém, Dorival Júnior tratou de defender a indefensável cartolagem das críticas do ex-auxiliar de Rogério Ceni, o inglês Michel Beale, que considerou CA de Barros e Silva, seus pares e ímpares um grupo de amadores no comando do São Paulo. “Não comungo da opinião dele”, afirmou DJ, remando contra a torcida.

Zé Corneta. E CA de Barros e Silva, o carismático Leco, culpava Rogério Ceni… Aceita que dói menos.

‘Pai Pelé’. Conhecido por acertar nada menos que… 0,01% das previsões que costuma fazer, o ‘rei’ Pelé, liberado pelo empresário EA do Nascimento, colocou a bola de cristal para funcionar e sapecou: “Paulinho surpreenderá muitas pessoas com sua força e personalidade. Vai ser muito útil ao Barcelona, como tem acontecido na seleção.” Até agora, a torcida catalã torce o nariz por causa da contratação de Paulinho por 40 milhões de euros, uma das mais caras da história. Em 1994, Pelé apostou todas as fichas na conquista da Copa pela Colômbia, mas Valderrama, Rincón e Asprilla caíram fora ainda na primeira fase. Em 2002, disse que a seleção brasileira ficaria pelo meio do campinho e o time do ‘sargento’ Felipão voltou com o penta. Passando a régua: um galhinho de arruda na chuteira vai bem, Paulinho! O seguro morreu de velho, e o desconfiado ainda está vivo.

Sugismundo Freud. O bom resultado só aparece com muito esforço.

‘Cara do Brasil’. Depois de cumprir 11 jogos de gancho (a princípio eram 15) por causa de uma cusparada e agressão em Edson, do Bahêa, Kleber Gladiador voltou no clássico Atletiba (1 a 1) com duas asinhas de anjo nas costas. Prometeu colocar a cabeça no lugar porque sentiu que nos tribunais da pátria das chuteiras furadas o tratamento entre os clubes é semelhante a 2+2 = 5. Dois pesos e duas medidas. Lembrou que o Vasco perdeu o mando de campo apenas por seis jogos após a torcida transformar o porto de São Januário numa praça de guerra no clássico com o Flamengo.

‘Cara do Brasil’ 2. Kleber acredita ter sido pego como bode expiatório. Explicou por que: viu e ouviu coisas no STJD do Circo Brasileiro de Futebol de envergonhar até a ‘politicanalha’ nacional. “Eu me senti injustiçado. Acho que foi ridículo o que fizeram, é bem a cara do Brasil. Um sujeito disse que não ia punir um clube, não vou citar o nome, porque estava brigando pelo título. Por isso, não ia dar punição em mando.” Kleber já cortou uma das asas: trocou cotovelada com o zagueiro Paulo André no duelo paranaense e ganhou cartão amarelo por reclamação.

Caiu na rede. A caravana passa e o São Paulo afunda.

Gilete press. Do atacante Richarlison, ex-Fluminense e hoje no Watford, ao ‘Hoje em Dia’: “O futebol inglês é bem diferente do brasileiro. São 90 minutos de jogo pegado, de correria e usando bastante a parte tática; no Brasil a gente tem mais tempo para pensar. O clube inglês tem uma estrutura muito boa, a cidade é maravilhosa e a torcida me abraçou. Aqui não tem vaias e os torcedores apoiam durante os 90 minutos, diferente do Brasil, onde você não pode errar três ou quatro passes.” Ou seja, do vinagre ao vinho.

Zapping. A bola oval americana é da ESPN até 2022. A renovação de contrato com a NFL garante exclusividade na TV por assinatura e outras mídias.

Tititi d’Aline. O atacante Neymar já trocou a pensão seis estrelas de Paris por uma choupana de cinco andares próxima ao CT do PSG e ao estádio Parque dos Príncipes. O pai e a mãe do jogador escolheram a casa, construída num terreno de cinco mil metros quadrados. Sua arquitetura é dos anos 50. O filho de Neymar, Davi Lucca, transformou uma das salas em pista de skate. Os ‘parças’ Gil Cebola e Joclesio vão morar na residência. Neymar pagará R$ 50 mil de aluguel, uma fortuna que desfalcará sensivelmente o salário de… R$ 100 milhões por ano.

Você sabia que… a mamãe Fifa vai dar US$ 5 milhões (R$ 15,5 milhões) ao campeão mundial de clubes, enquanto a Conmebol entregará US$ 7,75 milhões (R$ 24 milhões) ao ganhador da Libertadores?

Bola de ouro. Sloane Stephens. A americana de 24 anos detonou a compatriota Madison Keys em apenas uma hora (6/3 e 6/0) e faturou o primeiro Grand Slam da carreira.

Bola de latão. Vanderlei Luxemburgo. O ‘pofexô’ rodou a baiana depois da sapecada que tomou do Grêmio, culpou os jogadores, prometeu a reabilitação e… o Sport perdeu do Avaí por 1 a 0, na ‘Ilha de Lost’. Há seis jogos o Leão pernambucano não festeja uma vitória.

Bola de lixo. Jadson/Rodriguinho.  A dupla corintiana anda mais devagar no meio de campo que namoro de tartarugas. Jadson é incapaz de acertar um cruzamento. E Rodriguinho nada de útil produz.

Bola sete. “O momento é normal. Todo time passa por isso. A gente ainda tem uma boa vantagem, sete pontos. Está tranquilo. Mas temos de corrigir muita coisa” (do centroavante Jô, após a derrota para o Peixe – há controvérsias).

Dúvida pertinente. O Corinthians virou o fio?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Palmeiras consegue empate heroico, Vasco dá aquela força à Fiel e soberano Tricolor continua na UTI

Fred disputa a bola com o palmeirense Edu Dracena

A 23ª rodada do Brasileirão começou com o Palmeiras conseguindo um resultado heroico contra o Galo (1 a 1). Continuou com o Vasco derrubando o Grêmio (1 a 0) e dando aquela força ao Corinthians – mesmo que perca o clássico para o Peixe, seguirá com sete pontos de vantagem sobre os gaúchos. E fechou o sábado com mais um vexame do soberano Tricolor. Depois de abrir dois gols de diferença, o time permitiu o empate à Ponte e permanece na zona do agrião queimado.

Um empate com sabor de vitória: o velho chavão do ludopédio nacional cai como luva de pelica sobre o resultado que o Palmeiras arrancou diante do Galo, no Independência (15.672 pagantes//R$ 432.613,00). Sem forçar a barra, não seria nenhum exagero qualificar o 1 a 1 como heroico, já que a equipe terminou a partida com nove jogadores.

O primeiro a receber cartão vermelho foi o zagueiro Luan, aos 40 minutos de partida. No segundo tempo, aos 31, Willian revidou uma entrada de Valdivia e também foi expulso. Mesmo com dois a mais, o time mineiro se mostrou incompetente para chegar à vitória diante de um Palestra que esbanjou raça. Em nenhum momento o time paulista jogou a toalha.

O embate também ficou marcado por muitas reclamações contra sua senhoria, o assoprador de latinha gaúcho Leandro Vuaden, que marcou três pênaltis, acertadamente. Aí se sobressaíram os goleiros Fernando Prass e Victor. O palmeirense agarrou a cobrança de Fred e o atleticano pegou a batida de Deyverson. O ex-corintiano Fabio Santos converteu o segundo do Galo.

Com o resultado, o Palmeiras manteve o quarto lugar, agora com 37 pontos. Mas pode perder a posição se o Flamengo (35) derrotar o Botafogo. O Galo chegou a 30 e está no meio da tabela. Como consolo, cravou o 13º jogo sem derrota para o Palmeiras. O tabu nasceu em 2011.

Os mineiros começaram a partida na pressão e poderiam ter ficado em vantagem aos 26, após pênalti de Egídio em Alex Silva. Disposto a acabar com um jejum de sete jogos sem marcar, Fred ajeitou a bola, chutou e Prass defendeu sem dar rebote. Sete minutos depois, em um contra-ataque, Deyverson encaçapou Vitor, no primeiro chute a gol do Palmeiras.

Aos 40, novo pênalti: Luan puxou Leonardo Silva na área. Os palmeirenses chiaram barbaridades, sem razão. Luan foi expulso. E Fabio Santos deixou tudo igual, três minuto depois.

Na etapa final, a torcida mineira esperava por uma blitz do Galo. Afinal, estava com um a mais, superioridade numérica que o Palmeiras tirou de letra. Mesmo com 10, voltou mais agressivo e poderia ter assinalado o segundo gol aos 10 minutos. Leonardo Silva meteu a mão na bola, o juiz deu pênalti, Deyverson bateu cheio de mimimi e Victor defendeu.

Na sequência, o ‘professor’ Micale trocou Adilson por Robinho, o rei das pedaladas enferrujas. Aos 24, foi a vez de mestre Cuca mexer no time: sacou Deyverson (fraquíssimo) e colocou o veloz Dudu; no Galo, Cazares deu lugar a Yago, e depois Luan saiu para a entrada Otero.

Aos 34, Willian foi expulso. Com nove contra 11, Thiago Santos substituiu Jean e o Palmeiras tratou de fechar a casinha para segurar o empate. O Galo passou a explorar inúteis cruzamentos, para desespero da torcida, que assistiu a mais uma péssima exibição do time.

Em São Januário, com portões fechados, o Vasco bateu o Grêmio por 1 a 0, gol de Mateus Vidal, aos 42 minutos do primeiro tempo. A partida marcou a estreia do ‘professor’ Zé Ricardo na casamata do time carioca. Que pulou seis posições na tabela e entrou no G6. Agora, é o sexto, com 31 pontos, mas pode cair até o fim da jornada.

Sem poder assistir ao jogo, a torcida vascaína ficou nos arredores do estádio e fez a maior festa com o triunfo.

O imortal gaúcho permanece com 43 pontos, na vice-liderança, e pode ver a distância para o Corinthians aumentar novamente para 10. O líder enfrentará o Peixe, neste domingo, no aquário da Vila Belmiro.

No Morumbi, sob vaias de 43.724 torcedores (R$ 1.059.664), o soberano São Paulo empatou com a Ponte em 2 a 2, depois de estar vencendo por 2 a 0, e permanece no subsolo do campeonato. Está em penúltimo lugar, com 24 pontos. Já a Macaca saltou para a 13ª colocação, com 28.

A galera tricolor chegou a sonhar com o fim do pesadelo, já que o time abriu boa vantagem no placar, com gols de Hernanes (foto), cobrando falta na gaveta no primeiro tempo, e Bruno Alves, no início do segundo.

A Macaca, porém, não se entregou. Diminuiu aos 19, com Danilo cobrando pênalti (Jucilei colocou a mão na bola e foi expulso). O São Paulo desabou. E a Ponte empatou com Leo Gamalho, dez minutos depois.

O time campineiro poderia ter virado o jogo, mas não soube aproveitar as chances criadas. Os números da partida que o digam: posse de bola – Tricolor 44% x 56% Ponte; finalizações – São Paulo 9 x 13 Macaca; bolas levantadas – Tricolor 11 x 21 Ponte; escanteios – Tricolor 3 x 7 Macaca; e passes certos – São Paulo 282 x 289 Ponte.

                                                      ############

Pitaco do Chucky. Presidente Temer conclama povo a trabalhar pelo país. Nada mais justo… só precisa arrumar 13,5 milhões de empregos.

Freguês na Baixada. Um bom retrospecto no aquário da Vila Belmiro enche de esperanças a Fiel no clássico deste domingo: nos últimos quatro jogos, quatro sapatadas do Peixe. A última vitória do Corinthians aconteceu em 10 de agosto de 2014. A equipe comandada por Mano Menezes venceu o Santos de Oswaldo de Oliveira por 1 a 0, gol do zagueiro Gil. Daquele time, ainda estão no clube o goleiro Cássio, o meia Jadson e o atacante Romero. No confronto geral, o Peixe também leva vantagem. Em 107 jogos na Vila, acumula 49 vitórias, 23 empates e 35 derrotas. Marcou 210 gols e levou 188 gols.

Zé Corneta. Ninguém aguenta mais o blá-blá-blá do ‘professor’ Dorival Júnior após uma partida do soberano Tricolor. Ele enxerga um jogo que ninguém vê.

‘Não me comprometas’. Inacreditável e vergonhoso o comportamento de boa parte da imprensa esportiva após explodir o escândalo da compra de votos na corrida pelo ouro dos Jogos de 2016. Muitos ousaram afirmar que estavam “surpresos” e/ou “tristes” com a canalhice envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral, hoje enjaulado, e o mandachuva e raios do COB (caixinha, obrigado Brasil), o irrequieto Carlos ‘Rolando Lero’ Nuzman. Outros, que haviam silenciado ao longo do tempo ou batido bumbo pela escolha do Rio, no melhor estilo chapa-branca, saíram da toca “não me comprometas” e vociferaram o velhaco “eu já sabia”.

Sugismundo Freud. Só quem odeia o vício ama a virtude.

‘Pofexô’. Depois de nove vitórias, cinco empates, nove derrotas (uma delas por 5 a 0 diante do Grêmio), e sensacional aproveitamento de 46,3%, o ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo foi premiado com a renovação de contrato no Sport até dezembro de 2018. Ou seja, o ‘eu ganhei, nós empatamos e eles perderam’ vai continuar firme e forte no Leão pernambucano. Te cuida, Diego Souza!

Caiu na rede. O prestígio de Borja no Palmeiras está mais curto que estribo de anão.

Patolino na geral. Desafio aos botafoguenses: nos últimos seis jogos contra o Flamengo, acumularam três empates e três derrotas.

Gilete press. Do goleiro italiano Buffon, 39 anos, ao ‘Marca’, da Espanha, sobre os atacantes que enfrentou: “O que mais me causou danos foi o Ronaldo, o brasileiro. O protótipo do jogador perfeito: tinha potência, velocidade, intuição, técnica, rapidez, era um jogador que te deixava de boca aberta. Parecia que havia sido criado em um laboratório. Não podia pensar que um ser humano teria todos esses dons.” Buffon e Ronaldo Fenômeno se enfrentaram nove vezes. O brasileiro marcou três gols no ídolo da Juventus.

Rosamundo, o pensador. Cão que ladra só não morde enquanto ladra.

Tititi d’Aline. Definido o time das atletas que participarão do reality show ‘Exathlon Brasil’, a partir do dia 25, na Band: a zagueira do Santos Alline Calandrin, a surfista Michelle des Bouillons, a jogadora de vôlei Betina Schmidt, a ginasta Danielle Hypólito e a saltadora Maureen Maggi. Na equipe masculina estão ex-jogador de vôlei Giba, o surfista Pedro Scooby e o patinador Marcelo Sturmer, além do fotógrafo Rodrigo West (filho de Sidney Magal) e do personal trainer Ricardo Barbato. O programa ainda terá 10 anônimos. As gravações serão na República Dominicana.

Você sabia que… Flamengo x Raposa, pela final da Copa do Brasil, cravou apenas 23 pontos no ibope da plim-plim na grande Pauliceia refém da bandidagem?

Bola de ouro. Trio MCN. Em apenas um jogo, Mbappé, Cavani e Neymar mostraram que o trio parada dura tem tudo, e mais um pouco, para dar certo no ataque do Paris Saint-Germain. O tridente avassalador garantiu a quinta vitória consecutiva do PSG no Campeonato Francês. Menção honrosa: Agüero. Marcou dois na goleada do Manchester City sobre o Livepool (5 a 0) e tornou-se o maior artilheiro não europeu da Premier League, com 124 gols.

Bola de latão. Júlio Baptista. Aos 35 anos, o meio-campista brasileiro faz testes no Bolton, da segunda divisão inglesa. O ex-são-paulino está sem clube desde novembro de 2016, quando deixou o Orlando City. Na temporada 2006/07, Júlio Baptista defendeu o Arsenal, emprestado pelo Real Madrid.

Bola de lixo. Mídia caolha. Uma vez Flamengo, sempre Flamengo: programa ‘Redação SporTV’ abordou o gol impedido do rubro-negro Paquetá em intermináveis… dois minutos. E concluiu que não se poderia culpar o assoprador de latinha, o paulista Marcelo Aparecido de Souza, porque o lance foi muito rápido.

Bola sete. “Carlos Nuzman, envolvido na Operação ‘Unfair Play’, que investiga a suposta corrupção para a escolha do Rio como sede da Olimpíada, colocou sua casa, no Jardim Pernambuco, à venda. Coisa de mais de R$ 40 milhões” (de Ancelmo Gois, no ‘Globo’ – ô coitado).

Dúvida pertinente. O soberano São Paulo já respira por aparelhos?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Soberano Tricolor coloca metade da cabeça na guilhotina; Corinthians perde gordura

Resultado de imagem para CHARGES E DESENHOS DE GUILHOTINA

Os resultados da 22ª jornada do Brasileirão colocaram o soberano São Paulo em um redemoinho de emoções. Vice-lanterna do campeonato, com estratosféricos 23 pontos em 66 possíveis, o Tricolor só perde para o Dragão goiano na tabela de possibilidades de rebaixamento à segunda divisão.

O tricampeão mundial reúne 45% de chances de visitar pela primeira vez a Série B, de acordo com a aritmética do ‘Infobola’, do professor gaúcho Tristão Garcia. O Atlético/GO acumula 84%.

Nos 16 jogos restantes, o time paulista precisa ganhar 23 pontos em 48 para escapar da guilhotina. Ou seja, conquistar sete vitórias e dois empates. Até agora, o São Paulo obteve seis triunfos e cinco empates. Levou 11 bordoadas. Marcou 28 gols e tomou 33. Aproveitamento de 34,8%. Neste fim de semana, no Morumbi, a equipe receberá a Ponte, 13ª posição, com 27 pontos. A Macaca tem 27% de probabilidades de cair.

Também estão pendurados no bico da cegonha sem asas: Avaí (42%) e Chapecoense (38%). Outros bons candidatos a um mergulho no caldeirão do diabo: Bahêa (32%), Coxa (31%), Vitória (30%) e Vasco (20%).

Na parte de cima da tabela, as derrotas para Vitória e Atlético/GO queimaram uma boa gordura do líder Corinthians. As chances de a Fiel soltar pela sétima vez o grito de campeã caíram de 84% para 78%. Elas chegaram a 90% na 20ª rodada.

O Grêmio também contribuiu para a queda corintiana ao arrasar o Sport (5 a 0). A cotação do imortal gaúcho pulou de 12% para 18%. A diferença entre Corinthians e Grêmio é de sete pontos (50 a 43).

Neste domingo, a equipe corintiana jogará contra o Peixe, no aquário da Vila Belmiro. O Santos está invicto há 15 partidas, somando-se todos os torneios. Já o time gaúcho vai encarar o Vasco, sábado, em São Januário, com portões fechados.

Se o Grêmio vencer, diminuirá a diferença para quatro pontos e deixará o coirmão em xeque, com a obrigação de pelo menos empatar diante dos santistas. Que ocupam a terceira posição, com 38 pontos e 2% de possibilidades de caneco. Palmeiras e Flamengo correm por fora, com 1% cada. O Palestra está em quarto lugar, com 36 pontos, um à frente do Urubu.

                                                 ############

Pitaco do Chucky. Não tem para ninguém: Brasil, ouro olímpico em corrupção.

Paspalhão. Como todo cartola que se preza, o presidente da Liga Espanhola, Javier Tebas, também adora abrir a boca para vomitar imbecilidades. Inconformado com a saída de Neymar do Barcelona para o Paris Saint-Germain, ele afirmou que a mudança foi como se o atacante tivesse ‘subido no trampolim e urinado na piscina’. Pura dor de cotovelo. Pela primeira vez nos últimos anos, um jogador mandou o Barça tomar caju, plantar jabuticaba.

Zé Corneta. O ‘professor’ Tite parece caminhar para o mesmo erro que já cometeram outros treinadores da amarelinha desbotada: fechar o grupo, insistir com jogadores que já negaram fogo.

Miado do gato. O Saci colorado recebeu calorosas informações da Ernst & Young, que auditou as contas do clube na gestão Vitório Piffero (2015/16). Apurou, por exemplo, que uma empresa recebeu R$ 9 milhões sem qualquer comprovação. Já R$ 18 milhões foram aplicados sem a devida procedência e R$ 5,5 milhões adiantados em dinheiro. Mais: notas em série sem comprovação de serviços ou obras. Passando a régua: a Ernst & Young atestou “alto risco contábil” e “risco alto de fraude”. No toma lá dá cá, mais de R$ 35 milhões apresentaram problemas. Uma comissão especial foi criada para ouvir os envolvidos. Chama o Kirobo.

Sugismundo Freud. Não se restaura a moralidade com censura.

Noves fora. O Palmeiras continua colhendo ótimos frutos… fora de campo. Em julho, o clube saboreou um lucro de R$ 3 milhões. Nesta temporada, o Palestra já amealhou um superávit de R$ 36 milhões. De quebra, pagou mais uma boa parte da dívida com o ex-presidente Paulo Nobre. Hoje, deve menos de R$ 50 milhões ao cartola, que voltou a ganhar força nos bastidores após a reintegração do volante Felipe Melo. Muitos conselheiros condenaram o perdão do mandachuva e raios Maurício Galiotte ao atleta, mesmo com a justificativa de que o Palmeiras evitou um prejuízo financeiro superior a R$ 7 milhões – o jogador ameaçava entrar na Justiça com processo por danos morais. A disciplina levou um bico do chefão.

Caiu na rede. A fase dos são-paulinos é mesmo terrível: cachorro colombiano ficou mais tempo em campo do que o zagueiro Rodrigo Caio.

Zapping. A bola da amarelinha desbotada murchou um pouco no ibope da plim-plim na partida contra a Colômbia. Tanto na grande Pauliceia entregue à bandidagem quanto na Cidade Maravilhosa das balas uivantes a audiência foi de 32 pontos. No jogo diante do Equador, também pelas eliminatórias, SP cravou 34 pontos e o RJ, 35. Cada ponto em SP correspondente a 70,5 mil domicílios sintonizados; no RJ, 44,5 mil.

Rosamundo, o pensador. Somente os mais sábios e os mais estúpidos nunca mudam de ideia.

Gilete press. Do narrador Milton Leite, do SporTV: “Tite falou que o Firmino pode render muito mais. Eu, sinceramente, acho que não. O Firmino nem jogador de seleção deveria ser, mas eu sei que sou minoria, até porque ele faz sucesso na Inglaterra, então todo mundo acha que porque faz sucesso na Inglaterra tem que jogar na seleção. Melhor que o Firmino tem uns três ou quatro. O Jô, hoje, é mais jogador do que o Firmino. Tecnicamente, como alternativa de jogo, como recurso de jogo, bola alta, ele faz o pivô muito bem. Talvez seja o que faz melhor a função no futebol brasileiro, de prender a bola enquanto o time chega. Então, entre os dois, o Jô é mais jogador, disparado.” Há controvérsias.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’. 

Tititi d’Aline. O ator Hugo Bonemer ganhou a corrida contra mais de 100 candidatos e viverá o personagem principal de ‘Ayrton Senna, o musical’. Ele já trabalhou em ‘Hair’, ‘Rock in Rio musical’ e a ‘Lei do Amor’. A peça será dirigida por Renato Rocha. O texto de Cláudio Lins e Cristiano Gualda será encenado por mais 23 atores. Numa das passagens da peça, o público ouvirá o ronco dos motores e vai se sentir como se estivesse num GP de Fórmula 1.

Você sabia que… o Monaco faturou 394 milhões de euros com a venda de jogadores e investiu apenas 105 milhões de euros?

‘Bola de ouro’. Fluminense. Não mandou ninguém ao tête-à-tête com Levir Culpi na Justiça e terá de pagar R$ 2,8 milhões ao ex-treinador, demitido em 2016. Levir exige o salário de outubro (R$ 630 mil), saldo de salário de novembro (R$ 127 mil), 13º salário-8/12 (R$ 420 mil), férias-8/12 (R$ 420 mil), 1/3 férias (R$ 140 mil), FGTS (R$ 403 mil), multa de 40% sobre FGTS (R$ 161 mil) e indenização (R$ 577 mil). Total: R$ 2,87 milhões.

Bola de latão. Jorge Sampaoli. O ‘professor’ assumiu o comando da Argentina prometendo uma grande virada de jogo e só conseguiu dois pontos em seis disputados – empates com Uruguai (0 a 0) e lanterna Venezuela (1 a 1). Hermanos continuam no bico da cegonha sem asas nas eliminatórias da Copa.

Bola de lixo. Primeira Liga. Por falta de datas, além de nhenhenhém entre participantes, o torneio corre sério risco de cair fora do calendário em 2018. Há dois anos, a competição teve a média de 12 mil pagantes por partida. Nesta temporada, cravou apenas sete mil.

Bola sete. “O Fluminense será o primeiro time do Brasil a fazer um Hackathon, concurso de hackers para desenvolver novas tecnologias para o clube” (de Ancelmo Gois, no ‘Globo’ – boa sacada).

Dúvida pertinente. Por que a cartolagem das confederações perdeu o sono depois do escândalo com o rei olímpico Carlos ‘Rolando Lero’ Nuzman?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br