Nem fotos nem autógrafo: árabes ignoram campeão da América no Mundial da Fifa

Os hermanos do River Plate vivem uma experiência inusitada em Al Ain, nos Emirados Árabes, à espera da estréia no Mundial de clubes da mamãe Fifa. Ninguém está dando a mínima bola para os campeões da América. Nada de fotos ou autógrafo. Muito menos uma bandeira ou um grito de apoio. Lembra retiro espiritual.

Não há necessidade nem de cordão de segurança para a equipe deixar o hotel. “Uma situação bem diferente da loucura vivida em Madri, na decisão da Libertadores, contra o Boca Juniors”, disse Mariano Dayan, do jornal ‘Olé’.

Os organizadores mantêm representantes no lobby do luxuoso hotel para qualquer problema, mas até agora não passaram de decoração. O ‘professor’ Gallardo e os jogadores certamente estão estranhando tanta tranquilidade.

O isolamento se deve ao fato de a cidade ficar longe do burburinho do torneio. “Não é Dubai, o coração turístico, cidade que abriga trabalhadores argentinos, nem a capital Abu Dhabi, local da final do Mundial”, afirmou Dayan.

Em Al Ain, não há grandes atrações. A cidade fica a uma hora e meia dos grandes centros. O River estreará nas semifinais contra o Al Ain, nesta quarta. O time árabe despachou o Esperance por 3 a 0 nas quartas de final.

O outro jogo será Real Madrid x Kashima Antlers. A equipe japonesa, que tem Zico como diretor, eliminou o Chivas, do México, por 3 a 2.

xxxxxxxxxxxx

Pitaco do Chucky. O Congresso tem gabinete ou lavanderia?

Recordar é viver. O futebol é mesmo uma adorável caixinha de surpresas. Um vulcão de incríveis caneladas. Há pouco mais de duas semanas, Renato, 39 anos, despediu-se do futebol no aquário da Vila Belmiro, na vitória sobre o Galo por 3 a 2. Bicampeão brasileiro (2002/04) e paulista (2015/16) com a camisa do Santos, o meio-campista de toque refinado atraiu nada menos que… 4.591 pagantes (R$ 89.946,50) ao estádio. Um tributo elogiável para quem defendeu apenas 425 vezes o Peixe e marcou 34 gols em duas passagens pelo clube (2000/04 e 2014/18). No próximo ano, Renato exercerá o cargo de diretor-executivo do Santos.

Recordar é viver 2. Negociado ao Milan por 35 milhões de euros, Lucas Paquetá, 21 anos, disse adeus ao Flamengo na última rodada do Brasileirão. A saideira do moleque foi prestigiada por somente 66.046 torcedores (R$ 697.255). Um recorde de público ridículo no Brasileirão, já que Paquetá disputou 95 partidas pelo Rubro-negro e assinalou 18 gols. Ganhou três títulos inesquecíveis: Copa São Paulo de juniores (2016), Carioquinha (2017) e Taça Guanabara. Não precisa explicar, vovó Mafalda só queria entender.

Zé Corneta. Felipe Melo mais requisitado que Papai Noel. Pobre futebol!

Herança. Pobre Fabio Carille: sob o guarda-chuva ‘salvador da pátria’, o ‘professor’ receberá um Corinthians em frangalhos, com uma série de recordes negativos nesta temporada. Alguns feitos: perdeu 27 das 72 partidas oficiais que fez (16 delas no Brasilerão), maior número de pauladas no século 21, superando as 25 de 2006; igualou a pontuação da esquadra rebaixada em 2007, com 44 pontos, e terminou em 13º, pior colocação desde a volta à elite em 2008; obteve fantásticos 18 pontos no returno, com aproveitamento de 31,5% (desde 2003 não realizava um turno tão ruim); e levou sete bordoadas no Itaquerão, recorde negativo em uma temporada no estádio. Até agora, os reforços não são nada animadores, exceção do meio-campista Ramiro, ex-Grêmio.

Sugismundo Freud. Quem tem fama de madrugador pode dormir até tarde.

Zapping. A plim plim já conta os dias que faltam para a bola voltar a rolar na telinha. O primeiro domingo sem chuteiras foi catastrófico. Exibido no horário do esporte bretão, o filme ‘King Kong’ cravou apenas 14,2 pontos de audiência na grande Pauliceia entregue às traças. Uma semana antes, Chapecoense x São Paulo rendeu 18,6 pontos, mesmo sem valer muita coisa. Cada ponto no ibope equivale a 71,8 mil domicílios sintonizados.

Caiu na rede. Kashima batiza Chivas no Mundial.

Gringo na Vila. Depois das experiências pouco elogiosas com Juan Carlos Osorio, Ricardo Gareca, Bauza ‘Patón’, Daniel Passarella, Paulo Bento e Reinado Rueda, mais um gringo vai aterrissar numa casamata do ludopédio nacional. O hermano Jorge Sampaoli comandará o Peixe. Adepto do futebol ofensivo, uma das características do Santos, conhece a mandioca. Mas é um péssimo administrador de vestiário. Que o diga a sua passagem pela seleção da Argentina. Um caos na Copa! Sampaoli receberá US$ 2 milhões (R$ 7,7 milhões) por temporada no aquário da Vila Belmiro, mais premiações altíssimas por metas alcançadas. Aposta de risco.

Gilete press. De Jaeci Carvalho, no Estado de Minas: “Na enquete que fiz, via Instagram e e-mail, recebi 98% das mensagens a favor da negociação de Luan com o Corinthians. A esmagadora maioria dos torcedores do Galo entende que ele dá prejuízo ao clube, pelo pouco que joga e pelo muito que recebe. O novo contrato, assinado recentemente, lhe dá R$ 400 mil mensais, sem que o futebol esteja à altura desse valor. De 2013 a 2017, Luan ficou mais no departamento médico do que em campo. Porém, faz muita média com a torcida e isso o mantém no grupo. A melhor solução para o Galo é se desfazer do jogador, economizando, assim, R$ 20 milhões nos próximos quatro anos, tempo do contrato dele.” Maluquinho em baixa.

Tititi d’Aline. O incrível Hulk já começou a preparar o terreno para trocar as chuteiras pela vida de empresário. Aos 32 anos, o brasileiro do Shanghai inaugurou um supermercado em João Pessoa, está construindo um hotel cinco estrelas na capital paraibana e entrou de sócio numa rede de restaurantes, que planeja ampliar para 10 cidades brasileiras. Que dureza!

Você sabia que… a maioria dos torcedores do River Plate (70%) considera que ganhar o Mundial com uma vitória sobre o Real Madrid não vai superar o triunfo diante do Boca Juniors na decisão da Libertadores?

Bola de ouro. Nicholas Santos (foto) Aos 38 anos, o brasileiro faturou o ouro nos 50m borboleta do Mundial de piscina curta em Hangzhou, na China. Ele se tornou o nadador mais velho da história a ser campeão. Cravou o tempo de 21s81. Menção honrosa. Luiz Altamir, Fernando Scheffer, Leonardo Santos e Breno Correa. O quarteto brasileiro ganhou o revezamento 4x200m livre, com direito a recorde mundial – 6m46s81, dois segundos abaixo da antiga marca (6m49s04).

Bola de latão. Corinthians. Decidido a montar um time campeão depois de uma abominável temporada, o chefão Andrés ‘Desmanchez’ foi ao mercado e conseguiu cinco reforços: o meia Ramiro, o volante Richard, o lateral-direito Michel e os atacantes André Luis e Gustavo Mosquito. Centroavante matador que é bom, nada. Em êxtase, a Fiel chora de raiva.

Bola de lixo. São Paulo. O soberano continua parado no tempo. Até agora, nenhum reforço para a próxima temporada. E dinheiro, pelo que se sabe, não falta.

Bola sete. “Comparação entre resultado e desempenho é avanço para o Brasil. Parafraseando Tom Jobim, o futebol e o mundo não são mais para principiantes” (do pequeno grande Tostão, na Folha – na mosca, como sempre).

Dúvida pertinente. O Palmeiras deve trocar o carimbo da Crefisa pelo da Blackstar no enxoval?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s