Amarelinha desbotada quebra jejum de 12 anos e salva Tite; torcida garante R$ 39 milhões a Conmebol

ao vivo jogo resultado final brasil x peru copa américa
Brasil: nona conquista em 46 edições do torneio

A festa foi completa no ‘new Maraca’. A amarelinha desbotada derrotou o Peru por 3 a 1, conquistou pela nona vez a Copa América em 46 edições e quebrou um jejum de 12 anos sem levantar o torneio (a última vez havia sido em 2007). O time sempre venceu quando organizou o torneio (1919/22/49/89/2019).

Já a pachecada gritou novamente ‘o campeão voltou’ e colocou no abastado cofre da Conmebol mais R$ 38.760.850, a maior arrecadação da história da pátria das chuteiras furadas, proporcionada por 58.504 pagantes (11.402 entraram no peito).

Ao longo da competição, o time do ‘professor’ Tite adotou o sensacional futebol gangorra, sobe e desce. Chegou ao caneco com nota seis. Só não se complicou porque o nível técnico do torneio foi fraquíssimo.

Mesmo assim, ainda precisou de vários empurrões dos assopradores de latinha para dar a volta olímpica. Que, na verdade, sempre foi o grande objetivo de Tite. Jamais o treinador olhou para o futuro, para uma renovação da equipe após o fracasso na Copa do Mundo da Rússia.

Tite queria, e conseguiu, livrar o pescoço da forca. Desde a estreia, contra a Bolívia, até o grand finale diante do limitadíssimo Peru, o ‘professor’ viveu no fio da navalha. Apesar de ter contrato com o Circo Brasileiro de Futebol até a Copa do Catar, em 2022, Tite encarou o fantasma do desemprego a cada minuto da competição.

Daí, as lágrimas a cada abraço dado nos jogadores e, principalmente, no filho Matheus. Só faltou choramingar no ombro do presidente Bolsonaro e/ou no do poderoso chefão da casa maldita do ludopédio nacional, o impoluto Rogerio Caboclo.

Colocar a faixa de campeão no peito depois do embate com os peruanos era uma obrigação. Caso contrário seria um vexame histórico, superado apenas pelo 7 a 1 contra a Alemanha, nas semifinais do Mundial de 2014.

Com os 3 a 1 no templo da bola tupiniquim, o canarinho sem asas atingiu a 32ª vitória em 45 duelos contra os peruanos. Foi abatido apenas quatro vezes e saiu abraçado com o inimigo em nove jogos. Matou o Peru nos cinco embates no Maraca.

Everton Cebolinha, Gabriel Jesus e Richarlison (pênalti) garantiram o triunfo e o título contra os peruanos. Guerrero (pênalti) descontou.

O time brasileiro terminou com 10. O menino Jesus, grande destaque do jogo, foi expulso no segundo tempo e deixou o gramado insinuando que a equipe estava sendo roubada.

O Brasil ganhou R$ 44 milhões com o título, somados o prêmio pela taça (R$ 28,6 milhões) e a taxa de participação (R$ 15,4 milhões). O Peru faturou R$ 19 milhões, mais taxa. A Argentina, terceira colocada, papou R$ 15,4 milhões, e o Chile, quarto lugar, R$ 11,5 milhões, além da taxa.

Com 15 taças, o Uruguai é o maior vencedor da Copa América. Sua última conquista foi em 2011. A Celeste é seguida de perto pela Argentina, que possui 14. Os hermanos não vencem a competição desde 1993. O Brasil fez a festa invicto. Faturou o nono título com o melhor ataque (12 gols em seis confrontos) e a defesa mais eficiente (tomou um gol).

Daniel Alves foi eleito o craque da Copa. O capitão conquistou o 40º título na carreira. É o jogador com mais conquistas na história do futebol. Foi a quarta vez que o lateral sagrou-se campeão pelo Brasil. Alisson ganhou troféu de melhor goleiro, enquanto Everton deixou o gramado como artilheiro, com três gols.

Cortado antes do início da competição por estar lesionado, Neymar seguiu os passos do time em todo o mata-mata. No Maraca, levou até o filho Davi Lucca para ficar em um camarote, que contava ainda com outros atletas, como o são-paulino Nenê, e o presidente Bolsonaro, que quase caiu ao comemorar o primeiro gol do Brasil. Bolsonaro participou da cerimônia de premiação e segurou a taça. Entrou em campo entre vaias e aplausos da torcida.

XXXXXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. Incrível: sempre há um paspalho para atrapalhar o espetáculo.

Tchutchuuuucas. Primeiramente, como diria o saudoso ex-presidente corintiano Vicente Matheus: a amarelinha desbotada do ‘professor’ Tite é povoada pela geração ‘viúva Porcina’, aquela que foi sem nunca ter sido, ou seja, acredita ser craque, ter lugar assegurado no Olimpo dos deuses do planeta bola. Segundamente: nunca se viu tanto chororô por meio metro quadrado a serviço do Circo Brasileiro de Futebol, um grupo com suscetibilidades até no dedinho do pé. Paralelamente à conquista do título, deixa a imagem de ‘viúva Porcina’, aquela que foi sem nunca ter sido, ou seja, ídolos com chuteiras de barro.

Zé Corneta. Duelo em final contra o Peru é tão emocionante quanto cortar cebola.

É teeeeetra. Os Estados Unidos aterrissaram na França, botaram uma tremenda banca e voltarão para casa com o tetra da Copa do Mundo feminina. As americanas venceram a Holanda por 2 a 0, em Lyon, e conquistaram o quarto caneco em oito edições do torneio. As holandesas armaram um forte bloqueio defensivo e garantiram o ‘oxo’ no primeiro tempo, com boas defesas de Van Veenendaal. Na etapa final, aos 16, Van der Gragt fez pênalti em Morgan (assinalado pelo VAR), Rapinoe cobrou e conferiu. Sete minutos depois, Lavelle marcou o segundo e nocauteou as holandesas. Só não saíram mais gols por excesso de preciosismo das americanas e novas defesas de Van Veenendaal. A campanha dos EUA: fase de grupos – 13 a 0 na Tailândia, 3 a 0 no Chile e 2 a 0 na Suécia; oitavas – 2 a 1 na Espanha; quartas – 2 a 1 na França; semifinais – 2 a 1 na Inglaterra; decisão – 2 a 0 na Holanda.

Onde e como assistir a Estados Unidos x Holanda pela final da Copa do Mundo feminina
Festa americana no Mundial: tetracampeonato

É teeeeetra 2. Nada menos que 57.900 torcedores compareceram ao estádio, que despejaram uma sonora vaia quando o presidente da Fifa, Gianni Infantino, foi chamado para a cerimônia de premiação. Após as homenagens, o cartola-mor ouviu gritos de ‘equal pay, equal pay (pagamentos iguais)’, reivindicação de todas as jogadoras que disputaram o Mundial. As campeãs embolsaram US$ 4 milhões; em 2018, a seleção masculina da França ganhou US$ 38 milhões. EUA, Holanda, Suécia (terceira colocada) e Inglaterra (quarta) garantiram vaga na Olimpíada de Tóquio, em 2020. No sábado, em Nice, as suecas venceram as inglesas por 2 a 1.

Sugismundo Freud. Quem gosta de levar vantagem em tudo reconhece a própria incompetência.

Haja bolso. Não se reprima: novas emoções da fantástica Copa América estão programadas para daqui um ano, mais precisamente para o período entre 12 de junho e 11 de julho. O torneio é tão sensacional que a Conmebol decidiu promovê-lo em dois países. O grupo Sul será disputado na Argentina e reunirá hermanos, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai e um convidado (Japão ou Catar). Grupo Norte: Colômbia, Brasil, Equador, Peru, Venezuela e outro bicão. Os jogos acontecerão na Colômbia. Apenas quatro seleções de cada chave irão para os mata-matas.

Caiu na rede. Natal ainda está longe, mas Brasil já devorou o Peru.

Gilete press. De Paulo Cobos, no ESPN: “As fortes palavras de Messi contra a Conmebol podem, na teoria, deixar o craque argentino fora dos gramados por até dois anos (…) Pelo artigo 7 do Código Disciplinar da Conmebol um jogador não pode ‘insultar de qualquer maneira e por qualquer meio a Conmebol, suas autoridades, seus oficiais, etc’. As punições podem ser brandas, mas um jogador que insulta a Conmebol pode receber uma suspensão de até 24 meses. Ainda existe a chance de uma multa de até US$ 50 mil. Dá para acreditar que a Conmebol faria isso com Messi?” Nem no inferno.

Tititi d’Aline. Em um momento conturbado, principalmente fora de campo, o ‘menino Ney’ reuniu a família e todos foram à Igreja Batista Peniel, em São Vicente, na última quinta. Neymar costumava frequentar o templo quando criança. O astro, a irmã Rafaella, que chorou, e seus pais foram devidamente fotografados e rechearam as redes sociais. Aleluia, irmão!

Você sabia que… o hermano Messi acumula apenas duas expulsões na carreira?

Bola de ouro. Messi. Chutou o pau da barraca após a ridícula expulsão contra o Chile e fez muito bem em dar uma banana à medalha de bronze. Certamente alguns cretinos da objetividade reclamarão de falta de fair play do atacante.

Bola de latão. Conmebol. Soltou comunicado dando lição de moral em Messi. Justo ela, uma confederação sem um pingo de credibilidade.

Bola de lixo. Mario Diaz de Vivar. O assoprador de latinha paraguaio simboliza muito bem o nível do apito nesta Copa América. Com raras exceções, uma tremenda porcaria. E a Argentina foi a seleção mais prejudicada. Ei, juiz, vai tomar caju…

Bola sete. “A corrupção e os juízes arruinaram o futebol. Lamentavelmente, foi armado para o Brasil. Vamos embora com a sensação de que não nos deixaram ir à final. Cansaram de marcar besteiras nesta Copa América, mas não foram nenhuma vez ao VAR nos dois últimos jogos da Argentina. O futebol não foi justo para nós. Pela forma que jogamos e por termos sido superiores ao Brasil, merecíamos estar na final” (desabafo de Messi, após ser expulso contra o Chile – pingos nos Is?).

Dúvida pertinente. O ‘professor’ Tite merece um voto de confiança até a Copa de 2022?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Amarelinha desbotada vale apenas 20 vezes mais que a seleção do Peru

Gallese, caído no gol de Firmino, é um goleiro bem mais confiante após duas grandes atuações no mata-mata — Foto: Miguel Schincariol/AFP
Com Gallese caido, Firmino marca um dos gols da vitoria por 5 a 0

Há um bom motivo para se colocar uma pedra de gelo no otimismo da torcida brasileira, que dá como favas contadas a conquista da Copa América, neste domingo, no ‘new Maraca’. De acordo com o site Transfermarkt, o voo do canarinho sem asas corresponde a 592,5 milhões de euros (R$ 2,5 bilhões), enquanto os peruanos navegam em 31,2 milhões de euros (R$ 133,7 milhões). Ou seja, uma pequena diferença de 20 vezes no tilintar das moedas.

Atleta mais valorizado do escrete nacional, o meia Philippe Coutinho vale três vezes mais que todos os titulares do Peru. E massacra Carrillo, o jogador mais valioso da equipe peruana: 90 milhões de euros a 7 milhões de euros. No gol, mais uma ridícula diferença: Alisson 80 mi x 2 mi Gallese.

Se somados os valores, os 23 jogadores convocados pelo ‘professor’ Tite representam 956,6 milhões de euros (R$ 4,2 bilhões). Pequena lembrança: sem Neymar, o mais caro do mundo – 220 milhões de euros (R$ 880 milhões à época em que foi contratado pelo Paris Saint-Germain).

Por falar em dindim… O campeão da Copa América embolsará R$ 44 milhões, somados o prêmio pela taça (R$ 28,6 milhões) e a taxa de participação (R$ 15,4 milhões). O vice vai faturar R$ 19 milhões, mais taxa. O terceiro ganhará R$ 15,4 milhões), e o quarto, R$ 11,5 milhões, além da taxa.

A amarelinha desbotada pode conquistar uma marca inédita em sua história: primeiro título de um torneio oficial sem sofrer gol. Até hoje, a equipe acumula cinco Copas do Mundo, oito Copas Américas e quatro Copas das Confederações. Em 1989, os brasileiros disputaram a melhor Copa América: o time tomou apenas um gol. Em 41 jogos sob comando de Tite, o time sofreu apenas 10 tentos. Há sete embates não leva gol.

XXXXXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. A incompetência e a desonestidade caminham juntas na política.

Carona na festa. O presidente Bolsonaro pretende pegar o vácuo do oba-oba da final entre amarelinha desbotada e Peru. A exemplo do que aconteceu na decisão do Brasileirão, quando desceu ao gramado da mansão Allianz Parque para entregar a taça ao Palmeiras, chegando a irritar alguns atletas, Bolsonaro também quer entrar em campo no ‘new Maraca’. E a Conmebol não colocará nenhum obstáculo. Sois rei!

Zé Corneta. Buffon, 41 anos, voltou à Juventus por competência na última temporada pelo PSG ou gratidão do clube que defendeu por muitos anos?

Martelada adiada. O estafe do ‘menino Ney’ analisou bem o momento vivido pelo jogador e chegou à conclusão que não seria conveniente organizar o leilão beneficente ao Instituto Neymar Jr. Ele estava programado para o dia 10. A acusação de estupro feita por Najila Trindade pesou, e muito, na decisão. Ano passado, o martelo arrecadou mais de R$ 3,5 milhões.

Sugismundo Freud. Inveja é sintoma de incompetência, e plágio é o atestado.

‘Matadores’. A Copa América é um exemplo de equilíbrio. Apenas 13 jogadores dividem a liderança da artilharia com incríveis… dois gols. Os reis da emoção: Everton, Firmino, Philippe Coutinho (Brasil), Flores, Guerrero (Peru), Lautaro Martínez (Argentina), Alexis Sánchez, Eduardo Vargas (Chile), Cavani, Suárez (Uruguai), Duván Zapata (Colômbia), Miyoshi (Japão) e Machís (Venezuela).

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Messi só não criticou o gramado porque não entrou em campo.

Corrupção olímpica. O encarcerado ex-governador Sérgio Cabral garantiu que deu US$ 2 milhões (R$ 7,59 milhões) para comprar votos que ajudaram a eleger o Rio como sede dos Jogos de 2016. Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, Cabral contou que o ex-presidente do COB (caixinha, obrigado Brasil), Carlos Arthur Nuzman, indicou o presidente da Iaaf (Federação Internacional de Atletismo), o senegalês Lamine Diack, para ser o intermediador da negociação. A proposta teria sido de US$ 1,5 milhão para comprar de cinco a seis votos e vencer Madri, Tóquio e Chicago. Depois, forem oferecidos mais US$ 500 mil (R$ 1,89 milhão) por até nove votos no total.

Corrupção olímpica 2. Cabral disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-prefeito Eduardo Paes não participaram do esquema, mas sabiam da propina. A assessoria de Lula negou. Paes também afirmou desconhecer a safadeza. Entre os nomes citados por Cabral como corruptos estão dois grandes nomes da história do esporte olímpico: o ucranianos Sergey Bubka, o maior saltador com vara de todos os tempos, e o nadador russo Alexander Popov, quatro vezes medalhista de ouro olímpico. Eles negaram. Além de Cabral e Nuzman, o ex-diretor do COB Leonardo Gryner e o empresário Arthur Soares Filho, conhecido como Rei Arthur, foram denunciados por suspeita de compra de votos. As defesas negam.

Dona Fifi. Calma, torcedor: o Brasileirão volta no dia 13.

Zapping. Champanhe no SporTV: a semifinal Peru x Chile cravou a média de 7,36 pontos de audiência, a maior já registrada na TV paga em números absolutos. Cada ponto equivale a 115 mil domicílios sintonizados. O recorde anterior pertencia ao amistoso Brasil x EUA, em 2010, na estreia de Neymar, com 6,76 pontos. A concorrência chora.

Gilete press. De Cosme Rímoli, no R7: “O escândalo envolvendo Neymar é assunto morto, resolvido. E que não terá consequência para o jogador. Pelo menos na Seleção. O presidente Rogério Caboclo, o coordenador Edu Gaspar, Tite e os jogadores compraram a tese do jogador: não estuprou e nem agrediu Najila. Neymar é inocente. E será convocado para os amistosos contra Colômbia e Peru, nos Estados Unidos. Podendo até recuperar a tarja de capitão…” É o ‘menino’ e mais 10.

Tititi d’Aline. “Craque? Há poucos no mundo. O Vinícius Júnior tem muito potencial, mas é um garoto de velocidade, não consegue levar sozinho uma equipe, além de passar e finalizar mal” – a análise é do ex-jogador Djalminha, hoje comentarista da ESPN. Ele colocou Rodrygo na mesma barca. No alvo.

Você sabia que… a seleção peruana disputará a final da Copa América depois de 44 anos da conquista do título?

Bola de ouro. Copa feminina. Os números são incontestáveis: EUA x Inglaterra, pelas semifinais do Mundial – 53.512 torcedores; superclássico Brasil x Argentina, penúltimo degrau antes da decisão da Copa América – 52.235 pagantes; Holanda x Suécia – 48.452 espectadores em Lyon; Peru x Chile – 29.985 pagantes no estádio do Grêmio. Passando a régua: mulheres – 101.964 torcedores; marmanjos – 82.220.

Bola de latão. Sport. Está sendo processado pelo goleiro Marcão, maior vencedor da história do clube pernambucano, com 10 títulos. O atleta cobra mais de R$ 5 milhões na Justiça do Trabalho, entre salários, direitos de imagem, férias, 13º e FGTS. Também quer a quebra de contrato, que vence em dezembro.

Bola de lixo. Independente. Os anjinhos organizados pelo diabo foram proibidos de usar instrumentos musicais, faixa, bandeirão, objetos, indumentárias e outros acessórios que os identifiquem em partidas do soberano São Paulo. O veto foi pedido pelo Ministério Público de São Paulo e acatado pela Federação Paulista de Futebol.

Bola sete. “Em fase família, com a mãe no Instagram, para tentar recuperar os patrocinadores perdidos pelos excessos cometidos em sua vida de popstar, Neymar foi certeiro ao responder a um parça que lhe perguntou sobre se ele continuava a mandar na Seleção: ‘Eles deixam, né?!'” (de Juca Kfouri, no Uol – sois rei).

Dúvida pertinente. O Circo Brasileiro de Futebol controla a Conmebol, como denunciou o hermano Messi?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Alô, Pachecada! Pode mandar fazer a faixa e preparar a festa do título da Copa América

Guerrero fez mais um na vitória peruana
Guerrero entortou os chilenos: o melhor em campo

A amarelinha desbotada só perde o caneco da Copa América se subir no salto. O escrete do ‘professor’ Tite decidirá o título contra o Peru, o pior dos times classificados para as semifinais. Tremendo mamão com açúcar. Na primeira fase, os brasileiros colocaram o Peru na roda e golearam por 5 a 0, sem fazer muita força.

O duelo será domingo, no ‘new Maraca’. Faturar o troféu é uma obrigação para o time brasileiro, muito superior tecnicamente. Caso contrário, será um tremendo vexame. Tite não poderá contar com Willian, machucado.

Brasil e Peru já se encontraram 44 vezes na história. O time brasileiro venceu 31 embates e perdeu apenas quatro. Aconteceram nove empates. Além da goleada no Itaquerão, minha casa minha vida no torneio deste ano, a equipe nacional já faturou por 7 a 1, em 1949, e 7 a 0, em 1997.

Nas quatro partidas que encarou o Brasil no Maraca, o Peru levou chumbo em todas – 1957/66/69/78. Os peruanos foram campeões da Copa América em 1935 e 1975. Chegaram à final deste ano após 0 a 0 com a Venezuela, 3 a 1 na Bolívia, 0 a 5 contra o Brasil, 0 a 0 nas quartas com o Uruguai (5 a 4 nos pênaltis) e 3 a 0 no Chile.

O Peru, comandado por Ricardo Gareca, aproveitou a máscara do bicampeão Chile, jogou com muita raça e sapecou 3 a 0, gols de Flores, Yotún e Guerrero, no estádio do Grêmio (29.895 pagantes/R$ 8.305,120; 3.163 entraram de graça).

Capitão da equipe, Guerrero se isolou como maior artilheiro em atividade da competição, com 13 gols. E desabafou após o jogo: ‘Algumas pessoas estão faltando com respeito. Durante a transmissão de Argentina x Brasil, diziam que o Chile era superfavorito. Respeito muito o Brasil, mas também tem que respeitar o meu país. No futebol não existe favorito, e demonstramos isso mais uma vez.’

Na bacia das almas, o goleiro Gallese, um dos melhores em campo, defendeu um pênalti cobrado por Vargas. O chileno tentou uma cavadinha e Gallese pegou a bola apenas com a mão esquerda.

Os peruanos praticamente resolveram a parada no primeiro tempo. Engoliram o Chile. De cara, Cueva perdeu um gol incrível. Sob a batuta de Guerrero, o bambambã do confronto, pararam os chilenos com forte marcação sobre Vidal e Alexis Sánchez, as estrelas chilenas.

Flores abriu o placar aos 20 minutos. Cueva cruzou da direita, Carrillo desviou de cabeça e Flores completou para a rede. O Chile continuou assistindo à boa exibição do Peru e tomou o segundo aos 37. Arias saiu desordenadamente do gol, foi driblado e Yotún recebeu o cruzamento. Dominou a bola e soltou um petardo.

O Chile cresceu de produção na segunda etapa, aproveitando o recuo do Peru. Aí apareceu o goleiro Gallese com ótimas intervenções, culminando com a defesa no pênalti. Ele já pegou três.

Aos 45′, com a torcida gritando ‘olé’, Guerrero nocauteou o inimigo. Após passe de Tapia, o centroavante driblou Arias e cutucou para o gol. O sonho do tri chileno foi para o espaço. Sábado, no Itaquerão, minha casa minha vida, brigará pelo terceiro lugar com a Argentina.

XXXXXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. O clima entre a turma da plim plim e jogadores da amarelinha desbotada não recomenda um breakfast na padaria de Teresópolis.

VARgonha. A Associação de Futebol Argentino mandou uma carta de seis páginas à Conmebol condenando o apito amigo do equatoriano Roddy Zambrano na derrota para a amarelinha desbotada. Criticou a ausência do VAR em dois lances de ‘pênaltis claros’. Também chiou contra as más condições dos gramados no torneio, atraso nas chegadas das delegações aos estádios (‘só o Brasil foi privilegiado’), pouco público nos estádios e precárias condições de segurança e hotelaria. Sobrou até para o presidente Bolsonaro, que ‘deu uma verdadeira volta olímpica no intervalo’, política condenada pela Conmebol.

Zé Corneta. As entrevistas do ‘professor’ Tite, antes e depois dos jogos, estão insuportáveis. Blá-blá-blá de media training que enche o papo do sapo.

Laranja finalista. Com um gol de Groenen (foto) na prorrogação, após ‘oxo’ no tempo normal, a seleção da Holanda venceu a Suécia por 1 a 0 e decidirá a Copa do Mundo feminina contra os Estados Unidos. A final será domingo, em Lyon. As americanas lutarão pelo tetra. O time laranja corre por título inédito. Holandesas e suecas abusaram das faltas e ofereceram poucas emoções a 48.452 espectadores no Parc Olympique Lyonnais. Cada seleção acertou a trave uma vez ao longo dos 90 minutos.
Depois de 16 anos, duas treinadoras se enfrentarão na final: Sarina Wiegman (Holanda) e Jill Ellis (EUA). É a primeira vez que isso acontece nos últimos 16 anos. No sábado, em Nice, Suécia e Inglaterra disputarão o terceiro lugar.

Sugismundo Freud. Só competência faz a diferença.

Pingos nos is. Queiram ou não os sabichões da mídia caolha e a turma do contra: sem o ‘menino’ Ney, a amarelinha desbotada é uma equipe comum, capaz de se enrolar mais que namoro de cobra. Basta o adversário fechar a casinha para o canarinho sem asas entrar em parafuso.

Caiu na rede. Don’t cry for me, Argentina (by menino Jesus).

Índio mata periquito. De virada, o Guarani bateu o Palmeiras por 2 a 1, em amistoso realizado no Brinco de Ouro (5.260 testemunhas/R$ 84.187). O Índio campineiro detonou uma série invicta de 15 partidas dos periquitos em revista. Líder do Brasileirão, o Palestra saiu na frente com um gol do zagueiro Edu Dracena no primeiro tempo. Weverton defendeu um pênalti cobrado por Vitor Feijão. O Guarani chegou à vitória na etapa final com Diego Cardoso e Bady. O Guarani é vice-lanterna da série B do Brasileiro com apenas cinco pontos em 24 possíveis.

Zapping. Apresentador do Fox Sports Rádio, Benjamin Back decidiu carregar a bandeira dos Pachecos: ‘Eu te amo meu Brasil, eu te amo, meu coração é verde, amarelo, branco, azul anil…’ Te cuida, Galvão!

Volta do xerife. O Corinthians necessita acertar com urgência a peça ofensiva e por isso anunciou o retorno do… zagueiro Gil, 32 anos. Ele estava no Shandong Luneng, da China. Gil assinou até dezembro, com opção de mais três anos. Deverá receber R$ 550 mil por mês, mesmo salário do goleiro Cássio e do lateral Fagner, os mais altos do time. O zagueiro disputou 184 jogos pelo Corinthians e marcou sete gols. Ganhou a Recopa Sul-americana de 2013 e o Brasileirão de 2015. Mas

Gilete press. De Lauro Jardim, no Globo: “A Justiça negou o pedido da CBF para impedir a Adidas de continuar a produzir e vender sua versão das camisas usadas pela seleção brasileira, que é patrocinada pela Nike. Para a CBF, a Adidas promovia uma “concorrência desleal” ao “imitar” o seu uniforme oficial. Com cores em disposição idêntica à da seleção, a camisa da Adidas tem desenho levemente diferente da vendida pela Nike e outro escudo no peito, que nada lembra o da CBF. Segundo o juiz Paulo Estefan, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, “as cores nacionais podem ser utilizadas sem restrições por qualquer pessoa física ou jurídica. É claro que a camisa amarela com a gola verde remete à seleção, mas isso não basta”. Nocaute.

Tititi d’Aline. Nada contra, ao contrário. Mas não deixa de ser quiçá interessante e, por que não dizer, uma tremenda discriminação do Circo Brasileiro de Futebol. Até hoje a casa maldita do ludopédio nacional jamais se preocupou em criar um mascote para a seleção feminina. Os marmanjos têm o Canarinho Pistola. Já passou da hora de a cartolagem mostrar que as meninas merecem o mesmo tratamento.

Você sabia que… a seleção feminina dos Estados Unidos nunca ficou fora das semifinais em oito edições da Copa do Mundo e que chegou cinco vezes à decisão?

‘Bola de ouro’. Daniel Alves. Nota 10 com a bola rolando e 2,5 nas entrevistas. Deu show contra os hermanos, mas quando abriu a boca… ‘Muitas pessoas duvidaram bastante da gente. O nível do futebol está muito alto. Esta vitória é para o nosso staff, que vem apanhando muito’.

Bola de latão. Lionel Scaloni. A seleção argentina merece mais respeito e não um simples estagiário na casamata. Caiu de paraquedas, produto da incompetência dos cartolas da AFA.

Bola de lixo. Roddy Zambrano. O assoprador de latinha equatoriano conseguiu uma façanha: desagradou brasileiros e argentinos. Deixou de marcar pelo menos um pênalti para os hermanos. Uma VARgonha!

Bola sete. “Outro papelão da arbitragem, fracasso da Copa América: não revisaram dois pênaltis claros para a Argentina. Messi jogou sua melhor partida no torneio. Marcado por vários brasileiros e com faltas sistemáticas, conseguiu complicar a defesa adversaria e armar o jogo. Sempre tentou até o último minuto” (do jornal ‘Olé’, após a derrota dos hermanos – é vero).

Dúvida pertinente. Copa América ou segundona do Brasileiro, o que é pior?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Menino Jesus e traves garantem a amarelinha desbotada na decisão da Copa América; tchau, hermanos!

ao vivo jogo resultado brasil x argentina copa américa semifinal
Jesus reencontra o gol depois de 724 minutos

A amarelinha desbotada está de volta à decisão da Copa América depois de 12 anos. E deve agradecer ao menino Jesus e às traves do Mineirão. O atacante desencantou e correu novamente para o abraço após um jejum de 724 minutos sem balançar a rede. Ou nove confrontos, mais os 18 minutos desta terça.

Jesus marcou o primeiro gol e deu o segundo de bandeja para Firmino na vitória por 2 a 0 sobre a Argentina, pelas semifinais, no Mineirão (52.235 pagantes/R$ 18.744.445, a maior depois da reforma do estádio). Outro destaque: o ‘vovô’ Daniel Alves. Jogou muito aos 36 anos.

Para chegar à disputa do caneco, a equipe do ‘professor’ Tite adotou o pragmatismo, o futebol de resultado. O importante é ganhar… e aliviar a pressão sobre a equipe. A Argentina realizou a melhor partida no torneio. Agüero e Messi acertaram a trave, um em cada tempo. A seleção terminou o embate com 13 finalizações, contra quatro do Brasil.

Os hermanos não festejam um título desde 1993. Eles deixaram o gramado reclamando muito de sua senhoria, o assoprador de latinha equatoriano Roddy Zambrano. Chiaram porque não recorreu ao VAR para checar um possível pênalti antes do contra-ataque de Jesus no segundo gol.

O canarinho sem asas retornará ao ‘new Maraca’ depois de seis anos. Em 2013, faturou a Copa das Confederações com um triunfo sobre a Espanha. Foi o último título da equipe nacional. A decisão será domingo, contra Chile ou Peru, que decidem a vaga nesta quarta, em Porto Alegre. A Argentina disputara o terceiro lugar no sábado, no Itaquerão, minha casa minha vida.

Neymar assistiu o jogo das tribunas. O presidente Bolsonaro viu o duelo ao lado ministro Paulo Guedes, do ex-jogador Cafu e do chefão do Circo Brasileiro de Futebol, Rogerio Caboclo. No intervalo, Bolsonaro pintou no gramado e dividiu a galera entre vaias e aplausos.

Meio samba, meio tango. Assim pode ser definido o primeiro tempo do superclássico em BH. Rigorosamente, o resultado mais justo seria o empate ao final dos 45 minutos. A amarelinha desbotada, porém, soube aproveitar a chance que criou, enquanto os argentinos pararam na trave do goleiro Alisson.

O time brasileiro surpreendeu ao explorar mais o lado direito. Esperava-se que o ‘professor’ Tite adotasse mais poder de fogo pelo esquerda, com Everton Cebolinha, já que o improvisado zagueiro Foyth ocupava a lateral dos hermanos.

E foi com Daniel Alves, pela direita, que a amarelinha desbotada chegou ao gol. Aos 18, o brasileiro deu um lençol em Acuña, limpou Paredes e deu um belo passe para Firmino. O atacante cruzou rasteiro e Gabriel Jesus, sozinho, tocou para a rede.

Inexplicavelmente, o time brasileiro recuou e deixou a Argentina crescer. Afrouxou a marcação e os hermanos tomaram conta da partida. Mais livre, Messi começou a mostrar seu ótimo repertório. Aos 29, ele cobrou falta e Agüero cabeceou na trave.

O sufoco continuou e a fase inicial terminou com cinco finalizações da Argentina, contra duas dos brasileiros.

A amarelinha desbotada voltou do vestiário com Willian no lugar de Everton Cebolinha, apagadíssimo. Pouco adiantou. Os argentinos seguiram superiores. Aos 7, o placar dos chutes a gol indicava 7 a 2 para os hermanos.

Quatro minutos depois a trave jogou novamente a favor do canarinho sem asas. Em contragolpe, Lautaro tentou o chute e a bola sobrou para Messi na esquerda. O craque soltou uma bomba e a bola explodiu no travessão.

A Argentina tentou pressionar ainda mais ao substituir o lateral Acuña pelo atacante Di Maria. Na sequência, troca brasileira: Marquinhos sentiu uma lesão e entrou o veterano Miranda.

Aos 25, explosão nas arquibancadas: Gabriel Jesus arrancou pela esquerda, superou dois zagueiros, invadiu a área e tocou para Firmino fazer a festa. Uma jogada genial do ex-palmeirense. Só Jesus salva! Aos 34, o garoto deixou o campo ovacionado. Entrou Allan para reforçar o meio de campo e garantir o triunfo.

Na bacia das almas, gritos de ‘olé’ e ‘eli-mi-naaa-do’. Amarelinha desbotada está na final da Copa América. Vai correr atrás de seu nono título da Copa América. Enfrentará o vencedor de Chile (bicampeão) x Peru.

A caminhada brasileira: 3 a 0 na Bolívia, 0 a 0 com a Venezuela, 5 a 0 no Peru, 0 a 0 contra o Paraguai (4 a 3 nos pênaltis) e 2 a 0 na Argentina. O Brasil pode encerrar o torneio sem ser vazado, igualando os feitos de Uruguai (1987) e Colômbia (2001). A equipe está sem sofrer gols há 603 minutos, desde os 37 da primeira etapa do amistoso contra a República Tcheca, quando Pavelka venceu Alisson.

xxxxxxxxxxxxxxx

Pitaco do Chucky. Bozo, um governo desgovernado.

EUA a caminho do tetra. A seleção americana confirmou o favoritismo e derrotou a Inglaterra por 2 a 1, no Parc Olympique Lyonnais. Com a vitória, a equipe se classificou para a decisão da Copa do Mundo feminina. Os EUA lutarão pelo tetra contra o ganhador de Holanda x Suécia (o duelo será nesta quarta). Nada menos que 53.512 torcedores acompanharam o jogo. O grito de campeão sairá no domingo. Um dos destaques do time americano foi Alex Morgan. A atacante completou 30 anos e marcou o tento da vitória. Soma agora seis gols e divide a artilharia com Ellen White, que assinalou o tento da Inglaterra. Ao correr para o abraço, Morgan provocou as adversárias ao simular que estava tomando chá, tradição inglesa.

Festa americana nas semifinais da Copa

EUA a caminho do tetra 2. Press e a goleira Naeher também brilharam na vitória americana. Substituta de Rapinoe, uma das estrelas do time (ficou no banco por motivos na divulgados), Press marcou o primeiro gol dos EUA. Já Naeher defendeu um pênalti cobrado por Houghton quando o jogo estava 2 a 1. Depois de ignorar a falta de Sauerbrunn em White, a árbitra brasileira Edina Alves consultou o VAR e apontou a cal.

Zé Corneta. A gestão Covas é um buraco sem fim.

Desabafo. As ex-jogadoras Rosana e Francielle engrossam a lista de repúdio ao ‘professor’ Vadão no comando da seleção feminina. ‘As ideias dele são ultrapassadas. Foi a comissão técnica que teve mais tempo para trabalhar e não fez nada’, detonou Franciele, em entrevista ao site de apostas ‘BetWay’. Rosana também criticou a falta de união entre as atletas que foram à Copa da França. As duas condenaram o enxoval da equipe com as cinco estrelas do penta mundial dos marmanjos. ‘Cada um com suas conquistas. Não precisa ter cinco estrelas no peito só pra falar que tem. Não são nossas”, fuzilou Francielle.

Sugismundo Freud. Só pessoas diferentes conseguem grandes resultados.

Messi = 1.693 jogadoras. A Organização das Nações Unidas encampou a luta das jogadoras por melhores salários no futebol. No vácuo da Copa do Mundo, a ONU lembrou que o hermano Messi ganha o dobro que 1.693 atletas juntas. O craque do Barcelona fatura US$ 84 milhões (R$ 320 milhões) por temporada. Já as jogadoras das principais ligas do mundo embolsam, somadas, US$ 42,6 milhões (R$ 162 milhões).

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Uruguai escala Arrascaeta e fica só no cheirinho na Copa América

Gilete press. De Lauro Jardim, no Globo: “A campanha da seleção brasileira feminina na Copa do Mundo foi curta, mas engajou os jovens. Na audiência média das quatro partidas do time de Marta, a Globo viu seu público entre 18 e 24 anos crescer 93% entre os homens e 80% entre as mulheres na comparação com os horários do futebol nas quatro semanas anteriores. Em São Paulo, a derrota do Brasil para a França marcou 32 pontos, a maior audiência de um jogo feminino de futebol.” Elas merecem!

Zapping. A telinha do SporTV ferve: Gustavo Villani (abençoado por Galvão Bueno), Milton Leite e Luiz Carlos Júnior brigam pelo primeiro lugar como narrador do canal.

Tititi d’Aline. O menino Jesus e a modelo paulista Júlia Schiavi, ex de Nego do Borel, já superaram a fase de ‘estamos apenas nos conhecendo’. Apesar de negar, o casal troca muito mais que fotos nas redes sociais.

Bola de ouro. Gabriel Martinelli. O atacante de 18 anos foi contratado pelo Arsenal por R$ 30 milhões. O moleque se destacou no Ituano e foi eleito a revelação do último Paulistinha. Também faturou o troféu Craque do Interior. Assinou por quatro temporadas. Martinelli marcou 75 gols em 127 jogos pelo Ituano.

Bola de latão. Mídia Caolha. É incrível a benevolência de boa parte da imprensa com o soberano São Paulo. Quando Corinthians, Palmeiras e Peixe atrasam o salário, o mundo desaba. Já os microfones pintados de vermelho, branco e preto simplesmente ignoram o calote do Tricolor, a precária situação financeira do clube.

Bola de lixo. Marcelo. O lateral do Real Madrid se recusou a fazer o teste do bafômetro em blitz da Operação Lei Seca na Lagoa. O brasileiro foi multado (R$ 2.934,00), teve a habilitação apreendida e ficará um ano sem poder dirigir. Marcelo curte férias na Cidade Maravilhosa das balas uivantes.

Bola sete. “Messi é um dos maiores jogadores de todos os tempos! E este tamanho todo faz com que as análises sobre seu desempenho na seleção sejam sempre menos ácidas por aqui. Neymar, excelente jogador, não tem esta colher de chá. Ele é criticado duramente, mesmo que seu desempenho com a seleção seja pelo menos parecido com o de Messi pela Argentina” (de Eduardo Tironi, no ESPN – é vero).

Dúvida pertinente. Seleção de Tite, uma cópia do Corinthians pragmático de 2015?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Amarelinha desbotada perde o encanto: nem samba, nem bola. Uma chatice!

Brasil x Paraguai pelas quartas de final da Copa América
Amarelinha desbotada: sai o show, entra o pragmatismo

‘O Brasil antes sabia jogar…’ – em poucas palavras, o jornal espanhol ‘Marca’ mostrou a quantas anda na Europa a bolinha de gude do time montado pelo ‘professor’ Tite para disputar a Copa América. Deixou o espetáculo de lado, adotou o pragmatismo, o importante é vencer, não importa como.

Em nome da sobrevivência, o canarinho sem asas do ornitólogo Tite trocou o zen pelo deprê, o up to date pelo demodê, como diria o poeta Tom Zé. Os elogios à amarelinha desbotada pela ‘partida decepcionante’ contra um Paraguai que jogou com 10 o segundo tempo são praticamente iguais aos da torcida brasileira, exceto a pachecada.

“Além do resultado decidido de forma aleatória nas penalidades, a crise do futebol que o Brasil vem apresentando nos últimos anos continua em alta”, escreveu o ‘Marca’. A pá final no canteiro de obras da pátria das chuteiras furadas, que um dia já foi o país da bola: “Acabou o encanto, o samba, a magia e as goleadas. Agora, assistir o Brasil é chato.”

Com essa roupa de gala, só existe uma saída para a gravata borboleta voltar a brilhar como vagalume no fim do túnel: o time fazer a lição de casa e soltar o grito de campeão depois de 12 anos. “Só conquistando a Copa a seleção brasileira poderá aliviar um pouco a barra”, vaticinou o ex-jogador Djalminha.

XXXXXXXXXXXXXXX

Pitaco do Chucky. VAR, mais um ditador no mundo das chuteiras.

Numerologia. A amarelinha desbotada disputará pela 26ª vez um embate no Mineirão, nesta terça, contra a Argentina, pelas semifinais da Copa América. O primeiro duelo aconteceu há 54 anos: em 7 de setembro de 1965, a equipe venceu o amistoso com o Uruguai por 3 a 0. O saldo é dos mais favoráveis. O time ganhou 17 partidas, empatou cinco e apanhou três. Marcou 54 gols e tomou 29. Pela Copa América de 1975, três jogos: 2 a 1 na Argentina (adversário desta terça), 6 a 0 na Venezuela e derrota por 3 a 1 para o Peru. Mas sob o comando do ‘sargento’ Felipão, o canarinho sem asas deu o maior vexame de sua história. Foi humilhado pela Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo de 2014. Levou uma coça de 7 a 1.

Numerologia 2. Brasileiros e hermanos já se enfrentaram 32 vezes em Copas Américas. E os argentinos dão um baile: 15 vitórias, contra nove do Brasil. Aconteceram oito empates. Nos últimos cinco mata-matas, porém, quatro triunfos da amarelinha desbotada e um empate. Com Messi em campo, os argentinos ganharam três confrontos e perderam cinco em nove jogos. O astro do Barcelona não corre para o abraço contra os brasileiros desde 2012, quando brilhou na vitória por 4 a 3 com três gols, em amistoso contra o time olímpico de Mano Menezes. Ao longo da história, o Brasil derrotou 42 vezes o coirmão em 104 partidas. Perdeu 37. Houve 25 empates. Assinalou 163 gols e levou 157.

Zé Corneta. A primeira semana pós-eliminação das brasileiras é pra lá de preocupante: a plim plim deu um bico na Copa e não transmitiu nenhum jogo.

Recado a Tite. Os hermanos do jornal Olé mandaram um torpedo ao ‘professor’ da amarelinha desbotada: ‘Aviso urgente para o senho Adenor Leonardo Bacchi, o Tite: Argentina está nas semifinais e Messi, o 10, sua estrela, a figura da Copa, ainda não mostrou sua melhor versão. Fica você devidamente notificado.’ De quebra, fez um apelo ao astro do time: ‘Leo, desperte contra o Brasil.’ Até agora, Messi teve uma atuação apagada na Copa América. O duelo será nesta terça, no Mineirão.

Sugismundo Freud. É preciso ter coragem para ser diferente.

Migalhas. O apoio dos principais clubes do país ao futebol feminino é dos mais gratificantes e derrubam os argumentos da rainha Marta & Cia. de que as mulheres só conseguem manter o sonho de correr atrás de uma bola por absoluta teimosia. Choram de barriga cheia. Os times investem pesado no bico da chuteira das meninas, nada menos que 1% do orçamento, de acordo com o Globo. O Flamengo, por exemplo, aplica uma verdadeira fortuna, algo em torno de R$ 1 milhão por ano, ou um mês de salário do atacante Gabigol. O Peixe lidera o ranking, com R$ 4 milhões, entre salários, viagens, alimentação e que tais.

Caiu na rede. Se querem raça, comprem um cachorro com pedigree.

Resultado de imagem para fotos kevin durant

Chuá. Mesmo sem poder jogar na próxima temporada, já que se recupera de uma cirurgia no tendão de Aquiles, a fera Kevin Durant (foto) acertou um contrato de quatro temporadas com o Brooklyn Nets. Durant receberá US$ 164 milhões (R$ 631 milhões) para atuar ao lado de Kyrie Irving. Duas vezes MVP das finais da NBA, o astro abriu mão de US$ 31,5 milhões por mais um ano no Golden State Warriors.

Love story. Marias-chuteiras são-paulinos derramam lágrimas: o atacante Pato se casou com a apresentadora Rebeca Abravanel. A troca de alianças aconteceu na mansão do pai de Rebeca, o ‘patrão’ Silvio Santos. O namoro começou em dezembro.

Gilete press. De Benjamin Back, no Uol: “É óbvio que o mundo ideal é jogar bonito e vencer, mas não havendo a primeira possibilidade, ganhar é o que importa, afinal, nunca vi torcedor deixar de comemorar um título por seu time ter vencido no sufoco! E que venha a Argentina, para vencermos de forma sofrida, suada e no sufoco! Porque comemorar derrota é coisa de louco…” Há controvérsias.

Zapping. Soy Loco por Copa América, com as incríveis imitações de Marcelo Adnet, engoliu a cobertura da plim plim.

Tititi d’Aline. A amarelinha desbotada navega com 80,9% de possibilidades de chegar à final, de acordo com a matemática do Chance de Gol. A Argentina acumula 19,1%. Na outra semifinal, o placar indica Chile 59,1% x 40,9% Peru.

Você sabia que… 370 mil garotas jogam futebol no ensino médio dos Estados Unidos?

Bola de ouro. Max Verstappen. O piloto da Red Bull acabou com a mesmice Hamilton-Bottas, dupla da Mercedes, no circo da Fórmula 1 e conquistou o GP da Áustria. Após largar mal, Verstappen se recuperou brilhantemente, ultrapassou Charles Leclerc nas últimas voltas e cruzou a linha de chegada em primeiro.

Bola de latão. Douglas. O ex-lateral do São Paulo figura no listão do Barcelona. Contratado em 2014, jamais agradou e foi emprestado ao Sporting, Benfica e Sivasspor. Não despertou interesse. Ele jogou apenas oito partidas no Barça. Vermaelen, Murillo e Boateng também deixarão o clube catalão.

Bola de lixo. Corinthians. O time do decadente ‘professor’ Fabio Carille voltou das férias em grande estilo: perdeu para o Botafogo por 2 a 1, em Ribeirão Preto. Havia 28 anos que o Corinthians não levava uma bucha na casa do Botinha.

Bola sete. “Com a recessão, e a Seleção blindada, o número de jornalistas brasileiros seguindo o time de Tite pelo país caiu drasticamente. A relação entre os atletas, o técnico e os repórteres é cada vez mais fria, distante” (de Cosme Rímoli, no R7 – fato).

Dúvida pertinente. Aerococa, um voo privilegiado?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br