Carille ataca de ‘professor Pardal’ no Corinthians e soberano Tricolor quebra tabu de 16 anos

Nenê pega o rebote de Cássio e marca o único gol do Majestoso

Pois é, em seu 100º jogo no comando do Corinthians, Fabio Carille resolveu atacar de ‘professor Pardal’. Colocou três volantes no meio de campo (Ralf, Gabriel e Maycon), com objetivo claro de empatar, e dançou: perdeu do soberano São Paulo por 1 a 0, no Morumbi (42.830 pagantes/R$ 1.488.811), pelas semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago.

É verdade que o treinador corintiano não pôde contar com vários titulares (Fagner, Balbuena, Romero, Jadson, Clayson e Rodriguinho), mas errou feio ao preocupar-se apenas em garantir o ‘oxo’. O Corinthians foi incapaz de criar uma chance de gol. E só melhorou após a entrada do garoto Pedrinho, aos 30 do segundo tempo. Já merece começar jogando.

O São Paulo também jogou desfalcado de Rodrigo Caio, Valdívia, Júnior Tavares, Cueva e Valdivia. Mas se mostrou bem mais ambicioso, principalmente no primeiro tempo.

No segundo embate, quarta-feira, no Itaquerão, minha casa minha vida, o Tricolor joga por um empate para ir à final. O Corinthians precisa ganhar por dois gols de diferença; se vencer por um, leva a decisão para os pênaltis.

O São Paulo não conseguia bater o Corinthians em um jogo eliminatório desde 1º de maio de 2002, quando ganhou por 2 a 1 pelas semifinais da Copa do Brasil, mas foi eliminado porque havia perdido por 2 a 0 no primeiro confronto. O Tricolor acumulava oito coças e quatro empates.

A última vez em que o São Paulo despachou o Corinthians foi na semifinal do Paulistinha de 2000 (2 a 1 e 2 a 0), e soltou o grito de campeão.

Carille surpreendeu com a escalação três volantes no meio de campo – Ralf, Gabriel e Maycon. O uruguaio Diego Aguirre não deixou por menos e escalou Jucilei, Liziero e Petros. Balanço da ousadia das duas equipes: um jogo amarrado, com muitas faltas e raríssimas emoções.

Mais precisamente, apenas uma, aos 47 minutos, provocada por uma falha incrível do lateral corintiano Mantuan. Ele errou um passe e permitiu o contragolpe ao São Paulo com Tréllez.

O colombiano arrancou em velocidade, deixou Pedro Henrique na saudade e chutou forte já na grande área. Cássio defendeu parcialmente, Nenê pegou o rebote e estufou a rede.

Castigo merecido ao Corinthians, que abdicou do ataque desde o início da partida. Sem Rodriguinho (sentiu uma lesão no aquecimento) e com Emerson ‘Bitoca’, a equipe jamais incomodou a zaga são-paulina. Se quisesse, o goleiro Sidão poderia trocar figurinhas com os repórteres atrás da meta.

A vantagem tricolor foi merecida, já que o time sempre esteve mais ligado e buscou o gol, embora insistisse demais nos cruzamentos.

Apesar da inoperância ofensiva, Carille manteve o mesmo esquema e, de quebra, o absolutamente inútil atacante Júnior Dutra. Que só deixou o campo aos 17 do segundo tempo, aparecendo Lucca.

O São Paulo trocou Marcos Guilherme por Lucas Fernandes. Oito minutos depois, nova mudança no Tricolor: saiu Liziero, entrou Araruna. Na sequência, alteração no Corinthians: Pedrinho substituiu Emerson ‘Bitoca’. E, no Tricolor, Morato na posição de Nenê.

Com Pedrinho, o time corintiano ganhou um pouco mais de agressividade, mas não o suficiente para chegar ao empate. Sem um pingo de criatividade no meio de campo, deixou o São Paulo à vontade para garantir o triunfo e a vantagem no jogo do Itaquerão. Carille aposta tudo, e mais um pouco, na força da Fiel.

                                          ############

Pitaco do Chucky. Somente os mentirosos podem oferecer o impossível.

Fred: que zica! Depois de quase um mês afastado por causa de uma lesão na panturrilha direita, o centroavante Fred voltou ao time da Raposa contra o Tupi, nas semifinais do Mineirinho, e sofreu nova contusão. Aos 26 minutos do primeiro tempo, o atacante deixou o campo com problemas no joelho direito e pode ficar um longo no estaleiro, voltar apenas em 2019. Thiago Neves, com dois gols, garantiu a vitória por 2 a 1. João Vitor marcou para a equipe de Juiz de Fora. Nas arquibancadas do Mineirão, 48.566 torcedores (R$ 753.999) vibraram com a classificação do pão de queijo para a final do campeonato. Vai encarar o Galo, que despachou o Coelho com um triunfo por 2 a 0, gols de Fabio Santos e Elias no segundo tempo.

Zé Corneta. São Paulo x Corinthians, um dos piores Majestosos dos últimos tempos.

Xô, Pachecada. Depois da fácil vitória sobre a Rússia cintura dura por 3 a 0, a Pachecada ficou ainda mais ouriçada. A amarelinha desbotada vai se reencontrar com a Alemanha nesta terça, em Berlim. Será o primeiro confronto entre as duas equipes depois que os alemães pintaram o sete nas semifinais da ‘Copa das Copas’, em 2014. A turma do funil verde e amarelo sonha com vingança. Acredita que o canarinho sem asas poderá devolver o placar de 7 a 1, ou pelo menos dar uma bordoada histórica nos chucrutes. Pode até acontecer, mas certamente será bem mais fácil cair neve em Copacabana.

Xô, Pachecada 2. Ou seja: xô, ‘eu te amo, meu Brasil, eu te amo’. Independentemente da produção da amarelinha desbotada, não há borracha suficiente nos seringais que possa apagar o retumbante fracasso. Pode, no máximo, retirar um grão de areia do vergonhoso deserto deixado pela ‘família Felipão’ no Mineirão.

Sugismundo Freud. Cara feia é falta de maquiagem.

Tiro no pé. O mandachuva e raios do Peixe, José Carlos Peres, fechou as portas do aquário da Vila Belmiro para as semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, e se deu mal na previsão de casa cheia no Pacaembu. Apenas 16.916 torcedores pagaram ingresso, metade do que o cartola esperava. A renda foi de R$ 723.270. Com descontos, o Santos deve embolsar alguns trocados.

Caiu na rede (by ‘Olé do Brasil’). Carille não escala Drogba, Zeca e Alex Teixeira em derrota e balança no cargo.

Zapping. O ex-jogador Muller pode sambar como comentarista da Gazeta. Ele apareceu em um vídeo com boné dos anjinhos independentes organizados pelo diabo pedindo para o soberano Tricolor partir ‘para cima dos gaivotas’ no clássico contra o Corinthians. Os protestos inundaram a redação do programa ‘Mesa Redonda’.

Zapping 2. Troca-troca na Band: Rosa Maria Cicirelli é a nova gerente de Esportes. O competente Denis Gavazzi assumirá o posto de bambambã do BandSports.

Gilete press. De Roberto Salim, no ‘Ultrajano’: “Acreditem: a pista do Célio de Barros, destruída pela ganância pan-americana, olímpica e futebolística, vai se transformar num parquinho. Isso é uma vergonha para o esporte do país. É mais uma traquinagem dos empresários da Cidade Maravilhosa. O local terá uma pista de 100 metros para os atletas treinarem… e um contêiner que servirá de base da federação. Prêmio de consolação que o atletismo do Rio e sua rica história não mereciam.” Lamentável.

Tititi d’Aline. O ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo decidiu reforçar o Partido Socialista Brasileiro (PSB). A filiação aconteceu na quinta-feira. O ‘mestre dos mestres’ ainda não sabe qual cargo disputará nas eleições de outubro. O ex-ministro Joaquim Barbosa também deve assinar com o PSB. Ele sonha com o Planalto.

Você sabia que… o Palmeiras acumula nove jogos sem derrota no Pacaembu desde 2016, com oito vitórias e um empate?

Bola de ouro. Jailson. O paredão palmeirense está pegando até fantasma. É, hoje, o melhor goleiro do Brasil. Parou o Peixe na primeira partida das semifinais do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago, com direito a uma defesa histórica em cabeçada de Renato. Graças a Jailson e Fernando Prass, o Palestra não sofre gols há cinco partidas (vitórias sobre São Paulo, Ituano, Novorizontino duas vezes e Santos).

Bola de latão. Jadson. Uma lesão misteriosa: era para ter voltado nas quartas de final, mas continua desfalcando o Corinthians. Diagnóstico errado?

Bola de lixo. Audax. Finalista do Paulistinha em 2016, depois de eliminar São Paulo e Corinthians, o time do presidente Vampeta foi rebaixado para a terceira divisão. Ano passado, caiu para a segunda. A memorável campanha de 2018: duas vitórias, cinco empates, oito derrotas e penúltimo lugar (15º), com 11 pontos, um à frente do Batatais.

Bola sete. “Eu dei uma dura nele [Aguirre], porque passou por mim no início do jogo e não me deu a mão, não me cumprimentou. Ele teve a cara de pau de falar que não me conhecia. Fiquei muito chateado. Falar que não conhecia o técnico do Corinthians, 100 jogos pelo clube… Foi um desrespeito muito grande. Não tem panos quentes no segundo jogo. Vou até o vestiário levar um presente para ele” (do ‘professor’ Fabio Carille, sobre o são-paulino Diego Aguirre – o Itaquerão vai ferver?).

Dúvida pertinente. Estaduais, apenas um esquenta mequetrefe para o Brasileirão?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

Anúncios

2 comentários em “Carille ataca de ‘professor Pardal’ no Corinthians e soberano Tricolor quebra tabu de 16 anos”

  1. Malia…..faça um comentário, dê sua opinião sobre o Carille. Será que o sucesso subiu-lhe os neurônios? Ou sente a gadanha do Andrés Sanches se aproximando? Todos sabem que o atual Presidente do Corinthians quer uma comissão técnica alinhada com seus interesses, ou não?

    Curtir

  2. Sobre essa história que andam falando aí do jogo de amanhã ser uma vingança do 7 a 1. Só vai ser quando jogarem numa semi-final de copa do mundo na Alemanha e o Brasil ganhar de 7 a 1.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s