Palmeiras passa fácil pelos peruanos e mantém 100% na Libertadores

Thiago Martins festeja o primeiro gol do Palmeiras

Mesmo poupando alguns jogadores (Marcos Rocha, Victor Luís, Bruno Henrique e Willian), o Palmeiras passou fácil pelo Alianza Lima, na mansão Allianz Parque (30.456 pagantes/R$ 2.903.370,96). Venceu por 2 a 0, gols de Thiago Martinz e Borja, e manteve 100% de aproveitamento na Libertadores.

Os periquitos em revista lideram o grupo 6, com seis pontos ganhos – na estreia a equipe superou o Junior Barranquilla por 3 a 0, na Colômbia. Boca Juniors e Alianza têm um, e Junior, zero.

O Palestra poderia ter conquistado uma goleada, mas perdeu chances incríveis diante de um adversário muito fraco. Na verdade, o embate serviu como treino de luxo para a decisão do Paulistinha, a pré-temporada, contra o Corinthians, no próximo domingo.

O Palmeiras poderia ter massacrado o fraco time peruano no primeiro tempo. Dominou a partida desde o início, criou pelo menos seis oportunidades de gol, porém só conseguiu aproveitar uma.

Aos 10 minutos, Dudu cobrou falta, Antonio Carlos cabeceou na trave e no rebote Thiago Martins só empurrou para o gol. O Palestra manteve o pique e envolveu constantemente a zaga do Alianza, com trocas constantes de posição e boas jogadas pelas laterais.

Em um dos ataques, aos 18, Dudu cruzou, o goleiro Daniel Prieto falhou e Borja tirou tinta da trave.

Depois de perder várias oportunidades, o Palmeiras passou por maus momentos. Felipe Melo e Moisés vacilaram duas vezes e os peruanos só não empataram por absoluta incompetência técnica, o que seria uma tremenda injustiça. O paredão Jailson só fez uma defesa.

Na etapa final, com um minuto de bola rolando, os periquitos em revista marcaram o segundo gol. Keno desceu tranquilo pela esquerda e cruzou. A bola passou pelo goleiro Daniel Prieto (que coisinha feia!) e Borja completou para a rede. O colombiano já marcou nove tentos em 13 jogos. Na temporada de 2017, assinalou 10 em 43 confrontos.

Apesar da vantagem, o Palmeiras não se acomodou. E Dudu, um dos destaques, continuou infernizando o time peruano. Aos 29, Deyverson substituiu Borja. Na sequência, Guerra entrou no lugar de Lucas Lima. Tranquilo em campo, o Palmeiras passou a tocar a bola. Aos 36, última troca palmeirense: Diego Barbosa (muito bem) por Tchê Tchê.

Na bacia das almas, Deyverson foi derrubado na área, mas sua senhoria, o assoprador de latinha venezuelano Jorge Argote, nada marcou. Vitória tranquila, com bom futebol. Só não foi por goleada porque a equipe perdeu muitas oportunidades.

                                   ############

Pitaco do Chucky. STF – Somos Tribunal de Férias, com direito a 88 folgas durante o ano, além dos fins de semana. Sai da rede, Brasil!             

CR7 fantástico. Com direito a gol antológico do gajo Cristiano Ronaldo, o Real Madrid bateu a Juventus por 3 a 0, em Turim, e praticamente carimbou uma vaga nas semifinais da Champions. Logo aos dois minutos de jogo, CR7 abriu o show espanhol. Isco cruzou da esquerda e o português tocou para a rede. Aos 18, a obra-prima do atacante: Carvajal levantou a bola e Cristiano Ronaldo, de bicicleta, mandou no ângulo esquerdo do goleiro Buffon. Um golaço que mereceu aplausos até dos torcedores da Juve. Uma pérola de um atleta extremamente dedicado e talentoso. Um exemplo de profissional. Um craque. Mágico. O terceiro gol do Real Madrid foi assinalado pelo brasileiro Marcelo, aos 25 do primeiro tempo. No segundo jogo, em Madri, o Real garante a classificação mesmo se perder por dois gols de diferença.

Zé Corneta. Sinal amarelo no soberano Tricolor. O clube precisa vender dois jogadores para fechar o ano no azul. Os candidatos são o zagueiro Rodrigo Caio e o peruano Cueva.

Peito aberto. O São Paulo entrará em campo cheio de moral para encarar o Furacão, nesta quarta, pela Copa do Brasil. Nos últimos cinco jogos em Curitiba, o Tricolor conseguiu a proeza de marcar… apenas um gol no coirmão. Às pauladas: 1 a 0 (2011), 3 a 0 (2013, na Vila Capanema), 2 a 1 (2015), 1 a 0 (2016) e 1 a 0 (em 2017), todas pelo Brasileirão. A última vez que o time paulista não saiu derrotado na capital paranaense foi no Brasileirão de 2010: 1 a 1. Na Arena da Baixada, o Tricolor jamais venceu o Furacão: em 17 jogos, acumula 12 derrotas e cinco empates (16 partidas do Brasileirão e uma da Sul-americana).

Sugismundo Freud. A coisa é mansa, mas atropela.

Se a moda pega… Irritado com o comportamento do time, terceiro colocado no Campeonato Grego, o dono do clube, Evangelos Marinakis, acabou com a festa do caqui. O cartola multou o elenco (R$ 1,5 milhão), antecipou as férias e anunciou a equipe B nos últimos jogos da competição. “Vocês pensam mais em suas lindas casas e carros, não se importam com o time. Pago milhões e nada acontece. Com suas ações, demiti três treinadores. Mas parece que a culpa era de vocês. Vou reconstruir o Olympiacos. Eu e a torcida já toleramos o bastante”, fuzilou Marinakis, que também é o rei da moussaka no Nottingham Forest, da Inglaterra.

Caiu na rede. O ataque do Corinthians é tão útil quanto ganhar um copo de areia no deserto.

Ilha às moscas. A memorável conquista do terceiro lugar no Pernambuquinho pelo Sport (3 a 0 no Salgueiro), na ‘Ilha de Lost’, reuniu nada menos que… 932 testemunhas, que proporcionaram a invejável arrecadação de R$ 12.670. Uma das grandes atrações do jogo foi um timbu (mascote do Náutico) passeando pelas arquibancadas do estádio. Náutico e Central estão decidindo o caneco do estadual. O primeiro jogo terminou em um sofrível ‘oxo’.

Gilete press. De Pedro Lopes, no ‘Uol’: “O Ministério Público do Rio pediu à Justiça que anule alterações no estatuto da CBF antes da eleição de Rogério Caboclo, marcada para o dia 18. Se isso ocorrer, a ascensão do dirigente, parte de chapa única construída por articulação de Marco Polo Del Nero, pode ser suspensa por período indeterminado. O pedido consta em uma ação civil pública movida pelo MP-RJ com o objetivo de anular alterações no estatuto da CBF que aumentaram o peso do voto das federações, e foram fundamentais para que Del Nero articulasse a candidatura única de Caboclo. A ação, atualmente, está nas mãos do juiz, que deve decidir se concede ou não liminar anulando o estatuto e afastando a atual diretoria da entidade.” Torcida total!

Zapping. Nos últimos 12 meses, a TV por assinatura perdeu 761,7 mil clientes. Só em fevereiro, na comparação com janeiro, foram cancelados 120 mil contratos. Permanecem ativos 17,8 milhões.

Tititi d’Aline. Zico é pura felicidade: a ‘Zico Art Beer’ vai muito bem, obrigado. A cerveja é vendida como se fosse pay per view de TV. Só o grupo de assinantes pode degustá-la. Cada um recebe duas garrafas e participa de ações promovidas pelo ex-jogador, como receber o produto das mãos do próprio Zico ou ganhar uma viagem para almoçar com ídolo e visitar o Flamengo.

Você sabia que… o samaritano imperador ostentação Del Nero está a fim de oferecer um acordo aos amigos do FBI, pagando uma multa milionária pelas safadezas que fez, para escapar da cadeia?

Bola de ouro. Poliana Okimoto. Aos 35 anos, entrou para a história como a primeira atleta brasileira a integrar o Hall da Fama da maratona aquática. Okimoto, bronze na Rio-16, se aposentou no ano passado. Em 2009, faturou a Copa do Mundo, vencendo nove das 11 etapas.

Bola de latão. Finais. Das 12 decisões já iniciadas, oito reuniram menos de 20 mil pagantes nas arquibancadas. A pior marca foi registrada na vitória do Serra sobre o Real Noroeste por 1 a 0, no Capixabinha: 849 testemunhas. Já a Aparecidense empatou sem gols com o Goiás diante de 2.357 fiéis, segundo o ‘Sr.goool’. Até Botafogo 2 x 3 Vasco, pelo Carioquinha, decepcionou, com apenas 16.337 pagantes. O melhor público pintou no clássico Corinthians 0 x 1 Palmeiras: 43.535 torcedores, recorde do campeonato.

Bola de lixo. Animais. Os jogadores David Barreto e Eduin Quero foram banidos do Zulia, time da Venezuela, por maus tratos com um gato. Barreto girou o bichano pelo rabo, em um prédio de dois andares, e depois o atirou à rua. Eduin publicou o vídeo nas redes sociais e houve muitos protestos. Dupla de imbecis.

Bola sete. “Marquei um gol de gala. Já fiz gol de bicicleta pela seleção [contra o Azerbaijão, em 2006], mas a bola bateu na trave e entrou. Desta vez, entrou com sobras. Foi espetacular. Saltei muito alto. Com certeza é um gol para ficar na memória. Seguramente é o meu melhor gol. Gostaria de agradecer a todos os italianos que estavam no estádio e me aplaudiram” (de Cristiano Ronaldo, após marcar um gol de bicicleta e trucidar a Juventus – um gênio).

Dúvida pertinente. Cristiano Ronaldo a caminho da sexta bola de ouro?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Flamengo, uma era de fracassos: título mequetrefe e 42 contratações em três anos

Imagem relacionada
Urubu com Rodrigo Caetano: sem lenço e sem documento

Quem parte não deixa saudade coisa nenhuma. Pelo menos em se tratando de Rodrigo Caetano, diretor executivo do Flamengo ao longo de três anos e três meses.

Demitido após a vergonhosa eliminação da equipe das finais do Carioquinha, ele contratou 42 jogadores, ganhou um mequetrefe estadual em 2017 e colecionou uma enxurrada de vexames.

Com o pinguim pé quente, o Rubro-negro participou de 14 competições e naufragou em 13, boa parte delas históricas, como a eliminação pelo inexpressivo Palestino nas oitavas de final da Sul-americana de 2016, o fim da linha na fase de grupos da Libertadores do ano passado, a bordoada do Fortaleza na segunda etapa da Copa do Brasil de 2016 e o fracasso nas finais da Sul-americana e da Copa do Brasil de 2017.

Dono de uma inexplicável grife no mercado da bola tupiniquim, Rodrigo Caetano torrou nada menos que R$ 60 milhões em contratações apenas em 2017.

Sob o eficiente comando profissional do ex-diretor, apenas seis ‘professores’ passaram pela casamata do Urubu, além dos interinos Deivid e Jayme Almeida. Quebraram a cara: Vanderlei Luxemburgo, Oswaldo de Oliveira, ‘Muriçoca’ Ramalho, Zé Ricardo, Reinaldo Rueda e Paulo César Carpegiani.

O clube já definiu o substituto de Rodrigo Caetano: Carlos Noval, diretor da base, foi nome de consenso entre Eduardo Bandeira de Melo e Fred Luz. Os últimos anos de glória do Urubu, segundo o ‘Globo’:

Carioquinha
2015 – Perdeu nas semifinais do Vasco
2016 – Caiu nas semifinais diante do Vasco
2017 – Campeão
2018 – Derrota nas semifinais para o Botafogo

Copa do Brasil
2015 – Eliminado nas oitavas pelo Vasco
2016 – Eliminado na segunda fase pelo Fortaleza
2017 – Vice-campeão (caiu diante da Raposa)

Brasileirão
2015 – Décimo
2016 – Terceiro
2017 – Sexto

Libertadores
2017 – Eliminado na fase de grupos

Sul-americana 
2016 – Eliminado nas oitavas pelo chileno Palestino
2017 – Vice-campeão, tombando diante do Independiente, da Argentina

Primeira Liga
2016 – Eliminado nas semifinais pelo Furacão
2017 – Eliminado nas quartas pelo Paraná

Reforços

2015 – Armero (LE), Guerrero (A), Emerson Sheik (A), Marcelo Cirino (A), Pará (LD), Bressan (Z), Arthur Maia (M), Jonas (V), Almir (M), Kayke (A), Thallyson (LE), Alan Patrick (M), César Martins (Z), Ederson (M), Ayrton (LD)

2016 – Muralha (G), Willian Arão (V), Rafael Vaz (Z), Donatti (Z), Réver (Z), Rodinei (LD), Mancuello (M), Diego (M), Antonio Carlos (Z), Arthur Henrique (LE), Juan (Z), Leandro Damião (A), Chiquinho (LE), Cuéllar (V), Fernandinho (A)

2017 – Rômulo (V), Trauco (LE), Conca (M), Berrío (A), Renê (LE), Everton Ribeiro (M), Geuvânio (A), Rhodolfo (Z), Diego Alves (G)

2018 – Marlos Moreno (A), Henrique Dourado (A), Júlio César (G)

                                             ############

Pitacos do Chucky. Na capital da ‘ilha da fantasia do mestre Tatto’, sem lesco-lesco: amigos, amigos… e negócios também.

Facada palmeirense. Pois é, a torcida que ama e vibra também chia. Está uma fera com a cartolagem do Palmeiras, que decidiu meter a faca no bolso da galera e salgou para valer o preço dos ingressos da Libertadores. O bilhete mais barato para o embate contra o Alianza Lima, nesta terça, na mansão Allianz Parque, custa R$ 180 (R$ 90 a meia-entrada). Já o mais caro sai por R$ 400 (R$ 200 a meia). Nas oitavas do ano passado, contra o Barcelona, do Equador, os bilhetes variavam entre R$ 120 e R$ 300. “Até ingresso da Copa está mais barato. É uma vergonha”, fuzilou um palestrino nas redes sociais. O movimento ‘Ocupa Palestra’ lançou nota condenando a cartolagem: “O torcedor deve ser o coração, e não o bolso no clube.”

Facada palmeirense 2. Na Champions, a entrada mais barata para a primeira partida entre Real Madrid e Apoel, do Chipre, valia 25 euros (R$ 100); nas quartas, contra a Juventus, dia 11, os preços vão de 85 e 105 euros (R$ 340 a R$ 420). Detalhe: na ‘ilha da fantasia do mestre Tattoo’, o salário mínimo é de R$ 954, e na Espanha, R$ 2.970. Felizmente, há sempre o outro lado da moeda: a cartolagem do Palestra estuda aumentar o ingresso para o jogo com o Boca Juniors. Qualquer problema a ‘titia Leila Crefisa está às ordens. As portas continuam abertas aos negativados.

Zé Corneta. Paraguaio Romero, a grande esperança de uma virada corintiana no Dérbi: 14 jogos e… um gol.

Tabu desafia Tricolor. O Furacão promete receber de braços abertos o soberano São Paulo no embate desta quarta, pela Copa do Brasil. Desde a inauguração da Arena da Baixada, em 1999, nunca o Tricolor voltou para casa com um triunfo. É um dos três tabus que o perseguem. Os outros: nenhuma vitória na mansão Allianz Parque (seis pauladas) e no Itaquerão, minha casa minha vida (seis coças e dois empates).

Sugismundo Freud. Prazer e dor caminham juntos.

Zapping. Apesar de ter sido disputado no sábado, o primeiro duelo entre Corinthians e Palmeiras, pelas finais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, rendeu bons números à plim plim. O ibope na grande Pauliceia refém do bangue-bangue cravou a média de 35 pontos, mesmo com as equipes apresentando um futebol de segunda categoria. Ou seja, tudo que é ruim tem audiência. Cada ponto em SP equivale a 71,8 mil domicílios sintonizados.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Diego Souza é eleito o maior ídolo da história do Corinthians.

Gilete press. De Cosme Rímoli, no ‘R7’: “Graças à legislação esportiva deste país, que aceita manipulação grosseira, Clayson e Felipe Melo têm enorme chance de estarem em campo no domingo. E concretizar a ideia de que a impunidade está em todos os campos. Que o crime compensa. Os departamentos jurídicos de Corinthians e Palmeiras articulam entrar com o repugnante efeito suspensivo (…) A vergonhosa prática jurídica empana, tira o brilho do futebol. A culpa é da CBF e das Federações que estimulam essa artimanha. Por que? Para garantir as estrelas, os times completos nas decisões. Ainda mais em estaduais mentirosos, repletos de partidas insignificantes, estádios vazios. O que interessa é a última imagem, os clássicos, com os estádios lotados.” No alvo.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’ 

Tititi d’Aline. Artilheiro do Peixe na temporada com seis gols, o atacante Sasha é fanático por seriados. Sempre que está de folga, passa horas em frente da TV. Nos últimos dias, o santista curtiu ‘Mecanismo’ e ‘Game of Thrones’. Futebol, nem pensar. O negócio é quebrar a rotina.

Você sabia que… o estilista Ricardo Almeida será o responsável pelo enxoval da amarelinha desbotada fora das quatro linhas, com ternos que valorizam o corpo dos atletas?

Bola de ouro. Jonas. Aos 34 anos, o atacante brasileiro é o artilheiro das principais ligas europeias. Estrela do Benfica, Jonas chegou a 33 gols em 28 jogos pelo Campeonato Português. E completou 150 partidas com a camisa do Benfica – marcou 121 tentos (média de 0,81 por duelo). Apesar da enxurrada de gols, jamais teve uma chance para valer na amarelinha desbotada.

Bola de latão. Jô. O ex-corintiano vive mau momento no Nagoya Grampus. Marcou apenas um gol em cinco partidas. No último jogo, contra o Sagan Tosu, Jô perdeu um pênalti e o duelo (3 a 2).

Bola de lixo. Seedorf. Contratado para salvar o La Coruña do rebaixamento no Campeonato Espanhol, o holandês não conseguiu até agora uma vitória no comando do time. Acumula cinco derrotas e três empates. O La Coruña, com 20 pontos, está na penúltima colocação, oito pontos atrás do Levante, 16º e primeira equipe fora da zona do agrião queimado.

Bola sete. “Aos 44 minutos do segundo tempo, o ex-ídolo rubro-negro Léo Moura desistiu de disputar uma cadeira de deputado federal pelo PRB no Rio. O partido já estava imaginando um campeão de votos, mas Léo optou por jogar toda a temporada de 2018 no Grêmio e, por ora, desistiu da política” (de Lauro Jardim, no ‘Globo’ – belo gol).

Dúvida pertinente. Por que o Carioquinha está goleando o Paulistinha em emoções nas finais?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Galo volta aos bons tempos de Horto e coloca a Raposa para correr; Vasco, na bacia das almas

Galo liquidou a Raposa com três gols no primeiro tempo

Coelhinho do Galo, o que trazes pra mim? Um ovo, dois ovos, três ovos assim… A torcida da Raposa passou um domingo de Páscoa empanturrando-se de chocolate no estádio Independência, mais precisamente no primeiro duelo da decisão do Mineirinho.

O Galo bom de bico voltou aos tempos áureos de ‘caiu no Horto, tá morto’ e colocou praticamente as duas mãos e uma chuteira na taça. A equipe venceu por 3 a 1 e, agora, pode perder o segundo confronto por um gol de diferença que soltará o grito de campeão.

A Raposa só faz a festa se ganhar por dois tentos de vantagem no próximo fim de semana, no Mineirão. Os times ficariam empatados, mas os cruzeirenses dariam a volta olímpica por causa da melhor campanha no campeonato.

A chapa do pão de queijo queimou nos primeiros 45 minutos. Em três lances de bola parada detonou a Raposa. Aos 33, Otero levantou na área e o ex-santista Ricardo Oliveira conferiu.

Oito minutos depois, Otero cobrou escanteio e Adilson desviou de cabeça. Na bacia das almas, aos 45, Otero cruzou e Ricardo Oliveira marcou o terceiro.

O Cruzeiro partiu para o tudo ou nada, pressionou o Galo, mas só conseguiu diminuir aos 38: após troca de passes, Arrascaeta chutou no canto e venceu o goleiro Vitor.

Após o apito final, houve uma discussão e por pouco não quebrou o pau perto do banco de reservas. Luiz Otávio Kalil, preparador físico do Galo, se desentendeu com Robertinho, treinador de goleiros da Raposa, e a turma do ‘deixa disso’ teve de entrar em ação.

No Nilton Santos, o Niltão (16.337 pagantes/R$ 541.370), o Vasco saiu na frente na decisão contra o Botafogo para levantar o Carioquinha. A nau vascaína venceu por 3 a 2, com um gol de Andrés Rios aos 48 minutos do segundo tempo.

Com o triunfo, o Vasco necessita somente de um empate na segunda partida para comemorar o título. O Botafogo tem de vencer por no mínimo um gol de diferença para decidir o caneco nos pênaltis. O regulamento não prevê vantagem por gol fora de caso como critério de desempate.

Botafoguenses e vascaínos protagonizaram um grande jogo, ao contrário do que aconteceu com Corinthians x Palmeiras, pelo Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago.

O Botafogo saiu na frente com um gol de Renatinho aos 3, após falha de Paulão. Pikachu empatou com um sem-pulo aos 28. Dois minutos depois, Pikachu colocou o Vasco na frente do marcador. Brenner deixou tudo igual aos 44 do primeiro tempo.

A torcida já se conformava com o empate quando André Rios garantiu a vitória do Vasco. Thiago Galhardo bateu escanteio, a bola desviou em Wellington e sobrou para o argentino, que deu um voleio e encaçapou Gatito. No meio da semana, pelas semifinais, Fabrício também deu o triunfo ao Vasco sobre o Fluminense nos acréscimos.

André Rios garantiu a vitória do Vasco aos 48 do segundo tempo

                                   ############

Pitaco do Chucky. Tudo que é ruim tem audiência.

Grêmio campeão. Oficialmente, trata-se da segunda partida da decisão do Gauchinho. Mas a ínclita federação bem que poderia transformá-la no ‘jogo das faixas’. O Grêmio atropelou o Brasil de Pelotas por 4 a 0, em seu campo, e só deixará de conquistar o título se chover canivete em Bento Gonçalves no próximo fim de semana. O imortal pode perder por até três gols de diferença que mesmo assim colocará ponto final num jejum de sete anos sem dar a volta olímpica. Até a expulsão de Eder Sciola no final do primeiro tempo, o Brasil de Pelotas resistiu à maior categoria dos gremistas. Depois, levou um belo chocolate. Everton (dois), Alisson e Ramiro marcaram para o Grêmio na Arena (29.891 pagantes/R$ 1.762.719).

Zé Corneta. ‘Lava-Peixe’ – é assim que o novo presidente do Santos, José Carlos Peres, qualifica a auditoria no clube.

Bahêa na frente. Com gols de Edigar Junio e Vinicius, o Bahêa venceu o Vitória por 2 a 1, no primeiro tira-teima decisivo do Baianinho. Luan marcou para o Vitória. No segundo embate, no Barradão, o Bahêa joga por um empate. A Fonte Nova recebeu 39.086 pagantes (R$ 864.596,50), apenas a galera do Bahêa. Na segunda partida, só a torcida do Vitória poderá assistir ao jogo. Em Curitiba, o Coxa superou o Furacão por 1 a 0 no mata-mata do Paranaensezinho. O Furacão perdeu uma invencibilidade de 13 jogos (nove vitórias e quatro empates). Julio Rusch assinalou o gol do triunfo aos 28 do primeiro tempo. O Coxa levanta a taça com um empate na segunda partida.

Sugismundo Freud. Conhecimento e sabedoria: um ajuda, o outro constrói.

Filé mignon. Está a maior moleza arrendar o Pacaembu por 35 anos. O interessado no próprio da municipalidade terá de bancar R$ 970 milhões. Negócio fechado, o vencedor da licitação precisará arrecadar R$ 30 milhões por ano para ficar no zero a zero. Quem entende do riscado acredita que será muito difícil encontrar alguém disposto a encarar o negócio da China do Trumpinho da Pauliceia.

Zapping. Quem não tem cão caça com gato: ESPN compra os direitos de transmissão da Champions… feminina.

Fora de sintonia. Inconformado por não ser aproveitado, o zagueiro colombiano Mina resolveu pedir explicações ao ‘professor’ Ernesto Valverde. Ouviu como resposta que não se encaixa na defesa do Barcelona neste momento. O treinador pretende aproveitá-lo nos últimos jogos do campeonato, quando a fatura do título já estiver consumada. O ex-palmeirense disputou apenas dois jogos desde que aterrissou no Camp Nou. Mina deve ser emprestado depois da Copa.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Flamengo já conquistou a primeira Taça Cheirinho de 2018.

Gilete press. Do ex-jogador Corey Widner, 49 anos, do New York Giants, explicando por que se recusou a entrar no hall da fama da universidade Montana State, onde se formou: “Não quero dar a impressão de que o futebol é seguro e os ferimentos são de curto prazo. Não são, e eu sou a prova. Destruiu a minha vida. Sofro com problemas de depressão, memória e alterações de humor, mas tenho muito dinheiro e algumas pessoas podem dizer que ainda vale a pena.” Touchdown.

Rosamundo, o pensador. Não guarde mágoa, mas também não sofra de amnésia.

Tititi d’Aline. Desde que assinou a filiação ao PRB, o aposentado Ronaldinho Gaúcho não fala absolutamente nada sobre política. Nem se sairá candidato a senador ou deputado federal pelo Partido Republicano Brasileiro. Ou seja, uma usina de ideias a serviço do país.

Você sabia que… o menino Jesus, com 19 tentos em 44 jogos, tem a média de um gol a cada 116 minutos na Premier League, melhor marca de um brasileiro na história do campeonato?

Bola de ouro. Daniel Alves. O lateral brasileiro entrou para a história como o jogador com mais títulos oficiais. Ao faturar a Copa da Liga Francesa com o PSG, Daniel Alves chegou a 36 canecos, um à frente de Kenny Dalglish, Ryan Giggs e Maxwell. Se forem contados os torneios amistosos da seleção, Pelé lidera com 37 troféus.

Bola de latão. Júnior Dutra. Chegou cheio de graça, estreou com um gol, mas depois sumiu. Pior: após suas péssimas exibições, a Fiel ficou com saudade do gringo Kazim.

Bola de lixo. Paulistinha. A pré-temporada com ingresso pago está lamentável na reta final. Tico-tico sem fubá para dar e vender.

Bola sete. “E Michel Temer, hein? Enquanto muitos colecionam figurinhas da Copa da Rússia, o presidente Temer aumenta sua coleção de… escândalos.” (de Ancelmo Gois, no ‘Globo’ – pano rápido).

Dúvida pertinente. O Galo já pode mandar fazer as faixas?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br