Matemática da bola: Corinthians pinta como zebra até no Itaquerão, minha casa minha vida

Imagem relacionada

Uníssonos, jogadores, comissão técnica e cartolas do Corinthians garantem que o coirmão Palmeiras é o favorito ao título do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. “É favorito em qualquer coisa que disputa. Investiu muito mais e tecnicamente tem grandes jogadores”, justifica o novo velho presidente corintiano, o eterno rei do sorriso Andrés Sanchez.

Jogo de cena? Pode ser, já que o time venceu os quatro últimos clássicos contra o Palestra. O ‘professor’ Fabio Carille tem 100% de aproveitamento no Dérbi. A matemática, porém, indica que os periquitos em revista são realmente os maiores candidatos à volta olímpica.

De acordo com o tira, põe, deixa ficar do ‘Chance de Gol’, o Palmeiras reúne 56,3% de possibilidades de soltar o grito de campeão depois de 10 anos. Já o Corinthians navega em 43,7% de probabilidades de faturar o bicampeonato.

A equipe de Carille entra como zebra até no primeiro confronto, neste sábado, no Itaquerão, minha casa minha vida. A aritmética aponta 32,2% de chances de vitória corintiana, contra 40,3% do Palmeiras. Empate: 27,5%.

Desde 1999, o Dérbi não decide um título. A última final entre os irmãos camaradas e amigos da onça terminou em pancadaria. O capetinha Edilson fez embaixadinhas, Paulo Nunes não gostou e o pau comeu na casa de Noca.

Corinthians e Palmeiras irão se encontrar pela quinta vez numa final. Tira-teima em campo, porque o placar está 2 a 2. A Fiel fez a festa em 1995 e 1999; os periquitos ganharam em 1974 e 1993.

Nos últimos 15 anos, somente uma vez a final do campeonato colocou frente a frente dois times da capital. Em 2003, Corinthians e São Paulo se enfrentaram, com vitória e título alvinegro no Morumbi.

O Palmeiras chega à decisão com 35 pontos em 48 possíveis (16 partidas). Obteve 11 vitórias, dois empates e três derrotas. O Corinthians tem a segunda melhor campanha: 29 pontos, nove triunfos, dois empates e cinco sapatadas. Títulos no currículo: Corinthians 28 x 22 Palmeiras.

                                         ############

Pitaco do Chucky. Internet, o palanque dos imbecis.

Caixinha, obrigado. O soberano São Paulo já adoçou o café no bule da Copa do Brasil com R$ 5,4 milhões em prêmios pagos pelo Circo Brasileiro de Futebol. Papou R$ 1 milhão na primeira fase (eliminou o Madureira). Embolsou R$ 1,2 milhão na segunda (despachou o CSA). Beliscou R$ 1,4 milhão na terceira (superou o CRB), e vai ganhar R$ 1,8 milhão na quarta (jogará contra o Furacão). Se chegar às oitavas de final, garantirá mais R$ 2,4 milhões.

Zé Corneta. SPFC – São Paulo Freguês do Corinthians?

Vassourada no Urubu. A caça às bruxas no Flamengo começou logo após o vexame da eliminação no Carioquinha, com a derrota para o primo pobre Botafogo nas semifinais. No bico da cegonha sem asas desde o início do ano, Rodrigo Caetano perdeu a boquinha de diretor remunerado após três anos e três meses no clube. Ninguém sentirá falta. O ‘professor’ Paulo César Carpegiani também visitou o RH, o mesmo acontecendo com o gerente Mozer, o auxiliar Jayme de Almeida e o preparador físico Marcelo Martorelli. Alguns jogadores com ótimo custo/benefício para lá de risível estão na corda bamba. Muito café no bule e pouco brilho no bico da chuteira. Coordenador da base, Carlos Noval deve substituir Rodrigo Caetano.

Sugismundo Freud. A vida é um barato, o povo é que acha caro.

Zapping. A plim plim esfrega as mãos de felicidade. Acredita que a decisão entre Palmeiras e Corinthians vai estourar no ibope da grande Pauliceia vítima da bandidagem. O recorde de audiência neste ano pertence a Corinthians x São Paulo, pela segunda semifinal do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. O Majestoso cravou 42 pontos de média, com 61% de participação. Cada ponto correspondente a 71,8 mil domicílios sintonizados.

Caiu na rede. Diego Souza nunca vestiu a camisa do Corinthians, mas já participou de tantas conquistas que merece um busto em Itaquera.

Gasolina. Os jogadores da Espanha terão um belo combustível para detonar os adversários na Copa da Rússia. Após a seleção humilhar os hermanos (6 a 1) em Madri, eles ficaram sabendo que cada um reforçará o prato de paella em 800 mil euros (R$ 3,2 milhões) se o time faturar o caneco. Na conquista do Mundial de 2010, na África, cada atleta embolsou 600 mil euros (R$ 2,4 mi). Há quatro anos, no Brasil, a premiação era de 700 mil euros (R$ 2,8 mi).

Gilete press. De Douglas Ceconello, no ‘Globo.com’: “Tite planta sedução para colher harmonia, e assim adquire nos corações e nas mentes dos mais solícitos um caráter inquestionável – ou de ‘inquestionabilidade’, para seguir seu vocabulário. Desta forma, confiantes, seduzidos e otimistas, passamos uma flanela macia em qualquer desempenho raquítico que apareça pelo caminho, como o empate diante dos reservas da Inglaterra, ou em qualquer escolha incompreensível, como a atrocidade que é não convocar Luan, do Grêmio – acatamos o malicioso subterfúgio tático quando a verdade é apenas uma: o melhor jogador que atua no país não está na seleção (…) Para o bem de Tite, chegou o momento de dar ao técnico um necessário e precioso voto de desconfiança.” No alvo.

Tiro curto. Tem coluna do Malia, segunda e sexta, no ‘ultrajano.com.br’ 

Tititi d’Aline. O volante Wesley ainda rende emoções no ninho dos periquitos em revista. O investidor Antenor Angeloni, que garantiu a compra do atleta em 2013, após fracassar uma vaquinha organizada pelo clube, ganhou ação na Justiça pleiteando R$ 21 milhões. O Palmeiras pode recorrer. Wesley estava no Werder Bremen.

Você sabia que… o corintiano Cássio já defendeu sete pênaltis em jogos contra o soberano São Paulo, um deles cobrado por Rogério Ceni?

Bola de ouro. Botafogo e Vasco. Deram um solene bico nos favoritos Flamengo e Fluminense nas semifinais do Carioquinha. Com muita raça, botafoguenses e vascaínos chegaram à decisão e começarão a brigar pelo título neste fim de semana.

Bola de latão. Leonardo Picciani (MDB/RJ). Deixará o Ministério do Esporte para concorrer à reeleição de deputado federal. Picciani está no cargo desde o início do governo Temer. Pelos ótimos serviços não prestados como ministro, não deixará um pingo de saudade.

Bola de lixo. São Paulo. O soberano segue firme e forte na liderança da tropa de clubes que está com o grito de campeão estadual há mais tempo entalado na garganta entre os 20 do Brasileirão. O Tricolor deu a volta olímpica pela última vez no Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, em 2005. O Paraná aparece em segundo. Está na fila do gargarejo desde 2006.

Bola sete. “O Flamengo se vangloria de ser o clube com mais interações nas redes. Para manter a massa participativa dá mais ouvidos do que deveria e, sem um mínimo de racionalidade, parece um barco à deriva. No futebol e na vida, quem precisa de alguém de fora para gerir a sua casa não pode ser levado a sério” (de André Rocha, no ‘Uol’ – no fígado).

Dúvida pertinente. Corinthians x Palmeiras: duelo entre a raça e a técnica?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s