De virada, Corinthians derruba a Ferroviária e engata segunda vitória; soberano Tricolor desencanta

Clayson, que vai ser pai, comemora o segundo gol corintiano

Com gols de Balbuena e Clayson, o Corinthians derrotou a Ferroviária por 2 a 1, de virada, pela terceira rodada do Paulistinha, a pré-temporada com ingresso pago. A equipe corintiana não precisou apresentar um grande futebol para conquistar a segunda vitória na casa alugada do Pacaembu (19.219 pagantes/R$ 665.829,50).

Clayson voltou a funcionar como amuleto da Fiel, a exemplo do que aconteceu no Brasileirão do ano passado, quando entrou várias vezes no segundo tempo e garantiu pontos importantes ao Corinthians.

De nada adiantou ao Corinthians ter mais posse de bola (65% a 35%), mais escanteios (6 a 1) e procurar mais o gol (7 a 1). A Ferroviária foi extremamente eficiente e levou a melhor no primeiro tempo.

Bem fechada na defesa, aproveitou a única chance para superar Cássio. Aos 18 minutos, após boa jogada pela direita, Hygor cruzou e Leo Castro cabeceou no canto esquerdo.

Em vantagem, o time de Araraquara se retraiu ainda mais e ficou à espera de um contragolpe. Não aconteceu. O Corinthians partiu para a pressão, principalmente pelo lado direito, com Fagner e Marquinhos Gabriel, mas errou muito no último passe.

O meio de campo, com o estreante Mateus Vidal ao lado de Maycon e Gabriel, se mostrou pouco criativo, enquanto Lucca nada produziu na esquerda. O melhor momento corintiano aconteceu aos 23: Marquinhos Gabriel cobrou escanteio e Balbuena cabeceou a trave.

Na volta para o segundo tempo, o Corinthians aplicou uma blitz e deu certo: aos 3 minutos, Fagner cruzou e Balbuena empatou. Nono tento do zagueiro paraguaio em 107 jogos com a camisa corintiana.

Animado com o gol e empurrado pela Fiel, o heptacampeão brasileiro manteve o pique. Um minuto depois, Júnior Dutra puxou um contra-ataque, chutou de fora da área e Tadeu espalmou.

Aos 13, Maycon acertou uma bomba na trave. Aos 19, o ‘professor’ Fabio Carille começou a usar os titulares que estavam no banco. Jadson entrou no lugar de Gabriel. Depois, Clayson substituiu Lucca. E, aos 31, Romero no posto de Marquinhos Gabriel.

Sete minutos depois, festa da Fiel. Clayson desceu pela esquerda, superou um zagueiro e bateu para o gol: 2 a 1. Segunda vitória garantida e moral em alta para encarar o soberano Tricolor no fim de semana, novamente no Pacaembu.

Em Mirassol, o soberano São Paulo finalmente desencantou. Depois de dois empates, a equipe superou o Mirassol por 2 a 0, gols de Diego Souza e Marcos Guilherme. O time do Morumbi era o único que ainda não havia marcado no campeonato.

Apesar de dominar a maior parte do jogo, o Tricolor só encontrou o primeiro gol aos 38 do segundo tempo. Éder Militão avançou pela direita e cruzou para a marca de pênalti. A zaga bobeou, Diego Souza aproveitou e abriu o placar.

Seis minutos depois, Marcos Guilherme puxou contragolpe e passou a Lucas Fernandes. O meia dominou e devolveu a bola ao atacante, que fechou o caixão do Mirassol, sob os gritos de ‘olé’ da torcida.

O São Paulo chegou a quatro pontos na competição e lidera o grupo B. Ganhou força para o primeiro clássico da temporada, neste sábado, contra o Corinthians, apenas com a Fiel nas arquibancadas. O time corintiano está na ponta da chave A, com seis pontos.

                                         ############

Pitaco do Chucky. Luta também é sinônimo de vitória… amanhã será outro dia.

Pepino peruano. É indiscutível: Cueva é um dos raros talentos a serviço do soberano São Paulo. É irrefutável também: trata-se de um péssimo profissional. Julga-se acima do bem e do mal, com poderes suficientes para mandar o Tricolor plantar batatas quando bem entender. Agora, por exemplo. O time vive momento complicado e Cueva simplesmente se negou a viajar com a equipe até Mirassol porque ficaria no banco. Uma afronta do ‘professor’ Dorival Júnior na cabecinha de ostra do peruano. Independentemente de merecer um lugar no time, Cueva não pode desafiar a hierarquia. Nem o ‘rei’ Pelé o fez. Em 26 de abril de 1970, às vésperas da Copa do México, o Brasil jogou contra a Bulgária, no Morumbi, e o técnico Zagallo, que havia substituído o inesquecível João Saldanha, deixou o ‘Atleta do Século’ com o bumbum no banco e escalou Tostão. Pelé vestiu a camisa 13 numa boa.

Zé Corneta. São favas contadas: peruano Cueva, o Valdivia são-paulino

Pepino peruano 2. Na verdade, há muito tempo Cueva vem criando problemas apenas para forçar o São Paulo a negociá-lo (recentemente, recusou proposta do Al-Hilal). Nos últimos três meses, Cueva foi multado duas vezes. “Ele não está comprometido com o clube”, reconheceu o diretor executivo Raí. Que mandou um recado ao peruano: permanecerá no Tricolor. Poderá chiar à vontade, comprar briga até com o cozinheiro, mas só sairá se aparecer um time disposto a pagar a multa rescisória de 40 milhões de euros (R$ 159 milhões). Ele fatura módicos R$ 350 mil por mês.

Sugismundo Freud. Quem não cultiva seu campo morre de fome.

Lula lá. O hermano Diego Maradona saiu em defesa do ex-presidente Lula no dia de seu julgamento no TRF-4 (foi condenado por 3 a 0). Dieguito publicou nas redes sociais uma foto em que segura uma camisa da amarelinha desbotada com o nome de Lula e o número 18, em referência às eleições deste ano.

Zapping. Quando apresentadores (as) acreditam ser mais importantes que a informação é porque a coisa vai mal, muito mal, nos programas esportivos da TV.

Lar doce lar. ‘Por amor’ ao Palmeiras, o atacante Dudu recusou R$ 1,5 milhão por mês do chinês Changchun Yatai, livres como um passarinho na floresta. Dudu agora espera receber um agrado do clube e da ‘titia’ Leila Crefisa. O jogador ganha algo em torno de R$ 450 mil para a xepa. Se Dudu topasse a mudança de endereço, o Palestra iria faturar R$ 50 milhões. É dando que se recebe.

Dona Fifi. Alexandre Campello ganhou as eleições no Vasco, mas o personagem mais cumprimentado na posse foi o capitão gancho Eu-rico Miranda. Houve até fila para abraçar o grande benemérito e tirar selfie.

‘King James’. A grande estrela do Cleveland Cavaliers, LeBron James, quebrou mais um recorde na NBA. A fera entrou para a história como o mais jovem jogador a atingir 30 mil pontos na carreira: 33 anos e 24 dias. Ele superou a marca de Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, que fez a festa com 34 anos e 104 dias. LeBron cravou 28 pontos na derrota para o San Antonio por 114 a 102. O astro chegou a 30.021 pontos e agora faz parte de um seleto grupo de atletas com mais de 30 mil: Kareem Abdul-Jabbar (38.387), Karl Malone (36.928), Kobe Bryant (33.643), Michael Jordan (32.292), Wilt Chamberlain (31.419) e Dirk Nowitzki (30.837).

Caiu na rede. Flamengo mais forte: goleiro Alex Muralha emprestado ao Albirex Nigata, da segunda divisão japonesa, até fevereiro de 2019.

Gilete press. De Cosme Rímoli, no ‘R7’: “Giovanni Augusto treina e espera a chegada de interessados. Recebendo R$ 320 mil a cada 30 dias. Se ficar até o final do seu contrato no Corinthians, serão 52 salários – 48 meses e quatro décimos terceiros. Nada menos do que R$ 16,6 milhões. Somados aos R$ 17,6 milhões que o Atlético Mineiro recebeu [50% dos direitos], a quantia é de R$ 34,2 milhões. Fora premiações das conquistas do time. Giovanni Augusto foi um caríssimo erro corintiano…” Uma Mega-Sena no lixo.

Tititi d’Aline. A história da ex-patinadora Tonya Harding foi indicada a três categorias do Oscar: melhor atriz (Margot Robbie), atriz coadjuvante (Allison Janney) e montagem. ‘Eu, Tonya’ deve estrear na segunda quinzena de fevereiro. Antes da Olimpíada de Inverno de 1994, Harding planejou um ataque à patinadora Nancy Kerrigan. Elas competiam na seletiva americana por uma vaga aos Jogos. O então marido de Harding, Jeff Gilooly, e mais quatro homens tentaram tirar Kerrigan da competição com um golpe de bastão no joelho da atleta. Que se recuperou e faturou a medalha de prata olímpica.

Você sabia que… o atacante chileno Alexis Sánchez receberá a bagatela de R$ 2,2 milhões por semana no Manchester United?

‘Bola de ouro’. Carioquinha. Em apenas duas rodadas, o badalado campeonato proporcionou um pequeno rombo de R$ 822.382,15 ao quarteto de cordas e chuteiras Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo.

Bola de latão. Romário. O lateral-esquerdo mostrou em pouco mais de 110 minutos que dificilmente dará conta do recado no Peixe. Tanto que o clube já está à caça de outro atleta para a posição. Romário veio do Ceará.

Bola de lixo. Larry Nassar. Médico acusado de molestar mais de 100 mulheres, incluindo campeãs olímpicas de ginástica dos EUA, foi condenado a ficar no mínimo 40 anos na cadeia. Nassar, 54, já cumpre pena de 60 anos por pornografia infantil.

Bola sete. “Você não é um médico. Não mandaria meus cachorros para você. É um privilégio lhe condenar. Eu acabei de assinar sua pena de morte” (da juíza Rosemarie Aquilina, ao anunciar a pena entre 40 e 175 anos para o médico Larry Nassar – exemplar).

Dúvida pertinente. O futebol carioca, exceção de Flamengo, está quebrado?

O que você achou? jr.malia@bol.com.br

 

Anúncios

2 comentários em “De virada, Corinthians derruba a Ferroviária e engata segunda vitória; soberano Tricolor desencanta”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s